25.12.13

Midjó nho Dobra Lingua!

-Abó é nhaku!
- Sta mal skrebedu.

- "nhaku", non. N ta seta: "nháku"

(...)

- Brutus. Min fra-bu: ['ɲhaku]

- "brutus", dja nho faita-m... otu bes!?


14.12.13

Silensio!

É es silensio sonolento
ke é tormenta de
sprito livre
ke nbarka corpo, dixa
alma
divaga na sono, i
na ora minguado, splash!

-Dja bu modja-m

Sim, ke diabo leba-bo,
de corpo i alma!
I...!, pa sempe.

Kataklismus i jasss, silensio.

-Kel ome!?

Barco ku batuku dja sta na porto de Praia.

Praia Maria é bunita.

- Ei ponba! buaba sim...

12.12.13

Diskise


- Ah nha mááh, ami go N sa ta diskise sima sol sta corre na seu

9.12.13

Barriga

Barriga, barriginha, barrigon, barrigona

Ka bu ben faze-m beju-l djuda

Barriga bandofado
Barriga (n)txarcado
Barriga (n)ziprado
Barriga soprado

Barriga npatxado

Barriga spitxado
Barriga trincado
Barriga lombrigado

Barriga-l tras

Barriga fastento
Barriga baxo
Barriga lote-lote
Barriga la na latan
Barriga de fome

Barriga largo, stangu-l tudja...
Barriga riba-l costa
Barriga (N)dogado
Barriga farto

Barriga ora ke da un barrigada!

16.11.13

AMIGADUS

Liga kabuverdiana dus amigus da lingua purtugeza

Cláusula 1

Definição, objectivos e perfil de membro1. A LICALP é uma associação civil, apolítica, sem fins lucrativos, composta de membros, homens e mulheres, que possuem como valor e gosto comuns, o facto de prezarem em fazer uso corrente da Língua portuguesa – falando-a e escrevendo-a – enquanto importante meio de comunicação, língua viva, afectiva e de cultura.2. A LICALP tem por objectivo primordial a preservação, a difusão e a expansão oral e escrita da Língua portuguesa entre os falantes cabo-verdianos.3. O membro da LICALP distingue-se pela sua contribuição e reivindicação por maior difusão do português, entre os falantes cabo-verdianos de todas as idades, numa perspectiva inter-geracional e com o objectivo de que este veículo de comunicação seja considerado sem reservas, património de Cabo Verde e uma riqueza linguística com parâmetros afectivos, culturais e históricos, possuidora de uma incontornável valência técnica/científica que deve ser mantida e cuidada nestas ilhas. 4. A defesa da expansão da língua portuguesa entre nós, quer sob a forma oral, quer sob a forma escrita, quer ainda sob a forma formal/coloquial, é o requisito indispensável e exigível para o perfil e a para a condição de membro e a sua contribuição primeira à Liga Cabo-verdiana dos Amigos da Língua Portuguesa.5. Outro requisito exigido para se pertencer à liga dos Amigos da Língua Portuguesa é que o membro da Liga seja de facto, em juízo e de livre escolha, um dinamizador actuante, um defensor atento, através do seu próprio exemplo, da sua prática oral e escrita, e da sua dedicação, à persecução da continuidade, da permanência, em suma, da existência viva e visível da língua portuguesa em Cabo Verde, a par da língua cabo-verdiana, o crioulo, seu descendente directo.

10.11.13

Ei, é nho la...

- N sta farto de cutxó!

-BoKona!, kala boKa.
-Kala boka! Ná. Silensio...

- Ago, viiiiva A ... viva! Não senhora. "biba!"

- Biba gó, ka sta na moda...

- Mi gó, ke Nporta-m la: Biiiba!Ernani dis k preciza simplifiká u akordu ortugráfiku


-SeN kalapitxa!

 

(...)

6.11.13

Rou tou

Rou tou

- Mos, kuza da rou tou!, bu ta pensa ma kuza foi feto pa mi.

- També bu tene-l! Antan, fica ku el...

(...)

3.11.13

Ah!, Pirré...

- É de Pirré!

É ka nada ku mi,
É ka nada ku bó,
É ka nada ku el e
É tudo ku Pirré!

Disposto:

Pirré, ki ta da agu, 
ke ta bende agu é Pirré...
Pirré ke ta raparte agu,

Antan, é Pirré ke ta paga-nhos lume!
Ka tenba lume, tenba luminárias de sandjon
ka mesteda ... trubada!

Ken ki tene sede ta txumaba: Pirrrrrrrrrrrééééé´!
Ai Pirré!

Pega lume?! so se for na

Des borta?
Ná!, Na tudo borta era ku Pirré.

Marmi


[‘marmɨ] de unde ke bem?
- Cala boca!,
Xarapu! __________________ (ing. Shut up!]
 
- Xisa!, N ta da-bu ku faca marmi [‘marmɨ]

Marmi, v. medonhi (OV. medonhe) ______Pt. Adj. medonho
- Pankada marmi (OV. pankada gravi) (pankada grave)___ Pt. Exp. pancada grave

Pankada (di un -) (OV. d’ un vês só) ____Pt de uma vez, à primeira

Medonhi, medonhu, v. marmi)____ Pt. medonho
Pankada, v. frida (Ov. pankada, frimenta, frida) Pt. sub. Pancada, ferimento."
________________________

Odja kel medonhu! = odja kel cobardo!
_____________________________________
 - Claudi!, N ta da-be pancada... = castigo corporal

 

1.11.13

Lingua é som_ortografia é convensão

Tradusão, é pa da kel mé!

['bƆe'dũdɨ]?

Bó é de unde? ['bƆe'dũdɨ]

Me é de Cabo Verde ['mjedɨ'kabu'verdɨ]/  ['mjedɨ'kaw'verdɨ]

where you are from?

'm from Cape Verde// 'm from Cabo Verde.

30.10.13

Disse: Para, pá!



Para para pensar este AO90... é ka só kel li
 É para parar?
É pa para?
[pɐ’pɐrɐ]
[pɐpa’ra]
[pɐ’parɐ]


mmmmmm...

