27.12.10

Se Rito Ka konxe Ak...

Se Rito ka konxe Ak es testo e bom, mas e pa no pode pensa es skrita ku Alfabeto Kabuverdiano.

Um texto de Rito DeCarvalho (kopi-paiste!)


KARTA ABERTA PA NHA KUMUNIDADE (PARTE II)

Karo amigos, familias y nha kumunidade Kaboverdiana,

É ku sentimentos musturado ki n'sta skrevi nhos hoje nes epoka di festa. N'sta xinti alegria...pamodi é tempo di festa, mas ao mesmo tempo oras kin djobi pa traz n'ta odja nha kumunidade ta luta sem consigue txeu progresso.
Pa tudo mai ku pai: Xinta ku bu fidjos y enxinas valores y mural di vida. Ser um lider pa es pes podi atxa sucesso dentu di casa em bes des bai djobel na rua.
Pa tudo jovens: Sabi ma nhos tem escolhas na vida. Fika longi di drogras, di rua y bandidos. Usa bu tempo di manera útil: fika na scola, fazi um formason pa bu ser um bom homem y mudjer y djuda bu kumunidade.
Pa tudo deportados: Nu ka skeci di nhos. Nu sta y sempre nu ta sta li pa nhos. N'ka podi fla ma n'ta comprendi pamodi n'ka sta na nhos pozison. N'ka podi fla ma nhos ta fika dreto pamodi nunka n'stive la. Mas kuza kin podi fla nhos é ma diportason é fim di um jornada y comeso di otu. Ser forti, ku fé y coragem nhos vida ta midjora.
Pa nha kumunidade: Nu encara es momento di festa li komo um momento di reflexon. Nu djobi pa traz y odja undi ki nu fadja. Fin di 2010 sta txiga, y poku foi feito pa muda nos kumunidade. Nu ka podi fla ma “dja nu realiza nos sonhos” enquanto nos irmon ku nos irma na Brockton, Providence y Dorchester sta ser morto, deportado y prezo pamodi droga. Nu mesti midjora por amor a nos criancas. Nu mesti muda por amor a nos herois ki da ses vida pa nu podi ser indipendenti y scodji nos distino.
Nu ka mesti sta ta guerra pamodi PAICV, MPD o UCID. Nos é mas grande ki kela. Cabo Verde é mas grandi ki kela. Nu ka mesti tem mesmo opinion politica ou interesse desportivo pa nu uni pa Cabo Verde y kela ke beleza di democracia y liberdade.
Em nomi di nha kumunidade n'kre deseja nhos Boas Festas. KA BU BEBI Y CONDUZI.

Por favor manda bus ideia, opinion y sugeston pa rito83@gmail.com o poi bu comentario pa nu podi comeca kria um plano pa nos kumunidade.

Note: For an english version contact me via email


Ku txeu karinho,
Rito DeCarvalho
Pawtucket, RI
rito83@gmail.com

25.12.10

Rafodjo

- N ka bem pamodi...

- Sim: Txupader ma ka tem pingo e ka tem koko de burro.

21.12.10

Pa Nasãu pode LER...No ta Skrebe num Lingua Nasional.

Se ka tem tadjo ke ta tadja-no, Rio de Lingua tambe tem de tem nasente,  fos i marjem pa ka tuma txada.

Kes mumento de Kriolo…

1. De Skravatura... temba oto linguaje, SIM SINHORO!










PAPIA: Ke Kriolo e lingua ke tudo kabuverdiano ta papia sta dokumentado desde prinsipe de seklo XVI. Um lingua de duminio de spresãu oral entre kabuverdiano.
2. De Kulonia… de 1967-1975.










SKREBE: Skrita de Kriolo na kel tempo, antes de indipendensia nasional, ka pode kreda, nem ka pode temba um norma de skrita de Lingua Nasional. Purtanto, kada alfabetizado na purtuges ta skrebeba se Kriolo sima ke el podeba i ke el sabeba. Kriterio era mas o meno individual, ke ta bai ta muda de akordo ku speriensia de kada skrebedor.

