30.11.11

Odja Identidade

Katxó, sange ka ta laba!



"O fado de Lisboa é um género híbrido e nem sequer muito antigo (Rui Vieira Nery situa as primeiras referências documentais que lhe são feitas no segundo terço do século XIX). Nasce no Brasil e, transplantado para Lisboa, começa por ser dança de bordel e canção de rameiras. Mas, vindo de além Atlântico, mantinha uma relação com as origens africanas da música dos escravos negros e hoje ainda se pode notar nele algum parentesco com a música brasileira, com a cabo-verdiana e com algum jazz. Não tanto porque o encontremos nos exemplos de época numa perspectiva arqueológica do exame de modinhas e lunduns, mas porque a inovação musical que nele se opera tem intuitivamente presente essa relação ou redescobre essas afinidades. (...)

29.11.11

Ramanga...kudjé kramokado

Ei, é bo la, rosto suma kudjé kramokado...
(- ka nhos rapa-m kaleron ku kel kudjé nobo pa nhos ka kramoka-m el...)

- Ramanga! [Rɐmgɐ]
Inda N ramanga-bu pó, spera-m gó N da-bu dreto…

- Mos, bó gó é kuzé ke bu sta ramanga? Ramanga, só pa bu ka da-m, pamó se bu da-m bu ta odja lume ku dilubre ta koré.

- Ramanga karsa bu ramanga kaminza, rosto na txon, sinal de ome mofino!

Remoke [Re’mɔkɨ]/ ramoke (?)
Só kanto N da-l dos remoke el kunsa entra na kaminho…
N tenba ke da-l remoke, de sel dja staba dimas.
Bu pode da remoke sima bu kre, ma bu ta ba simé. Ka bu da-m remoke, fazé kel ke N manda-bu.
Ala-l ta bai la,  odja-l ta ba, ta ba ta da remoke

 QUINT-ABRIAL, 1998.
Ramanga [rɐ’mgɐ] (port. remangar) v. arregaçar as mangas ou as pernas das calças, remangar, remanga kalsa!  arregaçar as pernas das calças para não se molharem).
Ramóki [rɐ’mɔki] (port. remoque) s. acto de uma pessoa lembrar à outra que esta é lhe devedora de um favor, da remoki: lembrar a alguém os favores que lhe foram feitos.

 VEIGA, 2011 (Dicionário Caboverdiano-Português)
ST (Santiago)
SV/OV
Português
ramanga
Remangá, ragasá
v. arremangar
ramóki
Lenbransa de un favor fete
sub remoque

Será ke Linguistas Kv, alguns, entretedo na konvenson de skrita - fonetizasão de LP - inda ka da konta ma "Leksiko de Kriolo de Kabo Verde", apezar de etimolojikamente portuges, ganha un semantika oto na FALA rejional y nasional. N ka sta papia de sintase, nen de ... ke dia ke Stado-governo de nha terra...
 remoque [Rɨ’mɔkɨ]. s. m. (Deriv. Regressiva remoçar). 1. Acção de evidenciar discordância; acto ou efeito de remoquear. 2. Dito dirigido indirectamente a alguém, em tom ofensivo, que encerra discordância, censura (…) 3. Insinuação maliciosa ou de carácter satírico. (...) 4. Objecção de carácter discordante ou crítico. (…). 5. Repreensão; censura (…). (Dicionario de Academia...)

27.11.11

Sarbaxe !

- Mos, bo é sarbaxe!

Sarbaxe = bruto ~_ brabo
Sarbaxe, sarbaje (de pt. selvagem)
Sarbaxaria, sarbajaria (de pt. selvajaria)
Sarbajindade, sarbaxindade
Salbaxi [salba∫i] (port. selvagem) adj. malcriado, mal-educado, indelicado, descortês, grosseiro (QUINT-ABRIAL, 1998).
VEIGA, 2011 :384 e 256
ST (Santiago)
SV/OV [S. Vicente/outras variantes]
Português [PE]

Salbaxi, selvájen

Salvájen, malkrióde
adj  mal educado, malcriado, selvagem
salbaxaria
salvajaria
sub  selvajaria
salbaxindadi
salvajaria
sub   selvajaria
malkriadu
malkrióde, stebakeróde (SA) labantadu (F)
adj malcriado, mal eduducado
malkriason
malkriason, -ãu
sub falta de educação, obscenidade
selvagem [sɛɫ’váӠᾰj] adj. m. e f. (do prov. Selvatge, do lat. Silvaticus ‘silvestre’). 1. Que vive livremente na natureza, que não habita junto do homem ≠ DOMESTICADO, DOMÉSTICO (…) 2. Que cresce naturalmente sem intervenção do homem. BRAVO, SILVESTRE CULTIVADO. (…) 4. Que não se adapta à vida em sociedade; que prefere estar sozinho. (…) 5. Que tem um comportamento grosseiro, rude, brutal; que não foi modelado pela civilização (Dic. Academia  :3372).

selvajaria, selvageria (Bras.) [sɛɫvɐӠɐ’riɐ], [sɛɫvɐӠɨ’riɐ]. s. f. (de selvagem+ suf. –aria). 1. Característica do que é bárbaro ou selvagem. (…). 2. Acto cruel, brutal ou procedimento próprio de bárbaro, selvagem. (…). (Dic. Academia  :3772).
malcriado, a [maɫkri’adu, ɐ] adj (De mal +criado). 1. Que não tem bons modos; que não é bem educado.- ~ GROSSEIRO, INDELICADO, MAL-EDUCADO, RUDE ≠ BEM-EDUCADO (…).(Dic. Academia  ).
má-criação [makriɐ’sᾰw] s. f. 1. Desrespeito pelas regras convencionais do normal relacionamento social; falta de educação. 2. Comportamento que revela esse desrespeito. -~ GROSSERIA. Pl. Más-criações. (Dic. Academia ).
-TUDO KEL LI GO, É PA KUZÉ?
-DIBINH

Bali, FADO é nós

Foto DN
Património Imaterial da Humanidade!
(Bali, 27/11/2011)

22.11.11

Stado Biado!