24.10.13

Bazidjudo

Criolo mora li:

- Ei bó la, bazidjudo!
Cabeson de robeca. Bocon!
bandobon... Barrigon!

Rostul gato,
Pé de purginha...

Fundo baxo. Pedorro!

Preto sima campetxe,
Só dente!

Abo gó!, branco!
Ke nem manelobo.

Ka bu subi na subi na stribu
pa bu conta-m mintida.

Mim N ka bó, ke nega santo
Pa ba trata ku iram.

Iram, é deus de dimone!

(...)

18.10.13

18: Oje é dia Nasional de Cultura

Rubeula?

???18????????????????????OITUBRO????????????????????????????????K????????????????I????????????????????????????????????????????????????????????????????????
?????????????????????????????????????????????????????????????????????????18?????????????EU?????????????????????????????GE????????????????????????
NU????????????????????????????????????????????????????????????O?????JE??????????NU?????
 
Si ka birado,
 
Si ka tem memoria
Ka tem cultura
 
- imajina!
 
Dja bu bem!, ba gó é si bu cré.
 
Cultura ka conserba
pamó el ka ta straga!
 
(...)
 

14.10.13

Fra: Alerta!


Em português, melhor falar...
alerta [aʹlɛrtɐ]. interj. (Do it. all’ erta  ‘de pé’,  ‘de vigia’).

alertar [ɐlɨrʹtar]. v. (De alerta + suf. ar)

... mas admite variações:
Alertar [ɐlɛrʹtar]/ [ɐlerʹtar].

(...)

13.10.13

Cordinha! Era um bes.

Medikamentu é ka ramedi de catxó brabo

Catxó ke ta cumé cabra...

Na nha tempo, katxó al sprumentaba cumé um pinton... era bastante pa el ba da bolé.

7.10.13

Kão vadiu ó katxó brabu?!

Odjar du Repórter:
 
- Bom dia CS_ hoje estou na zona de achada malva onde os criadores de gado queixam de cães que atracam as suas propriedades fazendo_ ah matando os seus rebanhos _ tenho aqui o  senhor K_ _ 
konta-nu kual é ki é situasão di nhos ke ta fazé kriasan di animal [?]
-bom nos situasan li_ dja du tem serka duns três mês ke kes kão vadiu_ é ka tem donu_ es sa ta mata-nu kabra tudu dias_ mi prinsipalmenti mi dja sta na des_ kes otu_ otu é kuatu_ sinku_ sas_ dos_ três_ _ tudu dia el ta mata_ el ta ba el ta torna bem el tem mata_ el ka ta purdua um dia! Agora_ nos nuns a ta pidi apoio_ nos ké kriador_ prinsipalmenti mi n ka tem otu trabadju_ mi é di nha animal_ nu ta pidi guvernu_ kem ki podé pa djuda-nu_ paló menu ó ku medikamentu ó du forma ó otu ké pa kel kão ka mata-nu nos kabra más_ pamodi mi n ka tem undi bai_ ami prinsipalmenti N ta pidi_ prizidenti di câmara di fogo_ paló menu mi na nha situasan pa el odja si el ta djuda-m pa N torna levanta pamodi N ka tem undi bai más__
Ma dja nho sabe ma gosim é proibidu poi medikamentu pa mata ihh katxó vadiu?
Bom mi_ prinsipalmenti mi N bá la na saneamentu_ es ka kré skralereba mi konfomi ki é_ N ba kambra_ i la sekretáriu ka sabeba_ ka tinha informasao inda_ ma kantu ki bem_ kes manda-m pa N bem ruma dinheru_ ké p aba kunpra pexi_ ki é senhor_ iiiih director di saneamentu_ manda-ma pa N djunta dinheru ké p aba kunpra pexi pa bá pó remedi_ kantu ki N txiga la_ ah ku dinheru ó ki N ta fla-l ma dja N teni dinheru_ el fla-m é impusivel_ _ N torna bá kambra sekretariu fra-m ma el ta odja konformi ki el_ ki es podé djuda_ _ pa um djobé solusao_ _ ma mi salusao_ mi N k asta odja salusao inda_ é ti ki dja el kaba mata kabra_ mi dja el mata-m di mé umbes_ ami dja é pa N fika_ é riba kutelu_ _ mi N ka tem undi bai_
I mesmu situasan tem kes otu kriador di zona?
Tuuudu!_ i tem un senhor ki el_ el dja el sta omi di idadi_ el propiamenti el ka sa pega na otus trabadju_ el nuunka di el entra na sirvisu di stadu_ agora_ el katxó ta mata-l kabra tudu dia_ tem untrum senhora ki mora li riba el ku se mai be[dja]_ velha_ el e ka pega na trabadju stadu un dia_ katxó ta mata-l kabra tudu dia tudu ora kel odja el mata_ é omesmu situasan di di mé_ _ ó más pior inda_ _
Anton nho ta sinti frontadu?
Sim_ nos du sta afrontadu propi nes zona_ ka só na nos zona li_ i la na alvito propi_ katxór sa ta mata animal_ ta mata-nu kabra di más_ _
Portanto_  CS é uma situação que também_ ah já tido ah dinunsiada junto ah do prizidenti da cama_ _ por criadores da zona de jardim_ zona sul do são filipe_ e uuuh presidente da câmara tinha anunciado ahaha_ criar uma parceria com a câmara municipal de são vicente no sentido de virem a fazer castração de cães_ cães vadios e já que são vicente já tem alguma experiencia nesta matéria_ também ah na altura prometeu fazer a recuperação ah de currais ah da zona sul do município_ disse até que é um projecto de cerca de trezentos contos_ mas aqui na zona de achada malva não há currais_ portanto é uma situação que deixa os criadores com muita preocupason.

Nobo ku bedjo

Tradusão:

Mocidade ociosa, velhice vergonhosa. --> Nobidade enganozo, bedjisa brigonhozo.

(...)

6.10.13

Bedjo ku nha velho



- Dja-m N da-l el bedjo.
- Es bai na bedjo.
- Bu gentis txiga bedjul mundo.