E bom fla ma dispos de Pedro Cardoso i Eugénio Tavares skrita de Kriolo nunka mas ka para, apesar de indignasãu de elite kolonial de Lisboa i elite nativos rezidente. Inkuanto ke Kriolo skrebedo, i registado de forma mas o meno sistematiko, so no ta atxal na kes testo puetiko de fin de sekulo XIX. Pedro Cardoso, Eugénio Tavares. Dos grande ome, ke asumi de forma pleno i konsiente ses identidade linguistiko-kultural i natural. E de es dos kes primero rejistu skrito de folklore “genuinamente” kabuverdiano.



3. De Indipendensia, 1975 te ITERNIDADE.

E dispos de indipendensia ke kumesa ta rezolvedo prublema de um skrita standard i ofisial pa Lingua Kabuverdiano. Nes pruseso no ta distaka um data impurtante

- Kulokio de Mindelo, Abril de 1979;
Mas era sedo. Kenha ke pode pegaba na nos idioma e da-l diginidade institusional era tudo Ingrato mankumunado ku tuga... es mostrado kaminho di mar...
Era tempo de nos ravolusãu. (mas es e trabadjo ke sta pa fazedo. Undi sta nos Storiador).

4. Liberdade i Dimokrasia… pa tudo i SEMPRE!

1. Proposta para a Padronização de um Alfabeto para a Escrita do Caboverdiano... à Ministra da Cultura e Comunicação... com despacho favoravel : "Concordo. Autorizado (...)" Praia: 6.9.93.

1.2. Publikasãu de Decreto-Lei n.º 67/98 de 31 de Dezembro (Proposta de Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Cabo-verdiano;

1.3. Decreto-Lei nº 8/2009 institui o Alfabeto Caboverdiano (konsagrasãu do ALUPEC(?))

1.4. Na revizãu di CRCV de 2010, pruposta konstitusional pa ofisializasãu de LKv foi txumbado. Pruposta ka konsigi 2/3 nesesario de voto parlamentar: PAICV vota sim, MPD abste; UCID vota kontra.


Nota: Nes perkurso pa ofisializasãu foi feto um dataria de kolokio, seminario, forum,... publisidade na Tv, radio, jornal, blog,

Pa situasãu deskrito, siginifika ma Kriolo de Kabo Verde ta kontinua ta vive institusionalmente so na oralidade. I kenha, individualmente, ke kre skrebe-l pode faze-l sima ke el e kre. No entanto, el pode skodje Etimolojico-tradisional (regras monte bes e aleatorio),  o fonetikó-fonolojiko (um som um letra) o inda inventa um nobo konvenãu (N kaba de inventa um nobo konvensãu).

5. STADO, NASÃU, DIKRETO I POVO…

Stado kontinua ta papia kriolo...;
Nasãu...;
Dikreto...;
Povo... .

Ora ke Dikreto-Lei nº 8/2009 ke ta institui Alfabeto Kabuverdiano ta fla na se Artigo1º (Instituição do Alfabeto Cabo-verdiano)

"1. O Alfabeto Unificado para a Escrita da Língua Caboverdiana (ALUPEC), aprovado, em regime experimental, pelo Decreto-Lei nº 67/98, de 31 de Dezembro, é instituído como Alfabeto Cabo-verdiano.

"2. O Alfabeto Cabo-verdiano funciona como um sistema gráfico nacional para a escrita da língua cabo-verdiana."
No ka ta intende pamode ke kes Dirijente de Instituisãu-Publiko (Guvernante) ta pirmiti i ta paga pa ke Skrita de nos Lingua Materno kontinua tãu kalapitxado, sima nes foto de publisidade li de riba!?