Mas un palavra bonito na nos kriolo ke dja sta ben biado...

El ben li ben biado (pt. aviado). Na kriolo el ten sentido de karregado. Un forma de fla un algen ma sta prenha. Por ezenplo: Dja bu sta-m biado.

20.11.11

Ratorkão!

Dja nho staba "ratorkão" na mundo...

Oje algen faze-nu rakorda un palavra bunito na Kriolo, ma ki sta na ora de morte. Es palavra é ratorkão (mesmo ke “ nhos sta-m ratorkan!). Ben na nha memoria es pasaje de livro de Baltazar Lopes da Silva (1957),

(…) nunca encontrei traço linguístico que se me tenha imposto como provindo necessariamente de um substrato a africano. Apenas no léxico se nota a ocorrência de vocábulos a que, como disse atrás, atribuo origem africana, na impossibilidade de lhes encontrar étimo português, mesmo na fase arcaica ou média do idioma. No entanto, mesmo essa contribuição vocabular, de tão magra que é, quando confrontada com a origem reinol da quase totalidade do tesouro vocabular crioulo, não tem, a meu ver, significado relevante, no que concerne ao influxo da subjacência não românica.” (Lopes da Silva, 1984 :39).
Sta klaro ma ratorkão/ratorkan é omentativo, as vesku sentido pejorativo, de adijetivo ratorko.
De li no razolve djobe étimo des palavra na purtuges y forma ke es sta disionarizado na Kriolo de Kabo Verde, no (ka) atxa:
1.       ARMANDO NAPOLEÃO RODRIGUES FERNANDES (1885) ka rejista es palavra “ratorku” na se “Léxico do Dialecto Crioulo…”;
2.      BALTAZAR LOPES DA SILVA (1957) “retórico: é termo da ilha d Fogo, com a forma ratorku; é curioso o sentido que ali assumiu (aplicado a pessoa) de cheio de si, empavonado, exibicionista. O tratamento fonético não tem nada de especial: mudança do e em a por influência do r inicial e sincope da postónica.” (1984 : 359);

3.      NICOLAS QUINT-ABRIAL (1998), Na se dicionário Caboverdiano-Português skrebe: Ratólku [rɐ’tɔlku] (port. Retórico) adj. verboso, palavroso, retórico. 
4.      MANUEL VEIGA na se Dicionário Caboverdiano-Português pa es entrada e variantes el skrebe na página 370:
 
ST
SV/OT
Obs Port
Ratóiku, ratólku
ezigente, xei de mania
adj  exigente, cheio de manias
ratólka
ratólka (bv)
Adj com muitas manias
ratólku
xei de salamaleke
Adj com muitas manias
ratólku
ke mania, fiter
Adj fiteiro
Signifikado ki gentis Fogo ten de palavra ratorko ó te ratólku ka sta muto klaro na kes entrada ke no sita. Na Fogo un de kes uzo sta na sentido de kel spresão li:
1. Rapas, undé nho sa ta ba tudo ratorko (ratorkão) sin? Purtanto, janota, ben bistido, ben karsado… y tudo kontente; bazofo, janota.
Komo falante de kriolo ta kusta-nu rekonhese kes signifikado atribuído a “ratólku” na kes signifikado ke dado na SV/OT… y mesmo na portuges
Tanbe se no bai odja signifikado traduzido na português “fiteiro” de *fitero (mask) fitera (fem) (MV escreve: “adj mulher com muita cerimónia”, pajina 140.  Kazo de un falante de portuges razolve txoma un kabuverdiano de “ratólku”, tendo el kel signifikado ekivalente “fiteiro” na purtuges, ke segundo o Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, fiteiro “(… ) que ostenta falsamente um sentimento, lágrimas… para iludir ou impressionar alguém; que finge, que simula; que faz fitas…”. Nu pode odja “ratólku” traduzido pa “fiteiro” na LP?
Tanbe nu pode odja kel ke sta “cheio de manias” suma un ratolku? MV escreve “mania” tem mesmo signifikado/traduzido na tudo variedades sima na portuges, sta traduzido, “mania”. Só ke na portuges mania significa basikamente “capricho, esquisitice; excentricidade; desejo ou gosto imoderado por algo”. Será ke un pesoa ratorku é un pesoa xei de mania?
Na Kriolo de Kabo Verde, sobretudo na kes variante ke no konxe, spresão “dixa de fita” signifika dixa de faze ka sabe, ka konxe, ka obi… finje, simula, faze de nobo… bu sta na fita, bu sta só na finjimento…
Na Dicionário de QUINT-ABRIAL, transkrison fonetika ta parse-nu ma sta mariado *[rɐ’tɔlku]. [ra’tɔɫku]. No entanto, na signifikado ke el da de ratolku, no ta odja algun aproximasão semantiko. Pois, un pesoa ora ke el sta ratorko, na sentido ke nu da-l li de riba, el ten tendensia na kre mostra “exibicionismo” na ta papia pa txoma atenson...

Karater

- Karater, só si for de katxó ke ta morde se dono!