- Kuza panha-l bedjo na rosto.
- Ome, nho tene pé bedjo, nho laba-l.

(...)


4.10.13

Barbitxe ku barbetxi

Bo ke sta manda-m um cala boca.
- Kaladu bo!, bacan, bacon... bacona. Menos!
-
-
- Sim senhor, bo bu ka ningem. Um sipaio, talves.

(...)

3.10.13

Sinti pezo de kriolo:

"Morré é ka fodja d'arve,
é ka kel ki marela ke ta cai."

Té ke mar subi séu
ka bu pargunta-m pa nha fidju.

24.9.13

... ex i otux nutisiax na nox jornal na lingua kabuverdiana

Exkrevide esin:

Max un vex botardi_ nu ta kumesá ta dezenvolve ex i otux nutisiax na nox jornal na  lingua kabuverdiana_ primer minixtru defendé oji na_ em deklarasõix a RCV ki paix presizá de leix maix dure ké pa konbaté pekenux krimix_ ki nex ultimux diax ten omentode na kapital_ pa ke_ pa tude kes prinsipaix bairrux na sidade de praia_ ta multipliká asaltux ku mão armada a extabelesimentux kumersiaix i tanbé a sidadoinx i até sekuextru_ _ só na ultimu diminge_ bairru de axada santantone_ un de kex bairru maix popululozu du paix_ radie de kabe verde resebe relate de maix de sax asalte a mão armada a pesoax_ _ na internete txeu sidadoix ten alertode ke algunx ruax de bairru de axada de santantónio ti ta torna nun di kex pontu maix konplikode de kasubodi_ guvernu ben agora dizé ke kriminozu ka pode ganhá es batalia_ primer minixtru ke_ ke se guvernu ta bá lansá na prosimux diax un dibate sobre seleridade na juxtisa kon u objetivu de konbaté pequenu kri_ kriminalidade_ krexsimentu de pekenux krimix na kapital levá konselhu di minixtru a reuni  onte extraordinariamente_ enkuantu isu omentá_ ti tá omentá vox di sidadoinx nasionaix ta dize ke a partir de sete ora da note ex ka ta sai na rua ke pa evita kasubodi_
Skrebedu asin:
 
Mas un ves botardi_ nu ta kumesá ta dezenvolve es i otus nutisias na nos jornal na lingua kabuverdiana_ primer ministru defendé oji na_ em deklarasoins a RCV ki pais presizá de leis mais dure ké pa konbaté pekenus krimis_ ki nes ultimus dias ten omentode na kapital_ pa ke_ pa tude kes prinsipais bairrus na sidade de praia_ ta multipliká asaltus ku mão armada a estabelesimentus kumersiais i tanbé a sidadoins i até sekuestru_ _ só na ultimu diminge_ bairru de asada santantone_ un de kes bairru mais popululozu du pais_ radie de kabe verde resebe relate de mais de sas asalte a mão armada a pesoas_ _ na internete tseu sidadoins ten alertode ke alguns ruas de bairru de asada de santantónio ti ta torna nun di kes pontu mais konplikode de kasubodi_ guvernu ben agora dizé ke kriminozu ka pode ganhá es batalia_ primer ministru ke_ ke se guvernu ta bá lansá na prosimus dias un dibate sobre seleridade na justisa kon u objetivu de konbaté pequenu kri_ kriminalidade_ kressimentu de pekenus krimis na kapital levá konselhu di ministru a reuni onte estraordinariamente_ enkuantu isu omentá_ ti tá omentá vos di sidadoins nasionais ta dizé ke a partir de sete ora da note es ka ta sai na rua ke pa evita kasubodi_
 
(...)
 

Ensinu Bilingi, konsekuénsia

- Xikotada Kapital? Abusulutamenti ka.

23.9.13

Txopa

Txopa dja bira ponta

- bobrera ta cortado txopa pa el pode da língua.
- pega na txopa lensul-mon bu da un nó.
- si bu ka kortal txopa el ta da bonina...

22.9.13

É só un Spromenta mas...

- Sta na Lei, nhos ka kre ba kexa?
 
 
"Na questão do crioulo nas escolas, pelo contrário, a acção do governo distingue-se pela obstinação mesmo face à oposição de parte significativa da sociedade civil. Já anunciou que a grande novidade deste ano lectivo é experiência de ensino bilingue em duas escolas da ilha de Santiago. Pergunta-se qual a motivação. Será de melhorar a qualidade de ensino nas escolas? Será de dar aos futuros cidadãos domínio maior da língua oficial e por essa via possibilitar-lhes conhecimento mais aprofundado dos seus direitos, elevar-lhes o nível de participação cívica e política e melhorar a relação com as instituições públicas? Ou será simplesmente uma questão ideológica?
O crioulo ainda não é a língua oficial, um passo que parece essencial para ser adoptado como língua de instrução e de educação para a cidadania. A criação de experiências piloto de ensino bilingue coloca o problema da obrigatoriedade ou não dos pais submeterem os filhos a esse tipo de experimentação. Se for opcional poderá verificar-se o que aconteceu noutras paragens designadamente Madagáscar em que as elites urbanas simplesmente moveram os filhos para escolas onde a língua de ensino era o francês. Não se ganhou nada em qualidade de ensino, mas agravaram-se as desigualdades sociais. Quem tinha melhor domínio do francês acedia aos níveis superiores de educação e formação.
Em Cabo Verde há que focalizar no que é prioritário. Pagam-se caro inadequações na formação das novas gerações. Prioridades trocadas são dificilmente corrigíveis e têm consequências que afectam toda uma vida."