- Ka bo da-m txote, NA!
imaje arguns N panha-s na net.


13.12.10

Stroba-m go!

Kriolu tudu alfabetizadu ta papia-l i ta skrebe-l. Ago, Lingua Kabuverdianu te inda ningen. "Purki inizisti".

E pa N sprika, o e pa N xprika, o e pa N splika ou inda... e pa N xplika. Bo go, e kumo ki bu ta fra?

9.12.10

Ai, se a Língua Portuguesa fosse também nossa...

Em Portugal o jornal JN escreve: Acordo ortográfico aplicado no ano lectivo de 2011/2012

- Bo bu sta ki nen galinha ki ben duszorgu na buru? Nton tuma nota:

Segundo este saite http://www.portaldalinguaportuguesa.org/.

Agora em português  podemos dizer e escrever que:

1. Cabo Verde (país) : Eu sou nacional de Cabo verde.

2. país cabo-verdense - adjetivo : *Eu sou um jovem cabo-verdense.
3. cabo-verdense - substantivo : *Está a ver um cabo-verdense  que não sabe o que anda a ecrever...

4. cabo-verdiano - adjetivo : Este jovem cabo-verdiano anda a tapar o sol com a peneira.
5. cabo-verdiano - substantivoEstá a ver em mim um cabo-verdiano frustrado?

En Kabuverdianu (kauverdianu, Kauberdianu) Kabu Verdi (pais)

1. Kabu Verdi (pais): Mi e nacional di Kabu Verdi.

2. pais kabuverdensi - adijetivu : *?Mi e un joven kabuverdensi.
3. kabuverdensi - subistantivu : *? Bu sta odja un kabuverdensi ki ka sabe kuze ki el sta anda ta skrebe...

4. kabuverdianu - adijetivu : Es joven kabuverdianu sta anda ta tapa sol ku penera.
5. kabuverdianu . subistantivu : Bu sa ta odja na mi un kabuverdianu frustradu?

Nota 1: O Dicionário de Academia de Letras de Lisboa. Lisboa: Editorial Verbo, 2001. não "registra" entrada caboverdense. Porque será?

NOTA 2: No Brasil aquele que é natural do município de Cabo Verde - Estado de Minas Gerais - é chamado tradicionalmente de caboverdense (ver: Dicionário Houaiss que não trata os naturais desse município brasileiro de cabo-verdiano, mas sim de caboverdenses).

(...)

Ora, a nós basta-nos ser cabo-verdianos... ou melhor ainda: Caboverdianos. Já agora, com os nossos Cabovedianismos, é!

Será que nos assiste alguma autoridade para chamar a um nacional de Portugal de *Portugalense (certo que é portucalense) ou de *portugaliano e/ou a um lisboeta-lisboense de *lisboaiano?

A nosso ver, é de se perguntar onde está a nossa Política da Língua? Devemos aceitar que nos chamem também de caboverdenses?

Se a Língua Portuguesa fosse também nossa um caboverdense teria sido chamado a participar neste Portal de Língua Portuguesa?

8.12.10

Si e Kutxo, N ka meste fla ma el ten 2 pe...

Kutxo ten realmenti 2 pe!

"(...)Na enciclopédia Les Langues de l'Humanité (Paris, Robert Laffont, 1995) que tenho à mão, a escala é mais modesta: o espanhol (315 milhões de falantes) vem em quarto lugar, depois do mandarim, do inglês e do hindi-urdu. O português vem em sétimo lugar, falado por 180 milhões de pessoas, depois do russo e do malaio-indonésio. Já no tocante às línguas europeias, o espanhol ocupa efectivamente o segundo lugar entre as mais faladas no mundo, cabendo ao português o quarto lugar. É certo que há 15 anos de intervalo entre os números da Babelia e os da enciclopédia, mas o mais provável é as outras línguas terem crescido em idêntica proporção. (...)" Ler mais aqui

Copy Paste

(Nota: Bold e Negrito e outros destaques são da autoria do bloguer)


"OPINIÃO: Política

7 Dez, 16:03h
Entrevista a Ondina Ferreira

"O PAICV TEM DE IR PARA A OPOSIÇÃO"

Iria começar por uma velha polémica cabo-verdiana: a discussão sobre a adoção de duas línguas nacionais, nomeadamente, o português e o crioulo.
Ondina Ferreira - Logo a seguir à independência confundiram-se as coisas.