Mas ka bu perde bu karater pamode el é sima tres binten (virgindade), ora ke bu perde-l é pa internidade.

Carater (ver mais no dicionário HOUAISS):
1. conjunto de traços psicológicos e/ou morais (positivos ou negativos) que caracteriza um indivíduo ou um grupo

Rubrica: filosofia.
segundo Heráclito de Éfeso (sVI-V a.C.), o conjunto definido de traços comportamentais e afetivos de um indivíduo, persistentes o bastante para determinar o seu destino.


15.11.11

Venus

Venus
Internete: N?  M 14junho 1958
Morna de Xavier da Cruz

eScrita etimológico
Skrita atualizadu AK [St.]
Venus!… oh nhâ cretcheu querida,
Pamó qui bô há-l fazêm sofrê…
Venus! oh nhâ astro di nhâ pensamento,
Pamó qui bô há-l dixám morrê…

Si sol tâ cabâ co note sucuro,
Suma morna, co sofrimento,
Pamó qui bô, oh Venus nha crecheu,
c’al cabám co ês nhâ tormento…

Venus, crecheu stremicido
Dixám cantá-bo ês morna baxinho,
Venus, encanto de nha pensamento,
Dixám niná-bo manso na bô ninho.

Ês sofrimento ki sâ tâ matám
Nacê na bô odjo di amor;
Êl cria raiz na nhâ pêto,
Êl há-l mata-m co crecheu e dor.
Venus!… ó nha kretxeu kirida,
Pamo ki bu al faze-m sufri
Venus! ó nha astru di nha pensamentu,
Pamo ki bu al dixa-m mori…

Si sol ta kaba ku noti sukuru,
Suma morna, ku sufrimentu,
Pamo ki bo, oh Venus nha kretxeu,
Bu ka al kaba-m ku es nha tormentu…

Venus, kretxeu stremisidu
Dixa-m kanta-bu es morna baxinhu,
Venus, enkantu di nha pensamentu,
Dixa-m nina-bu mansu na bu ninhu.

Es sufrimentu ki sa ta mata-m
Nasi na bu odju di amor;
El kria rais na nha petu,
El al mata-m ku kretxeu y dor.

O que é que mudou de 1936 a esta data?


"Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde

Por Baltazar Lopes da Silva

 3
Língua ou dialecto?

Já foi levantado o problema. José Osório de Oliveira abordou o assunto. E sustentou “por intuição” que o crioulo de Cabo Verde é uma língua.

E o problema que filologicamente não tem importância transcendente. Relevo teria na geografia humana da cultura lusíada. Há certo ponto, no domínio da ciência linguística pura, em que a língua e dialecto são conceitos tangenciais. Quando o linguista abstrai de razões de ordem social e política, ambos são grupos de fenómenos de igual interesse. Já a aristocratização de dialectos até a categoria de línguas foge um pouco à análise linguística pura. Se razões de natureza política, social ou cultural – ou o prestígio literário, levam determinado dialecto a impor-se aos outros da mesma área de distribuição. Foram elas que no ocidente da Península produziram a supremacia do galego português (veículo de uma intensa literatura lírica), do dialecto da ilha-de-França sobre os outros falares do território francês, e do dialecto toscano (literariamente) sobre as outras linguagens da Itália.
É evidente que estas razões faltam a Cabo Verde. As próprias virtualidades da sua cultura apenas podem marcar (e é muito) uma nota de peculiaridade dentro do complexo luso-atlântico, mas não um movimento centrifugo de afirmação em língua. Para tal, necessárias serem certas condições. Isolamento político. Independência política. Emprego obrigatório do crioulo em documentos e repartições oficiais. Uso literário generalizado. E, além disso, há a acção terapêutica e constante do português, veículo de cultura acção que cada dia é mais presente com o derrame da instrução.
Note-se, todavia, que, intrinsecamente o crioulo de Cabo Verde tem mais condições para se afirmar em língua autónoma do que, por exemplo, o falar brasileiro. É que a linguagem brasileira está mais perto do português de Portugal, a força diferencial foi menor, por no seu processo formativo ter havido maior aportação do elemento metropolitano. Já no crioulo de Cabo Verde o choque foi maior, devido ao predomínio étnico do elemento afro-negro na miscigenação e ao carácter, possivelmente, menos impositivo da acção do metropolitano na vida Colonial. Consequências, a meu ver, do factor económico: - o elemento português menos poderoso economicamente em Cabo Verde, terra de limitados recursos agrários, do que no Brasil em que a casa-grande representa os grandes latifúndios e a monocultura, possíveis num regime profundamente escravocrata. De aí, ter havido em Cabo Verde maior contribuição dos grupos africanos e ser mais acentuado o aspecto patológico da evolução do reinol. É esta a razão, de resto já algures apontada, de mesmo a linguagem sertaneja do Brasil ser muito mais compreensível para um português da Metrópole do que o crioulo caboverdiano – e isto apesar de o dialecto das ilhas ser de estrutura nitidamente portuguesa, de tipos mórficos resultantes da simplificação do reinol, de léxico quase totalmente português.”