21.9.13

Purtugex faladu


 
Português falado. Entende-se. Mas...
"olá bom dia C_ ah daqui de são filipe o que pudemos notar é que_ apesar das buscas pelo corpo de RP ter terminado ontem_ ainda há curiosos junto ao presídio e também ah_ pessoas com esperança que ainda o corpo venha a ser encontrado_ mas ontem_ segundo informações que tivemos  junto a um mergulhador_ _ esta praia de fonti bila tem aah alguma particularidade_ diz que aah cem metros sensivelmente encontramos como se fosse uma ribeira e que ao mergulharem fica tudo escuro e o que impossibilita ah fazer um mergulho até mais a fundo porque se calhar é aí que os corpos das_ das pessoas que desapareceram nesta praia ficam_ ah escondidos por isso não se encontra o corpo_ _ ah aqui em são filipe todos estão consternados com os familiares com esta situação_ ah pela primeira vez_ aah_ houve nadadores salvadores na praia de  fonti bila_ mas também, segundo o delegado marítimo aah as pessoas têm de respeitar a sinalização colocada na praia_ _ portanto_ este é o apelo que ele  deixa nesta situação_ sobretudo nesta altura das chuvas_ _ para dizer que hoje também a polícia nacional realiza a operação crescer em segurança dois_ ah para _ que vai ser associada à abertura do ano lectivo_ tem visto para sensibilizar os condutores_ ah e bem como as crianças aah na matéria da segurança nas estradas_ principalmente agora com as aulas ah temos de saber_ saber falar com as crianças com é que devem transitar nas estradas_ utilizar as passadeiras_ enfim_ vão fazer_ vão passar todas essas informações com objectivo de sinsi_ sensibilizar tantas crianças como os condutores_ _aah e esta _ esta operação stop aconte_acontece pelas oito horas e trinta minutos e terá também_ contará com a participação dos propes estudantes ah de são filipe_ bom dia_ muito bom dia para ti também LR já estamos na ilia do sal_ ME muito bom dia (…).

18.9.13

... da bandera

-Nha ka meste da (da-l) bandera!

-Ami N ka linguarada.

(...)

16.9.13

Es ta kaba ku dizisti


Papia kriolu ka ten karantonha txeu...
"Nos ah_ deresau geral du ensinu supɨrior é rsponsavel pa fazɨ não só divulgasau ma tanbé jestau di kes_ di kes ah bolsas e vagas kɨ ta dadu (…) balansu é stremamenti pozitivu pamodi li ministério das Komunidadis_ atraves di kanpu_ konsgi reuni tudu kes entidades digamus asim_ envolvidas_ ali nu tinha prizensa di kamara ki é un entidade forti na enviu di alunu pa xterior pa nu da-s a konxi kal ke oportunidadi ki nu teni li na kabu verdi i moda ki es teni instrumentu_ es teni bagajem daah_ transmiti alunus_naé_ di faze-s konxi_di da-s ah opurtunidadi di xkolha_ ou seja_ah _ es es podi fazi un trabadju djuntu ku alunu na sentidu di da alunu a konxi opurtunidadi ki tem la fora_mas tanbe da alunu a konxi opurtunidadi ki e teni li na kabu verdi_ di moda a ki alunu tenha kapasidadi di ɨxkolha_ _ i kɨ a ɨxkolha seja konXsienti_ não ɨxkolier de forma aliatóia para que di li dos dia ah nu ta infrenta problema ki nu teni nes mumentu _ _ (…) komu pur izenplu nu sabi ma nu teni txeu prublema ku alunus ki ta bai fazi kursu tekniku o prufisional la fora_ naé?_ ki é alunus kɨ dipos ta ben ten prublema ku kistau di renovasau di dokumentu pamodi  monti des ta larga skola_ monti des_ ora ki es kumesa es ta odja ma kuzas é ka é ben ben sima es ta idealizaba ah_ es ka teni kapasidadi finanseira pa es suporta pur konta propia es ta kaba ku dizisti_ es ka ta konsigi renova dokumentu es ta fica la numa kestau di ilegalidade_ i prontu (…)"
 
 
(...)

15.9.13

ENSINu BILINGi

 
 
Até ke enfim: AK X LP
 
Na kazu di enpati, penalidadis sen prolongamentu...
 
(...)
 
 Ainda dentro desta lógica do pedagógico vamos ter uma experiência muito interessante ao nível do bilinguismo: vamos ter três turmas em que desenvolveremos o ensino bilingue na aprendizagem desde o primeiro ano. Esta experiência está ligada à academia e será orientada por uma jovem doutoranda que experimentou este método numa comunidade de emigrantes em Portugal e que tinha estado a negociar connosco já há algum tempo. Quisemos iniciar o ano passado, mas só este ano é que pudemos reunir todas as condições para o arranque. (...)" LERE MAS!

?
... três turmas... obviamente na PRAIA. Mas...

 

10.9.13

É té tolera

Pensa, é te tolera ...


(...)

- Ordi rijo trato mofino!

6.9.13

manda fram kuzé ki fradu


"(...)
Titlu ta indika, purtantu é nhas apontamentus [ɐpõtɐmtus] di [dɨ] storia ['ʃtƆriɐ]  di maiu é ka é un livru di storia di maiu , purki N ka ten es [es] pretensão [prɨtẽ'sw]_ _ purki [purkɨ] N ka é espesialista [ɨʃpesjɐliʃtɐ] na área_ na área [áreɐ/árjɐ] di storia_ mas [mɐs] purtantu é un_ é un lakuna [lɐ’kunɐ] ki N konstata [kõʃtɐtɐ] du ka ten un obra [‘Ɔbrɐ] espesifiku  [ɨʃpɨ'sifiku] ki ta [tɐ] trata [trɐtɐ] di storia di maiu_ mas [mɐʃ] desde [deᴣdɨ] á muitu [mujtu] tenpu  ['tpu]_ desdi tenra ['tRɐ] idade N ta_ N ta_ _ N ta konxia apontamentus di storia di nha ilha_ nãw é_ N ten interesi di konxé pasadu di_ di nha komunidadi orijinal_ ah_ N akomula [ɐku'mulɐ] un bokadu di _ di apontamentus [ɐpõtɐmtuʃ]  referentis [Rɨfɨrtɨʃ] a [ɐ] istoria di maiu_ _ i komu tanben [ tbj] konstatandu [kõʃtɐtdu] es [es] lakuna i nisisidadi [nɨsɨsidadɨ] ki ten di ? dun livru_ dun livru ki ta riuni [Rɨunɨ] digamus [di'gamuʃ] di forma ['fƆrmɐ] organizada [orgɐni'zadɐ] apontamentus ah_ah_ou  informasões [ĩformɐsõjʃ] relativa [Rɨlɐtivɐ]au pasadu da ilha du maiu_ konstatandu[kõʃtɐ'tᾶdu] es lakuna_ anton N rizolvé [Rɨzoɫve] _??_ partilha [pɐrtiʎɐ] nhas apontamentus] di forma organizadu
(…)
 Agora falando da ilha do maio em termos ah de desenvolvimento_ digamos aah tem peso na economia de cabo verde aah o quê que nos poderias dizer em termos de desenvolvimento socioeconómico da ilha do maio neste momento
 