"Já"- O português era a língua do ocupante colonial.
Ondina Ferreira - Mas podia-se ter valorizado o crioulo sem se rejeitar a língua portuguesa. Houve muitas confusões e o problema é que elas prevaleceram, semearam-nas e colheram frutos. Passou-se para os mais novos a impressão de que a língua portuguesa não é nossa. O que é mentira, o português é a língua mais antiga, é a primeira que chegou cá.

"Já"- Parece ter havido tendência para menorizar o estudo do português nas escolas. Talvez até um pouco com o argumento de que, para as crianças, seria uma grande confusão usarem as duas línguas. Mas, na década de 30 do século XX, quando o crioulo foi proibido pelas autoridades coloniais, continuou a falar-se num processo de resistência extraordinário.
Ondina Ferreira - É um facto. E eu sou dessa geração, em que o crioulo era proibido em recintos escolares, mas que falávamos entre nós. Por exemplo, Santiago – e, nomeadamente, Praia – sempre falou mais português do que o Mindelo. Nós, aqui no liceu da Praia, só falávamos português do portão para dentro. Mas, em S. Vicente, os alunos do Gil Eanes falaram sempre em crioulo. De tal maneira que eles atreviam-se, digamos assim, a dirigir-se ao professor em crioulo.

"Já"- Isto, muito antes de 74. O que era, de alguma forma, um ato de rebeldia e de subversão…
Ondina Ferreira - Exato, era um ato subversivo. No Mindelo, porque a Praia era a capital administrativa, onde estava o poder colonial, e, provavelmente por isso, sempre se falou mais o português.
Sociedade matriarcal

"Já"- E o papel da mulher na sociedade cabo-verdiana? Há, de alguma forma, uma espécie de poder oculto, uma sociedade matriarcal. As mulheres trabalham muito mais que os homens e, na maior parte dos casos, são o sustentáculo financeiro das famílias.
Ondina Ferreira - O que diz é verdade. Mas estamos a falar de uma certa camada social. Quando se desce – se é que me é permitido -, em termos de literacia, de alfabetização e de recursos não restam dúvidas que o principal motor económico da família é a mulher. Mas se se vai para um nível mais elevado, em que os cônjuges são ambos escolarizados, aí talvez não se ponha a questão com tanta acuidade.

"Já"- Essa imagem da sociedade matriarcal tenho-a mais pela vivência com os cabo-verdianos da Diáspora, onde a mulher é o centro da economia e da organização familiar.
Ondina Ferreira - Sem dúvida nenhuma, concordo inteiramente.

"Já"- E qual o papel dos inteletuais na política?
Ondina Ferreira - É muito ténue, não se sente. Não sinto esse papel do inteletual, enquanto tal. Um ou outro manifesta a sua tendência, mas é mais partidária do que política. E há uma coisa que me irrita, que é a dos inteletuais não fazerem a apologia do português, fazem do crioulo. E isso é uma grande demagogia. Não querem cair em algum desagrado. Uma vez disse isso, enfrentei os meus pares, caíram-me em cima. Mas fiquei contente por me terem zurzido, no bom sentido, porque significa que houve reação.

"Já"- Esse é também o papel do inteletual: ser uma espécie de agente provocador para suscitar a polémica.
Ondina Ferreira - Mas o que aconteceu com o crioulo, para além desses desmandos que houve… Sofri isso na pele, porque, em casa, falava português, porque era burguesa… Isto era um anátema terrível.