LOPES DA SILVA, Baltazar (1936), "Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde". Claridade, 2, p. 5 e 10

(Fim)

Cultura, Língua e Sociedade

Foto da Internete

"Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde
Por Baltazar Lopes da Silva
2
Que espécie de contribuição teriam trazido os afro-negos para a formação do crioulo de Cabo Verde?
Em que medida teriam agido as línguas africanas sobre o português?
O crioulo de Cabo Verde é uma língua nitidamente românica, portuguesa. Seu sistema morfológico resulta directamente de uma simplificação da morfologia do português. Seu léxico é quase totalmente português. O vocabulário africano deixou fraquíssimos vestígios, principalmente nas ilhas de barlavento; em Santiago é que se encontra maior número de vocábulos africanos, topónimos e nomes, comuns e mesmo assim em percentagem ínfima.
Os crioulos (linguagens negro-europeias) correspondem à miscigenação de tipos humanos. Para a formação do crioulo de Cabo Verde, sabemos que o português trouxe o seu vocabulário e sua gramática, que o afro-negro simplificou: - a este, em maior número, coube a acção patológica que modificou a linguagem, imprimindo-lhe certa feição.
Mas levanta-se um problema: - quais as causas que determinaram a acção do afro-negro?
Como observa Juret, não basta, para se determinar o verdadeiro sentido de uma lei, a simples verificação de tacto particular de, em certa época, um dado som ter evoluído para um outro, antes se torna investigar qual o princípio geral que originou essa modificação. Põe-se, para o crioulo de Cabo Verde, o problema de determinar-se o sentido em que teriam os africanos exercido a sua acção na patologia de reinol.
Ora, é preciso não perder de vista que os falares crioulos resultam das reacções de povos primitivos, na maior parte das vezes arrancados do seu habitat originário (como é o caso de Cabo Verde) perante uma língua estranha, veículo de uma cultura diferente. Todo o Crioulo é resultante de um choque de culturas. O determinar-se a contribuição ds afro-negros pressupõe estudar a sua mentalidade, a sua alma, a sua posição perante a Vida, numa palavra, os elementos formativos da sua magia, dos seus sistemas religiosos, da sua poesia do seu folklore, da sua força de criação mítica. São justamente estes estudos subsidiários que nos faltam na análise do problema linguístico caboverdiano. Ignoramos o que é que o afro-negro trouxe consigo quando veio para as ilhas colaborar na colonização. Nem mesmo podemos afirmar com segurança quais as áreas de cultura de onde provieram os stocks africanos. Apenas, parece-me, razões de ordem administrativa e a proximidade geográfica nos permitem aventar que o afro-negro que veio para Cabo Verde procede da área de cultura sudanesa ocidental. Não se estudou ainda, o que, com relativa pureza, sobrevive das culturas afro-negras na ilha de Santiago, nem se inventariaram nos arquivos aduaneiros do tempo do tráfico os pontos de partida e os focos de disseminação dos escravos africanos. Há todo um programa para aqueles que queiram fazer estes estudos – que seriam magnífico subsídio para a análise da linguística caboverdiana. Sobrevivências religiosas. Infiltrações, no catolicismo popular, de práticas religiosas Yorubanas. Folklore.
Há uma verificação linguística em Cabo Verde que me leva a aventar a existência de várias tradições linguísticas nos grupos afro-negros que colonizaram as ilhas. Por um lado, o crioulo caboverdiano constitui um grupo definido e solidário nas suas subdivisões. Todavia a acentuada diferenciação subdialectal não é suficientemente justificada pela insularidade da colónia, tanto mais havendo já hoje uma incontestável unidade social e psicológica no arquipélago. Tratando-se de uma terra antes desabitada (excepção feita para as hipóteses que podem levantar-se relativamente a migrações antigas dos jalofos), poderia parecer à primeira vista que a subdialectação se justificaria pelo simples factor geográfico, sem necessidade de se invocarem variadas proveniências dos elementos afro-negros, tanto mais faltando a estes o seu meio geográfico originário. Isto é, os afro-negros, arrancados do seu habitat, verem as suas tradições linguísticas perderem-se sob a acção niveladora da cultura. Contudo, apesar de ter sofrido alguns ataques, a velha concepção romanista de uma tradição linguística local não sai enfraquecida por razões de ordem geográfica. Como alega Michaelis [?], a tradição interessa como facto linguístico e não como fenómeno geográfico. As considerações de carácter geográfico que os linguistas introduzem nas suas construções resultam da comodidade que tal atitude oferece e da impossibilidade de encararmos os fenómenos linguísticos sem os ligarmos à ideia de espaço.
O crioulo caboverdiano sofreu, no seu processo evolutivo, a acção niveladora da cultura. Mas o próprio facto de a subdialectação ser mais acentuada do que seria lícito esperar, se atendermos que há em Cabo Verde factores de unidade de ordem política, social e até étnica, prova, a meu ver, a presença actuante das tradições linguísticas de que teriam sido portadores os núcleos colonizadores de proveniências várias trazidas pelo tráfico.
Para só citar um exemplo: - a abundância de alotropismos no crioulo caboverdiano. Creio que ela é consequência não só da acção constante, terapêutica da língua-mãi (que introduz formas que coexistem com as resultantes da evolução popular), mas ainda da solicitação alotrópica das variadas tradições linguísticas que actuaram nas ilhas.
Isto – sem deixar de reconhecer também, na base do alotropismo e do metaforismo crioulos, uma razão psicológica elementar. É-nos forçoso tomar em consideração a humanidade essencial do afro-negro, plasmador dos falares crioulos, e portador de certa poesia do maravilhoso decorrente da sua concepção de Vida. E a sua virgindade intelectual. E Mach tem uma observação lúcida quando compara a linguagem do primitivo à da criança. Esta, como o selvagem, dispõe de poucas palavras para exprimir as emoções que povoam o seu mundo. Por isso, fala poeticamente, por necessidade: qualquer semelhança o leva a transpor a significação das palavras. (...)" (sublinhado nosso)
LOPES DA SILVA, Baltazar (1936), "Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde".  Claridade, 2, p. 5 e 10.
PS: Alguns termos e expressões precisam de ser lidos dentro do contexto e da época em que o texto foi elaborado.
(tem continuação...)