- e agora vamos passar pa o português ou podemos continuar…
Não_ não_ não_ nu kontinuá para na kriolo…
Não, purtantu maiu digamus é_ é kunhisidu [kuɲɨsidu] komu uma ilha kon grandis [grdɨʃ] putensialidadis [[putsjɐli'dadɨʃ] não é? Iiih_ á muita ispetativa [ɨʃpɛtɐ'tivɐ] rilativameti [Rɨlɐtivɐ'mtɨ] au futuru do maiu_ i_ iih é subritudu[subrɨ'tudu] a volta di [vƆɫtɐdɨ] du setor [setor] di turismo [tu'riᴣmu] só ki ainda_ ainda não arrankou [ɐrkow]_ _ não arankou purki é presizu [prisizu] kria [kriɐ] kria kondisões [kõdisõjʃ]_ kondisões ki ta atrai [ɐtrɐi] invistimentus [ĩvɨʃtimtuʃ]_ subretudu invistimentus stranjeirus _ purki invistimentu grosu ['grƆsu] e seriu ['sɛrju] só pode ser investimento estranjeiru purki u nosu emprezariadu [ɨNprɨzɐrjadu] nacional [nɐsjunaɫ] ainda ka ten forsa [forsɐ] para akilu [ɐkilu] ki si [sɨ] prujeta [ prujɛtɐ] na_ kon u dezenvolvimentu [dɨzvoɫvimentu] di turismo pa_ pa maiu (...)"

3.9.13

*OrtHografia


“Todos dizem, que devemos escrever como pronunciamos; mas nenhum ensina como devemos pronunciar, para assim escrevemos. Quem n sabe, que toda causa de innumeraveis erros da orthografia, he a multiddos erros, que and introduzidos na pronunciaç? (…)”

FEIJÓ, J.M.M. Orthografia ou arte de escrever e pronunciar a língua portuguesz. Lisboa Ocidental, 1734.

25.8.13

bós

['bƆs]

- Nhos é bós! (desmarzelado)
- Ka nhos dexa caza bós, nhos compo (caza) antis de nhos sai.
- Na festa de cazamento, cumida staba bós! (txeu, avontade, bazado)

(...)

22.8.13

Imajinason ka tem limite

Prinseza
"N ta gosta pa omis ta sunha ku mi!"



(...)

16.8.13

Bilinge de nos manera

Nos é bilinge de nos manera na nos Terra. I du ka meste(ba) alupeKia nos fala num grafofobia de bingansia...


"(...)
Pedro Paixão Franco, José de Fontes Pereira, Silvério Ferreira e outros intelectuais angolenses da última metade do Século XIX também juraram amor eterno à Língua Portuguesa e trataram-na em conformidade com esse sentimento nos seus textos. Os intelectuais que se seguiram, sobretudo os que lançaram o grito “Vamos Descobrir Angola”, deram-lhe uma roupagem belíssima, um ritmo singular, uma dimensão única. Eles promoveram a cultura angolana como ninguém. E o veículo utilizado foi o português. Queremos continuar esse percurso e desejamos que os outros falantes da Língua Portuguesa respeitem as nossas especificidades. Escrevemos à nossa maneira, falamos com o nosso sotaque, desintegramos as regras à medida das nossas vivências, introduzimos no discurso as palavras que bebemos no leite das nossas Línguas Nacionais. Sabemos que somos falantes de uma língua que tem o Latim como matriz. Mas mesmo na origem existiu a via erudita e a via popular. Do “português tabeliónico” aos nossos dias, milhões de seres humanos moldaram a língua em África, na Ásia, nas Américas. Intelectuais de todas as épocas cuidaram dela com o mesmo desvelo que se tratam as preciosidades."

Pensa ma era Purtuges

(...)
 
Em Cabo Verde hoje fala-se quase só crioulo. Tempos houve em que a língua da rua era o português. Mas tentem hoje passar uns dias num hotel local e verão que nos avisos escritos o "mar é perigosa", que para os "garçons" maçã é "manzana", e que tantas outras palavras são hoje ditas em castelhano. E porquê? Porque a língua portuguesa não é pelos locais aprendida convenientemente nas escolas, e muito menos usada no quotidiano. Assim que a língua que aprendam para efeitos de trabalho seja a dos seus empregadores (é melhor não dizer patrões!). E como o grosso dos empregadores são empresas espanholas... percebe-se! (...)

14.8.13

Sabandidja!

- Sabandidja!

- N ka conxe es palabra, mas cuza dreto é ka é. Bo gó é um canadja; basta odja bu obra!


(...)

11.8.13

HartoGrafia. Lingua ta da-l ke papia!

 
"(...)
Ora, a existência de uma dupla grafia para a mesma palavra confirma a democraticidade da língua, que respeita as duas pronúncias: a de Portugal e a do Brasil. Assim e de modo a resolver os casos em que uma consoante se pronuncia ou não, salvaguarda-se a possibilidade de essa palavra ser escrita de duas formas.
Não podemos, porém, esquecer-nos de que devemos ser criteriosos quanto à utilização da língua materna. Se utilizamos a variante europeia, uma vez que somos portugueses, devemos selecionar a opção pronunciada em Portugal. Embora determinada grafia seja conveniente, não significa que a alternativa usada no Brasil seja incorreta, mas trata-se de uma questão de coerência em relação aos princípios defendidos pelo acordo ortográfico. Deste modo, em Portugal, utiliza-se facto e, no Brasil, fato, visto haver uma oscilação na pronúncia. (...)"
 