"Já"- Pensa-se de uma maneira em crioulo e de uma outra em português?
Ondina Ferreira - É uma boa pergunta. E eu ponho sempre essa questão aos meus alunos. E tenho respostas das mais interessantes. Já tive respostas a inquéritos onde me dizem que pensam em português mas falam em crioulo. E o contrário também já aconteceu. Os livros são em português e o aluno que domina a língua é imediatamente bom aluno, porque vai entender os conceitos.

"Já"- Como é que se sentiu no dia em que vestiu o “fato” de ministra da Cultura? Para um inteletual, normalmente contra-poder, não é estranho sentar-se na cadeira do poder?
Ondina Ferreira - É isso mesmo. Os intelectuais sempre se caraterizaram por ser um pouco contra-poder. E quando aceitam esses cargos é sempre um pouco a contra-gosto. Para já, porque os ministérios da Cultura são sempre o parente pobre do orçamento, levam umas sobras. E há uma espécie de briga com o meu Eu, o lado inteletual, e o meu Eu política – que tem de executar um programa para o qual praticamente não possui meios. E não fui só eu, deduzo que a atual ministra também padeça do mesmo problema… E antes de mim. (...)"

DO CONTRA-PODER AO GOVERNO
"Já"- A sua passagem pelo governo é a passagem de uma inteletual e de uma mulher por um universo masculino. Há essas duas sensações de estranheza.
Ondina Ferreira - Nós estávamos bem no início desse processo de passagem das mulheres pelo governo. Da minha parte, não me senti mal, mas não posso falar pelos meus colegas da parte masculina. Dirão eles se se sentiram constrangidos, ou não. Muitos estavam a iniciar esse exercício, portanto, foi um exercício em paridade. Não tenho memória de ter havido qualquer choque (risos).

"Já"- E teve também a tutela da Comunicação Social. Isso coincidiu com a pasta da Cultura?
Ondina Ferreira - Coincidiu. Embora pense que a tutela da Comunicação Social é um contra-censo. Ela não deveria ser tutelada. E isso provoca alguns choques…

"Já"- Ultimamente, essa questão tem sido muito enfatizada. Porque o que decorre da nossa relação de telespetadores é vermos, por exemplo, no serviço público de televisão aparecer o primeiro-ministro – que, por acaso é este, mas poderia ser outro – sete vezes no mesmo noticiário e a oposição aparecer uma vez.
Ondina Ferreira - Ou a não aparecer nenhuma, que é normalmente o que acontece.

"Já"- Como é que se consegue resolver este problema, agora e no futuro?
Ondina Ferreira - Em Portugal, por exemplo, há a figura dos provedores.

"Já"- Mas para uma inteletual, que é uma pessoa da liberdade, como é que se resolve a contradição de se viver num Estado de Direito democrático com um serviço público que está ao serviço da propaganda do poder, seja qual for esse poder?
Ondina Ferreira - O perverso é a subvenção do Estado. Porque, como a TCV, por exemplo, não tem auto-sustentação, vivendo de subsídios do governo, acaba por ser um órgão estatizado, criando laços de dependência – o que é mau! E o Estado – aqui no sentido da administração – não abdica de cobrar…
O LADO IRRACIONAL DA POLÍTICA
"Já" - Ainda para mais quando Cabo Verde tem uma espécie de relação passional com a política.
Ondina Ferreira - Em Cabo Verde não se faz política, faz-se partido. E sou de uma ilha em que isso é notório. Não há política, não há programas, há uma partidarite aguda. O Fogo é o protótipo da irracionalidade política – pode escrever! Se eu sou verde e ele é amarelo, o amarelo não fala comigo (risos). Eu provoco as pessoas, cumprimento toda a gente: “boa tarde”… E eles pensam: “como é isto, estou a ser cumprimentado pelo inimigo, pelo adversário?” Adora fazer essas provocações. Mas, na minha família, temos pessoas que vão do PAICV à UCID, passando pelo MpD.