13.11.11

Língua- mãi!

"Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde
Por Baltazar Lopes da Silva
I

A expansão ultramarina das nações europeias, especialmente das de língua romântica, determinou choques de culturas. No campo linguístico esse choque deu em resultado o aparecimento de falares novos.
Não tem sido uniforme o critério dos romanistas na determinação do processus de formação dos crioulos.
Alguns, como Schuchardt, Lucien Adam e P. Mayer, consideram os crioulos meros produtos da aplicação da gramática dos idiomas indígenas a um vocabulário europeu. Por seu lado Adolfo Coelho sustentou que os dialectos crioulos obedeceram, na sua formação, a uma acentuada tendência de simplificação gramatical, para facilitar o entendimento entre vencedores e vencidos, tendo na sua constituição essencial, como formas peculiares das línguas europeias influído muito pouco as particularidades gramaticais dos idiomas indígenas.
Esta conclusão de Adolfo Coelho, a meu ver única que corresponde à realidade do problema, atende aos dois factores básicos que informaram a constituição dos crioulos românicos: - simplificação gramatical e manutenção do carácter românico.
De facto, e como pretende Adolfo Coelho, temos de admitir uma fase inicial em que as circunstancias suscitadas pelo encontro de vencedores e vencidos e, em consequência, a necessidade de entendimento, determinaram o aparecimento de um sistema simplificado, constituído, exactamente, pelos elementos linguísticos que podiam obedecera este duplo requisito: - serem facilmente assimiláveis pelo povo inferior e terem a mobilidade suficiente para possibilitarem a comunicação dos grupos em presença. Deste modo, a formação dos dialectos crioulos, embora obedecendo as causas de ordem psicológica, resulta de uma necessidade prévia de carácter social. Reduziu-se a língua estranha nos dois domínios que mais directamente importavam às necessidades que provocaram à simplificação: - a morfologia e o léxico.

O exame do vocabulário dos crioulos permite-nos concluir que no sistema originário entraram principalmente termos que servissem à expressão de noções concretas e os tipos gramaticais necessários ao enquadramento dos vocábulos e à coordenação das ideias. Assim, os vocábulos e tipos mórficos adquiriram nos crioulos maior densidade e capacidade funcional, precisamente porque a redução vocabular e morfológica dos idiomas europeus fez com que se cometesse aos temos e morfemas sobreviventes o papel de traduzir ideias que naqueles dispõem de formas e tipos gramaticais próprios. Esta circunstância foi decisiva na abundância de construções perifrásticas e metafóricas, com as quais se procura atingir o sentido justo e designar a função que os vocábulos e tipos gramaticais correntes não podem exprimir. E essa redução coincide também com a tendência geral, notada por Meillet, de as línguas simplificarem o seu sistema morfológico quando se propagam em domínios novos, e com a lei da morfologia geral que estabelece e a eliminação progressiva das formas complicadas ou excepcionais, em proveito de formas simples e correntes.
Mas, constituído o novo falar, o crioulo, e lançado no domínio social que se destinava a servir, abriram-se todas as possibilidades de evolução.
Duas forças se encontraram em presença no desenvolvimento dos crioulos - uma agindo em sentido de conservação, outra no de inovação. A primeira determinou a manutenção dos tipos básicos que através do sistema nuclear dos crioulos, servem de definir a procedência destes falares e de perpetuar o seu carácter europeu, patenteada principalmente no domínio morfológico, essencial no conjunto dos aspectos distintivos das línguas, sendo certo que, como nota Terracher, o sistema morfológico caracteriza uma língua mais nitidamente que o léxico ou o desenvolvimento fonético.
Foi em virtude desta força conservadora que a identidade de origem tornou possíveis as grandes afinidades existentes entre os diferentes crioulos de cada grupo românico e que, por outro lado, ainda hoje se verifica o vivo carácter português de certos dialectos falados por populações que de há muito não estão ligadas politicamente a Portugal como sejam os de Java, Singapura, Ceilao, etc.
A manutenção da estrutura morfológica e, por isso, o elemento determinativo do critério a ser adoptado para se decidir se dado falar colonial deve ser considerado ou não um dialecto resultante das línguas europeias. Não basta, com efeito, a simples ocorrência de uma percentagem elevada de vocábulos de origem europeia para definir o carácter europeu dos dialectos ultramarinos pela mesma razão por que o albanês, por exemplo, não é língua românica, apesar de o seu léxico ser de grande parte românico.
O dualismo da força conservadora, concretizada na estabilidade dos tipos mórficos, e a solicitação inovadora, objectivada na evolução fonética, no enriquecimento vocabular e nos desenvolvimentos semânticos, tem uma das suas mais importantes expressões no seguinte: - enquanto nos crioulos o sistema morfológico se conserva fiel à sua estrutura primitiva, conservando das línguas europeias apenas os traços essenciais, determinativos da proveniência desses falares, nota-se, por um lado, uma aproximação fonética cada vez maior do estado fonético actual da língua-mãi, concretizada na abundância de formas divergentes, que representam, umas o aspecto fonético tradicional e outras a influência do reinol, e por outro lado assiste-se em certos dialectos a uma constante entrada de vocábulos, importados desta, entrada que irá avultando à medida que as populações indígenas vão estando mais em contacto com as metrópoles respectivas. (destaque nosso)
( tem continuação...)
LOPES DA SILVA, Baltazar (1936), "Notas para o estudo da linguagem em Cabo Verde".  Claridade, 2,  p. 5 e 10.