Se dupla grafia pa um mesmo palabra ta confima democratisidade de lingua, imajina go,  valor dimocratico des sentensia li: "skrebi sima bu ta papia" ... kanpian! kanpion! kanpiãu! kanpiaun!
 
 
 
 
 
 
 

10.8.13

Nha cabesa

Nha cabesa ka sta pega nada más, de maneras que, se bu ka gosta, se bu ka curti, da-m bu retrato de silensio, bastante.

8.8.13

28.7.13

Picos Senhor de Mundo

Sa ta spera txuba bem

Txom de Sekero


Simplismente, bonito!

23.7.13

Obujetivu, na bazi de tudu u restu...

Instrumentalização do Crioulo: Alfabeto de base etimológica ou de base fonológica?

"Ora se a instrumentalização não é transferência pura e simples da funcionalidade das outras línguas para a estrutura do crioulo, vejamos o que ela significa: naturalmente, quando falamos de instrumentalização do crioulo referimo-nos essencialmente  à estandardização alfabética, embora se possa referir também à instrumentalização morfo-sintáctica.
Quanto ao primeiro ponto, a primeira questão que se põe é de saber que tipo de alfabeto devemos adoptar. O de base etimológica ou então o de base fonológica. Tanto um como outro tem as suas vantagens e suas desvantagens. O nosso objectivo consiste em adoptar aquele que melhor possa servir o fim que temos em vista.
Se o objectivo a que nós nos propomos é fazer o estudo do crioulo para melhor facilitar a aprendizagem do português, deveremos adoptar o alfabeto de base etimológica. Cremos ser esta a grande vantagem deste alfabeto. Ele permite que o português seja a continuação do crioulo não tanto na sua estrutura sintáctica, mas fónica. O aprendiz do crioulo teria o ouvido educado para a fonética portuguesa com a sua respectiva grafia.
 
(...)
Efectivamente, as desvantagens desse alfabeto [etimológico] são grandes. O crioulo não só perderia a sua autonomia fonética, ao adoptá-lo, mas também complicaria a sua grafia desnecessariamente. (...)"

Veiga, Manuel (2000), “Instrumentalização do Crioulo”, in Manuel Veiga (org.), Iº Colóquio Linguístico sobre o Crioulo de Cabo Verde. Praia: INIC, 158.

21.7.13

17.7.13

Fundu-l gudja

De fundu-l gudja

"fundu-l gudja",
"fundu-l gudja"!?
"fundu-l gudja","fundu-l gudja" ... ffffff

Dja-m sabeba,
Spera-m N ba leré, gó!

(...)

- N ka sa ta bai merca.

(...)

16.7.13

Conguto_bosta

conguto de lenha/cangutul lenha
Cacuto de lenha/cacuto de lapis

Suma N ta leba na sono es ta txuma-m

(...)
bosta de baca/bosta-l baca/bosta-l burro

?bosta de cabra/cócó de cabra

*bosta catxó (?bosta-l catxo) / cóco de catxó

?bosta-l galinha/cocó de galinha

15.7.13

BANA

-Bana-m es morna!

Hoje, ele vai partir da sua cidade. Um dia, vi uma jovem lisboeta numa casa da Rua do Sol ao Rato descobrir o mundo trazido pela voz do gigante. A ele eu conhecia. Como no poema de Auden, "ele era meu norte, sul, meu leste e oeste", era o sentido da minha vida. Definição de felicidade? Tão simples: o canal de São Vicente com barcos enferrujados e Bana, tão grande, na praia a dizer as palavras de Resposta de segredo cu mar, acompanhado só pelo clarinete de Luís Morais... Se calhar nunca aconteceu, ali, de costas para o Mindelo e com Santo Antão ao longe, mas eu recorro a essa música para justificar o bairro luandense da minha infância, os amigos da adolescência, a ideia do meu mundo. Aliás, só fui ao Mindelo um dia e já lá não estavam nem Bana nem Luís Morais, só os barcos enferrujados e Santo Antão ao fundo. Por isso, quando Bana começou a cantar, na casa de mornas Monte Cara, eu encostei-me à cadeira para estar comigo. Foi quando a vi, à jovem lisboeta, fechar os olhos para estar consigo. E o corpo dela começou a menear-se, lentamente como uma morna pede. E quando Bana calou-se, nem eu nem ela aplaudimos, estávamos demasiado virados para dentro. Percebi que ela tinha ouvido um cantor da sua cidade. Hoje, na sua cidade, Lisboa, Bana vai ser cinzas. E depois vai para o Mindelo, a sua cidade seminal. Mindelo de São Vicente. São Vicente dos flagelados do vento leste. Do vento leste (norte, sul, oeste...) que o vai devolver ao mundo.

12.7.13

Gosin gó lume al pega na padja berde...

Des borta ... 'achismo' dos pseudo qualquer coisa
El ta da-u ku stangu! (ICL:1987)
"(...)
A articulista deixa entender que há uma tentação (para não dizer determinação) na sobreposição da variedade de Santiago que veio desde o tempo da escravatura quando se sabe (deixa ela entender) que o crioulo verdadeiramente caboverdiano é o de S. Vicente. Nada mais falso. O crioulo de Santiago é tão caboverdiano como o de qualquer outra ilha e com a vantagem de ser mais e melhor estudado, de possuir maior número de locutores, de ser a matriz de todas as outras variantes e, sobretudo, de exibir uma autonomia estrutural muito mais visível e demonstrável que, por exemplo o de S. Vicente. E se a articulista não estiver de acordo, eu convido-a a fazermos um estudo linguístico analítico e comparativo de duas obras significativas para ambas as ilhas e para todo o Cabo Verde: Odju d’Agu e Vangêle Contód de Nos Móda. Com esse estudo, sem dúvida vai ficar demonstrado que não corresponde a verdade a afirmação, segundo a qual, a variedade de S. Vicente possui “uma estrutura com maior autonomia relativamente às línguas-base”. E, com esse estudo, cairia também por terra o “achismo” dos pseudo-mestres e emergiria a verdade objectiva(...)"
Yes ui ken!!!  leré mas!