12.11.11

Djobe Gramatika de Kiriolo IX (fin)

Midjor Variante_ es ten mania_ _  _ kriol di praia é di tudo kauverdianu

P: Kal ki nh_ ta atxa ma é midjor Varianti

R: odja_ es kuza li di varianti li_ aah_ mi à primeira tam(b)e aah_ N ta fazeba un bokadin di konfusãu nes keston pamo N ta atxa ma nu ten ki skodjeba un varianti di un lingua_ mas prontu_ inda ben paizis ki dja fazi_ é ki tevi ki pasa u memu prusesu ki kau verdi_ _ ten txeu  studu sobri kel li_ nton un di kes kuzas _ varianti ka ten ki ser jiografiku_ N ka ten ki skodji varianti A_B ó C_ _ u ki nu ten ki skodji varianti_ entendendu ki varianti padrãu é só a nivel di skrita_ _ papia kada un ta kontinua ta papia sima e (el) se_ si sime e(el) ta papia_ né_ _ anton a nivel de skrita nos tudu ten ki txiga a un akordu_ u bu ta skrebi kaza ku kapa_ _ ah_ ma nu ta skrebi palavra_ pa nu sta adota ma kabu verdi ta kontinua _ ta kontinua sima sta ku C_ _ purtantu nu ten ki txiga un akordu_ es varianti padrãu é a nivel di skrita_ _ y é ka ten ki ser jeografiku_ e (el) ki ser un varianti ki ora ki mi di praia N le-l_ N sa ta intendi_ _ ora ki el_ algen di maiu_ _ le-l  _ bu sa ta oi_ e(el) ta ntendi u ki sta la_ ma prununsia di maiu ta fika la_ _ gosi li nu ten un testu na purtuges mi  N ta le_ N ten un serteza el é ka di fogu é ka di brava é ka di sãu visenti_ maiu_ prontu_  _ podi fika sin_ mas ó ki mi N ta le purtuges nos nhos ta sabi_ ma N ka braziler_ ma N ka purtuges_ ma N ka di brava_ purtantu nos sotaki ta sta senpri la_ purtantu_ na lingua kauverdianu é omemu kuza_ nu ta ten nos testu_ nu ta ten nos testu_ y ki pisual si é (el) podi le se prununsia ta fika_ _ agora N ten ki abri mon di un kuza_ aah_ pur izenplu entri norti y sul ki ten dos grandi varianti_ né_ ki nos nu ta fla_ N sa ta bai_ es es ta fa N ti ta bá_ né_ purtantu kel la é kes kuza ki aah_ pur enkuantu no nu ta ba ta uza tudu dos_ nu ta ba ta uza tudu dos_ nes mumentu li tudu _ né_ ta txiga un mumentu ki nen é ka nos_ ki un di kes ta fika menus uzadu_ mas kel li é ka ningen ki ta determina antisipadamenti_ é kistãu di uzu_ suma palavra sa ta dizaparsi_ _ é kistãu di uzu_ ó é podi ka dizaparsi_ ma variantis_ nu ka ten ki atxa ma é konplikadu_ pamo kuze_ nos nes mumentu li nu ten ki sa pake ki nu kre kriolu_ né_ nu ka kre kriolu pa ben fika un lingua ka unifikadu_ nos dja nu ten_ nos kriolu (s)ta unifikadu_ no nu kre un eskrita_ só pa nu troka_ _ ten ki ten algun sedensia_ ten ki ten_ pur izenpu_ santiagu_ es ten mania ta atxa ma é kriolu di santiagu_ ma é ka kriolu disantiagu_ gentis ta pensa txeu na kriolu di praia_ ma kriol di kenha_ kriol di badiu_ nãu_ ma (N) ta txiga la sinsin dja na _ aah somada_ tarafal N ta xinti ma ten alguns kuza ki é diferenti_ kriol di praia é kriol di tudu kauverdianu_ di santiagu_ di fogu_ di tudu_ _ ma oxi dja nu ten un mistura li_ ki si kriolu di praia for só kel badiu nu sta ben obi un kriolu fundu_ ki kel nunka ka stivi na meza ma ta ser ke(l) la_ né_ _ é verdadi ki si kalhar nu ten ki ba bebi _ nu ten ki ba resgata txeu kuzas_ na kriolu fundu_ en termus di palavra_ di nomi di kuzas né_ _ si nu ten un palavra_ mas palavra pa nu fla es garafa li_ né_ si N ten un palavra mas kriolu di ki si kalhar N ta fa kel palavra mas kriolu _ di fa-l kel garafa ki é purtuges_ ma memu resgati N ta fazi na otus ilhas_ N ta ba buska kes palavras mas fundu ki ta reprizenta kel realidadi_ né_ _  nton ma é un kistãu di sidensia ma na ninhun mumentu _ di nha pontu di vista di kel_ sima N fa nhos di kel ki dja N le_ ki dja N sabi_ N ka ta ben fla_ _ fogu sta ben ser_ es ki sa ben ser_ _ é ta ser mas_ é un varianti ki ta surji subritudu ku pratika di eskrita_ _ né_ _ fa nãu_ pamo mi N ta kustuma le kuzas na kriolu ki N ka ta identifika ku el_ N ta fa kel li é un kriolu mutu forsadu_ mutu puxadu_ ma ten otus ki sbu ta le-l_ e(el) ta bai di enkontru a kel ki bu sta abituadu ta obi na bu meiu_ anton  es prusesu li e(el) ta txiga_ ma é ka ta ser nunka un karta_ _ suma N fa é kel varianti li non_ é un kuza ki ten ki sai a partir di un Xis priudu di skrita_ di konvivensia pa u fla no kel varianti la sta mas aseite pa tudu algen_ varianti padrãu e(el) ten ki ser kel varianti ki é feitu pa maior parti di falantis_ _ é ka un kuza ki é feut di un dia pa kel otu_ alfabetu é un kuza pratiku_ bu pode faze-l _ bu stipula un tenpu _ bu fazi un alfabetu bu po-l na ixperensia_ ma dja eleison di varianti e(el) ta iziji mas tenpu_

Nota final:
Dja N kaba de faze transkrison de entrevista de un grande personalidade.