6.7.13

Regionalista

É só pa divulga, ... nada mas.

"(...)
2. Não obstante, concordo com a articulista quando afirma que a “Literalização” deve ser “um imperativo presente”. Percebi que quererá dizer com isto que a informação e a formação sobre a problemática da nossa língua materna deverão ser uma constante. Não posso deixar ainda de reconhecer que o processo que conduziu à institucionalização do alfabeto caboverdiano não foi a melhor. Houve insuficiência de informação, mas também houve manchas de desinformação e de regionalismo doentio que ainda persistem. Por isso, sufrago a afirmação da articulista quando diz, falando dos estudos que conduziram a aprovação do alfabeto: “Se esse trabalho de grande qualidade técnica marca o ponto de partida do percurso para o Caboverdiano aceder ao estatuto de língua escrita, a sua socialização foi reveladora de uma comunicação deficiente”.

(...)

ST
OV
Pt
duentiu
Rejionalista (não está dicionarizado)
MV. Dicionário Caboverdiano-Portugues (p: 118)
duentiu
Adj doentio, que adoece facilmente
doentio
Dicionário Houaiss
 
 
 
 
regionalista
(ver regionalismo)
1     sujeito a doenças
2     que aparenta estar doente; mórbido
Ex.: tinha uma expressão d.
3     Derivação: sentido figurado.
nocivo à saúde física ou moral de um ser
Ex.: <calor d.> <trabalho d.>
4     Derivação: sentido figurado.
que, por ser excessivo, é prejudicial
Ex.: <ciúme d.> <amor d.> 
 

adjetivo de dois gêneros
que se refere particularmente a uma região
adjetivo e substantivo de dois gêneros
 2 que ou aquele que segue ou cultiva o regionalismo
Ex.: escritor r.

5.7.13

...dura ku sai?

Mi ku nhos ... é na som de ['ku] ... se es ka cre e conta es subi riba la es pila na txom!

Nhos tene raiba de letra <Kk>? Mas imajina Criolo Caboverdiano sem letra  <k> nes ku:

"Livru dura ku sai, mas, sigundu Ymez, foi bon kel spera li pabia el tevi tenpu di trabadja na novus versu ki el inklui na livru i 'parse-m ma kel tenpinhu estra ki N dexa-l riba lumi, kontribui pa el panha sal ki e kapas ki dja el fika na pontu!' (...)"

... dura ku sai... = dura ke sai...? Ná, Criolo tem "cu", bazado! Es é mas um cazo de "com"e "que" "e"  ke bira ku.

1. Gil Moreira, ku se don spesial di bira nos lingua sabi i doxi, ta ba vivifika puemas di SOLIDON, ...
2. Nhos fika ku un txerinhu di livru atraves di versus ki da livru nomi SOLIDON ...

3. Ministeriu di Kultura institui “Premiu Pedro Cardoso” ku objetivu di stimula algen pa skrebe na nos lingua i ku se alfabetu ofisial sima ta inpo, ...

4. Asin, se nomi sta skrebedu ku alfabetu purtuges. Non ku alfabetu kabuverdianu. ...

Asim, ka ta confundido "Ku" ku bracu-l...

2.7.13

É kel aja...

- N ka pode vive tudo dia: é kel aja é kel conta amé(m)!


(...)

29.6.13

bá ta bá ta bá ≠ bá ta bá tá bá

bá ta bá ta bá ≠ bá ta bá tá bá. Pamodé?

[ba ta ba ['ba 'tɐ 'ba]

['batɐ 'batɐ 'ba] (vai andando...)

['batɐbatɐba, 'spɨ Ntɐ pe'gau nɐkɐ'minhu]

['batɐba'ta'ba'spɨ N 'tape'gau nɐkɐ'minhu]

verbo dar:

"- Si N da na bai, é gosi" [ se eu der na ir, é agora].

26.6.13

djangotodo

Es é pó de bara berde!

ta ncroca te ke bira rodondo.
Ondia de bara berde é leke-leke,
el ta anda sabe é djunto ku som de txabeta...

Baxu-l bara berde ta djongotodo
ta  caronhado, ta manhongodo.
ta mondodo...  mas, el ka ta libra; el
ka ta obi, ka ta odja nem  el ka ta tadja.
El ta sacuta só lamento de fidju-l parida.

Na bardade, Bara berde ta panha-u sempre na cabo sabe...

(...)

24.6.13

Partina

- Ka bu partina-m!

- Argem ora ke sta drumi ka ta bulido.

19.6.13

Barrodja


-Dja bu kema!

- Inda ka barrodja ke fari kema.

(...)

18.6.13

Prati & pratiti

Prati ['prati] ... som ke ta obido, ó ke ta pensa ser obido ora ke karkel cuza (ta) kebra(do).


El pratiti de grasa
*el pratiti de txoro.

El prati de (ku) grasa = larga ta ri de rapente, kebra silensio.
El prati de (ku) txoro = larga boca ku txoro, de rapente.
 *El prati ku sono.
el staba prati de grasa.
*el staba prati de txoro.
? el staba prati de sono.

Legra é ka nhame

Palavra legra [legrɐ]

Legra significa tra ku boca/dente  resto de karkel cuza ke sta pegado. É mas uzado pa fla "legra oso" = tra resto de carne ke sta pegado na oso ku dente.

"Nhame oso = rué+mastiga"

Legra bolo!

16.6.13

... e modernização do Criolo

"A empresa de sistematização, formalização e modernização do Crioulo de Cabo Verde terá chegado a um momento crucial, suscitando discursos veementes, umas vezes, com um certo lirismo, distante da realidade, outras, com manifesta agressividade verbal e ideológica, incompatível com essa mesma realidade." Pa leré tudo!
 
 
 
(...)

15.6.13

Conta? Du ganha, bestom!

- Conta?
- Conta?! Es perde - um zero...
- Antan, ningem ka ganha?
- Du ganha, bestom!


14.6.13

Sem Rexa!

Sem Rexa: La(ba)nta nos Idioma!
  