Sta li postado nes blog nove transkrison ku titlo Djobe Gramatika de Kiriolo, unde sta flado de forma klaro kal é ke futuro de Lingua, ke sta ser pruparado na manso-manso, sen gera y sen diskriminason. Alguns des post sta kumentado. Oto sta apenas sublinhado.
Só N ta spera ma tudo kabuverdiano ke sta interesado nes asunto de Lingua y ke kre odja un Lingua Kabuverdiano valorizado ta toma konsensia... Skrebe nos Lingua ka ten tadjo. Ago, se ka tumado konsensia de inpurtansia de nos Lingua de forma kuletivo, nos tudo ta kontinua ta perde.

11.11.11

Culturas e crítica por ANSELMO BORGES



No quadro da matança de Oslo e dos motins em Londres e outras cidades britânicas e das declarações, entre outros, de Angela Merkel e Cameron, aí está um tema incendiário, mas que precisa urgentemente de reflexão.
Que se entende por cultura? Esta é a definição clássica de Edward Barnett Tylor: "A cultura ou civilização, em sentido etnográfico amplo, é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, o direito, os costumes e quaisquer outros hábitos e capacidades adquiridos pelo Homem enquanto membro de uma sociedade."
Evidentemente, como sublinha Gabriel Amengual, poderia ter acrescentado, com a mesma razão, utensílios, ferramentas, etc. A cultura tem a ver com o que o Homem aprende, cria, inventa, para lá da natureza e adquire como membro de uma sociedade. Por isso, diz M. Harris que ela é o "corpo de tradições socialmente adquiridas", é o "estilo de vida total, socialmente adquirido, de um grupo de pessoas, que inclui os modos padronizados e recorrentes de pensar, sentir e agir".
Dentro desta definição, torna-se claro que é problemática aquela concepção elitista de cultura de que, por exemplo, os média, pelo menos inconscientemente, se fazem eco, quando se referem à cultura no sentido de actividades culturais consideradas superiores, como conferências, exposições artísticas, peças de teatro, filmes, etc. Todas as sociedades e grupos humanos têm uma cultura e todos os seres humanos são produto e produtores de cultura e são constituídos culturalmente.
Chegados aqui, é necessário reflectir sobre a cultura no sentido subjectivo e objectivo do termo. O primeiro, já dito no étimo - colere, cultivar -, tem a ver com o cultivo da terra (agricultura) e, depois, das capacidades humanas e, consequentemente, o seu aperfeiçoamento, chegando-se assim à cultura em sentido objectivo, que significa, como diz A. Ariño, "os resultados do processo de cultivo do ser humano, isto é, o estado do espírito cultivado pela instrução e o refinamento e a soma dos saberes acumulados pela Humanidade ao longo da sua História; em síntese, as criações e realizações do ser humano e das sociedades humanas."
No contexto do Iluminismo e da sua ideia de perfectibilidade humana, num horizonte teleológico, o sentido da História é o do aperfeiçoamento da razão e da liberdade, no quadro de uma cultura universal enquanto norma para a Humanidade.
Contra esta concepção da cultura no singular, Johann Gottlieb Herder foi dos primeiros a reivindicar com força a variedade das culturas, segundo a diversidade dos povos, e esta pluralidade não só não constitui inconveniente como, pelo contrário, é fonte de enriquecimento mútuo.
É aqui que surge a questão do relativismo cultural, que, segundo Gabriel Amengual, tem um contributo positivo, pois abala os fundamentos da perspectiva etnocêntrica e é um instrumento eficaz contra as pretensões de superioridade racial. Mas "converte-se em problemático, quando estabelece a incomensurabilidade, imponderabilidade e intraduzibilidade entre universos culturais e deriva para o relativismo moral ou cognitivo, que estabelece o carácter exclusivamente local dos valores éticos, estéticos ou dos critérios científicos".
Não temos o direito e o dever de criticar a nossa cultura, quando estão em causa os direitos fundamentais humanos? Então, não se impõe o mesmo direito e dever em relação às outras culturas?
Neste debate, estou com Monique Canto-Sperber, directora da Escola Normal Superior de Paris, quando diz que não pensa "que haja normas universais abstractas que possam aplicar-se a todas as culturas, mas antes normas universais concretas, fundadas em valores comuns e partilhados que são os mesmos para todos".
Defende, pois, o que chama "universalidade em contexto": bate-se pela "ideia de um núcleo duro de valores universais" - defesa dos direitos fundamentais da pessoa - "que se exprimem diferentemente segundo as culturas".

10.11.11

7.11.11

Djobe Gramatika de Kiriolo VIII

Ora ke un Personalidade ta fala sin nun intrevista - sima N transkrebe!- du pode fla: Kiriolo ka ten Gramatika ó... entrevistado sa ta fala de Lingua Kabuverdiano

Ora ki un Personalidade, Linguista, ta konfundi Lingua ku alupek...