"ORANJESTAD (AAN): Recientemente den Centro di Bario Noord, a tuma lugar celebracion di 10 aniversario di oficialisacion di Papiamento como idioma.
Sra. Joyce Pereira, Presidente di Fundacion Lanta Papiamento a splica cu aña aki ta aña di Papiamento, proclama desde principio di aña pa celebra hecho cu 10 aña pasa, Papiamento a bira idioma oficial na Aruba.
E tabata un fiesta double pa motibo cu Fundacion Lanta Papiamento a cumpli 4 aña.

Sra. Pereira a menciona cu e idea di henter aña di Papiamento y metanan di Fundacion Lanta Papiamento ta cuadra cu otro, pasobra e meta mas importante ta concientizacion di pueblo riba balor di idioma materno, idioma oficial y idioma nacional di Aruba.
Fundacion Lanta Papiamento ta celebra e aña aki cu hopi actividad y nan tin mas na caminda. Sra Pereira a bisa e Fundacion lo sigui promove bon uso di Papiamento, conocemento riba e idioma, pa asina por tin un actitud mas positivo riba nos idioma materno."

8.6.13

Ká [kɐbɐ]

"cabá" adverbio de duvda!?

galo/gala/galadura
 - Cabá dja bu discabresta?
- Forte galadura mofino!

dja bu caba faze? [kɐbɐ] (FG)
dja bu caba fase? ['kabɐ] (ST)
ja abo caba (de) faze? [ka'ba] (SV)

- Ná dja du termina...
ST
OV
Port
ká, kaba
kabá
ver  acabar
ká, kasa
kaza
sub  casa
kába
kaba
kába, gala (SA)
kabá
sub viscosidade da ejaculação
ver expelir a esperma, ejacular
kaba

kabá

adv depois [tempo]

[ex] el odja, kaba el bai

el oiá, kabá el bá

exp viu, depois partiu
kabadura
kabadura
sub sémen proveniente da ejaculação
 Kuadro tabelado na Dicionário Caboverdiano-Português (VEIGA,  2011: 187)
 N ta pidi kenha ke dodo na nos Criolo pa froxa kes dos link li de baxo:
 

 

Spik

- bo é spikento!
- li ka tem spik. É sima N fra-bu, minina!
- nha intenson é limpo...
- suma cabesada-l txeia...

- ora kel santa na fundu-l mar, claro!

/...)

6.6.13

[kĩpor'tᾶlɐ]


- (...) bó bu ta fica ku dedo na cadera.
 
- Mi gó, ke importa-m la, tranca-l na c*!
 
- Si bu ka fica, ba mata cabesa!

(...)

4.6.13

Bunita suma uba...

- Odja la ta bem... bunita cor d' uba!
- Mos, é se pikena!
- Ka ta falado de cor, el é sucura gó... sucurinha, mulata, mulata sucuro...
(...)
- Sucura, ná!, el é preto suma uba de Pené Ratxado de Nho Tumtum... ai! po [pa-u = po] ka txuma-m rasista ... el é Nega... Xa-m compo fasi, el é Negra, sim ke dreto, ma suma uba de...
- ... es ke Penedo Ratxado de Nho Tum tum! Strabilin!

- Mas, bu sta fla si, pabia bu ka gosta-l de-l, bu ka ta curti-l se xarme de Xoculate... bu sta imajina!?
- Um bes bai... xa-m frabo li, mi gó...
- Só ka bu fla... N ka cré obi num pio más...

- Um pena, só pamó uba Pené Ratxado gosta de djunta mosca, te barexa verde... el ka tá tem pas!
- Dja bu papiador na mundo...Uba manecom!?
- Papiadoro, mas ka mintrozo nem um faisca.

- Nes gó, N bai ku bó... odja, cala boca bu txeca-l se corte... um uba-de-Perna-Ratxado!

- ... Pené Ratxado de Nho Tuntun ... N ka sé kenha ke fica ku el!?

(...)

1.6.13

30.5.13

Cabá xkuá

-Ka bu N gana-m pa N cuda si!

-É mintida, é mintida, é mintida!

- Adé, João! box dente dja cabá xkuá...

(...)

29.5.13

Bu tene más é N gana...

«N tene vontade de...» é ka mesmo cuza ke « N tene gana». Ke dia ke scravo ta tene vontade? Senhoris tem N gana más ke mi, mas de se-l ta traduzido na «vontade, deleite, prazer...».

É por iso, na nha menza sta a vontade...

28.5.13

['prɛmɨ]


- Preme é prémio!
 
-Kenha ke ganha preme Camões 2013?
- Mia Couto, escritor moçambicano
 
Mia Couto: Prémio Camões 2013
Imagem

27.5.13

[kɛrdi'zɛr]

De asucra ta fazedo Kerdizer [kɛrdi'zɛr] ku rapusada. Es é crocante, mas kel primero é prope "rapuxado!".

"(...)

Enbora el sabe ma ALUPEC e un alfabetu ki ta sirbi pa skrebe tudu varianti di lingua kabuverdianu, diskaradamenti el ta afirma ma alfabetu kabuverdianu ta sirbi pa skrebe so varianti di Santiagu. Dizavergonhadamenti, nun asomu di rasismu, el ta batiza alfabetu ofisial di “tropikal”. ----§---- El ta konta mentira ma alfabetu kabuverdianu ta ben substitui “alfabetu etimolojiku” sima ki algun dia Stadu ofisializa otu alfabetu kabuverdianu diferenti di es en vigor. Es li e primeru alfabetu kabuverdianu ofisial di manera ki e mentira afirma ma atual alfabetu kabuverdianu substitui otu alfabetu kabuverdianu. ----§---- Oh omi di Deus, bu sa ta ser atrevidu ti ki bu ta kre inpidi Kabuverdianus uza ofisialmenti se propi lingua na se propi txon! Mas un bes, bu da-m razon kantu N afirma nun artigu dimeu publikadu na jornais di es prasa resentimenti ma grandi parti di defensoris di rejionalizason e Purtuges pa dentu i Kabuverdianu pa fora.
 
 
(...)"