P: N kre pa nh_ fraba si povu kabuverdianu ka ten nun kontributu a da na ora ki linguista ta sta ta_ ta luta pa ofisializason di Kriolu_ si povu ka ten nun kontributu a da na kel kistau la?

R: _ primeru kontributu ki ta da si kalhar é povu_ pamodi linguista só e(l) ta entra na funson ora ki e(l)odja ma rialmenti ma kel  kuza sa ta ser uzadu_ ma povu sa ta uza_ kuzé ki linguista ta fazi é ba pega di kel ki povu ta uza pa el sistematiza-l_ digamus_ pa el sistematiza-l  pa e(l) po-l na gramatika _ _ linguista_ purtantu ten ki ben a sigir a uzu di lingua_ _ primeru bu ta ten uzu di lingua_ dipos ki linguista ta parsi_ si non linguista ta binha e(l) taben ku regra e(l) ta fa a partir di oji nu ta papia asi_ _ a partir di oji nu ta fa asi_ _ purtantu linguista ta ben dipos di povu_ _ agora_ ah nes prusesu li _ mas konkretamenti_ na prusesu di standarizason bu ten ki ten priudus di_ di sosializason pa bu aprezenta_ _ un_ aprizenta-l na diversus meius_ ma undi ki bu ta podi resebi  reason di ken ki ta uza lingua pa e(l) fla ma é si ó me é ka si_ y povus kabuverdianus gosi ki es ten stadu ta reaji_ _ N ka sabi si é pamodi es gosta mas di alupek_ pur isu ki es reaji_ es gosta ma ten algun kuza ki es ka gosta pur isu ki es reaji_ purki antis di alupek tevi otus alfabetu_ mas ningen ka pega nel _ ningen ka uza nen un bokadinhu_ pelu faktu di ningen ka uza-l_ a nãu ser kuatu ó sinku algen_ logu kel alfabetu fika di ladu_ N fa bon kel li ka ta sirbi pamó pisoas ka pega-l _ bu ka odja-l skritu nun kau_ nen é ka diskutidu_ kel la nen N ka ta papia del_ si kalhar é mutu mau_ ó é mutu konplikadu_ y alupek _ prontu_ o pa ben ó pa mal foi kel ki da mas konfuzãu_ _ istu ker dizer_ primeru pisoas odja-l_ sima kel storia "falam mal, mas falam de mim"_ pelu menus pisoas odja-l _ pelu faktu di pisoas sa ta reaji a alupek_ anton la ki sta partisipason_ mi ku bo_ _ y gosi ku interneti ta pirmiti ki pisoas interaji mutu mas_ né_ _ ki pisoas pelu_ só ki infilismenti na interneti bu ten un partisipason sen responsabilidadi purki pisoas ka ta identifika es ta koba pa konfundi un monti kuza_ mó es ta fla só di kel aspektu_ agora_ é verdadi ki mesti fazi un kuza sin ki é prupursiona dibatis_ _ puublikus non virtual _ né_ _ dibatis publikus_ _ spasu pa fla oji ten tal kuza sobri tal_ _ né_ _ ki ken ki sta interesadu el podi bai_ pa e(l) fa bon _ N ta fa un pelu menus N ka gosta di kel kapa_ N ka gosta di kel efi_ ó e(l) ta fa-s mi N gosta di <tx> _ né_ _ ki antis era <tch>_  gosi é <tx>_ _ anton realmenti y povu para alen di el_ _ e ser ken ki ta papia_ a partir di la ki nu sa ta pega_ e(l) pode ten kel partisipason _ _ ma povu ten otu manera di partisipa tanbe_ ki en bes di es espera pa es txomadu nhos ben partisipa_ ken ki é interesadu e(l) pode kria un grupu tanbe_ pa e(l) difendi lingua_ né_ _ bu podi_ _ kustuma ten asosiason  pa difeza di lingua kabuverdianu_ _ ki ka ten nada a ver ku stadu_ ki stadu_ ki si stadu ka fazi es ta fazi_ y normalmenti_ pais ki ten kriolu sima di nós_ kauverdi kel li é stranhu_ nu gosta txeu di nós lingua_ tudu nós morabeza_ tudu isu_ na kel kazu li foi stranhu ningen ka tevi ki djunta_ _ _ pisoas djunta pa reaji_ né_ _ mas entretantu aprezentadu alupek tudu algen fazi tudu kel barudju ki N tinha fladu_ anton povu podi partisipa di dos manera _ ora e(l) txomadu ou voluntariamenti_ es organiza es manifesta_ né_  nu kre asi ó nu kre asadu_ mas é povu_ ten palavra a da y ninhun lingua ka ta konsigi da kualker pasu si ses uzuariu ka kre_ pamodi podi sai na bulitin ofisial_ podi sai na gramatika_ ma si povu ka uza-l_ _ ka ten ninhun linguista ki ta konsigi_ é ka ta sobrivivi_ okei!!!

NOTA:
- Povo de Kabo Verde dja reaje: E ka kre skrebe ku regras y prinsipe de alupek. Apezar diso AK dja foi dja transformado nun Instituison. Agó, AK?

- Povo de Kabo Verde ta papia kriolo. Kriolo eziste. El sta kontra es proposta de ofisializason de skrita de Lingua kaboverdiano(?) sugundo kes prinsipe fonetiko-fonolojiko. É kel li ke falta ser entendedo y konprendedo pa kenha ke sta manda.

- Antes tinha oto alfabeto...