"Já"- E isso tem colocado algum tipo de problemas?
Ondina Ferreira - Naquilo que nos toca, não, valha-me Deus. Juntamo-nos nas festas, nas tocatinas, nos almoços de Natal. E, quando é assim, sobretudo naqueles períodos exacerbados, quando estamos em família e com amigos próximos, evita-se. Há uma grande correção entre as partes adversárias (risos). E quando se discute, defendem as suas cores de forma civilizada. Mas vejo, lá no Fogo, famílias que se zangam umas com as outras.

"Já"- O debate de ideias é menorizado pelas paixões irracionais…
Ondina Ferreira - Sinceramente, não tenho visto debate de ideias. Mas há pessoas, ainda assim, que de uma forma intelectualizada procuram discutir os problemas – uma ínfima parte que procura sentar-se à mesa com os adversários políticos e discutir os assuntos sem trazer a cor partidária ao de cima.

"Já"- Em Fevereiro há eleições. E esta é, necessariamente, a apreciação de quem vem de fora, naturalmente pouco alicerçada, mas que, de igual modo, também tem a vantagem de não estar comprometida. Digamos que se sente no ar uma vontade de mudança e de que este ciclo de governação se esgotou. E até tenho sentido isso em pessoas que estão na órbita do partido que está no poder.
Ondina Ferreira - Eu comungo de que dois mandatos são q.b., como se diz nas receitas culinárias. É quanto baste, senão começa a alcançar uma conotação anti-democrática. Quando o ciclo do MpD terminou, achei bem – já era altura. Agora, também chega. O PAICV tem de ir para a oposição, isso é bom para a qualidade da democracia.

"Já"- Há poucos dias, Jorge Carlos Fonseca anunciou a sua candidatura à Presidência da República. O que lhe suscita este anúncio, vindo de uma pessoa que é da sua área política?
Ondina Ferreira - Ele já não é estreante nessas lides, tem um perfil adequado e acho saudável que ele volte. É muito importante que surjam bons candidatos, com um perfil bem cuidado, porque esse é o grau de exigência para a figura do Presidente da República. Tem de ser um democrata e, fundamentalmente, estar acima das querelas e da partidarite… Gostei muito do Mascarenhas Monteiro, porque ele estava despido de cor partidária, fez uma Presidência exemplar. É um modelo a seguir."

6.12.10

Kutxoris na ses jurnisan na Sidadi

Cachorro, Cachorros & Cadela

Katxor & *kan

Kadela (fimininu singular)
Kes kadela (fimininu plural)
Katxo, katxor, katxol i katxoi (maskulinu singular)
(?Kes)Katxos, katxoris, *katxolis* i katxois ( maskulinu plural)

Katxorru, (maskulinu singular)
Kes katxorru *katxorrus (maskulinu plural)
Katxorra (fimininu singular)
Kes katxorra (fimininu plural)
? kes Katxorras (femininu plural)

- E la kutxo!

28.11.10

Afirma que

"(...) Apesar da língua portuguesa ser oficial no sistema sócio-politico cabo-verdiano, verifica-se, à vista desarmada que, do básico ao superior – tendo pelo meio o secundário -, os docentes, na sua grande maioria, não apresentam competências linguísticas desejáveis. Esta realidade é bastante gritante porque acaba por abranger muitos graduados na língua portuguesa. Os efeitos tornam-se evidenciáveis, por um lado, na qualificação dos formandos que transitam de ano sem o nível de proficiência desejado, resultando consequências nefastas para outras unidades curriculares. Outrossim, nota-se, por um outro lado, que uma percentagem significativa de cidadãos acaba por exercer uma “cidadania desmoralizadora”, não sendo interventivos nem participativos, devido, muitas vezes, à falta de domínio das ferramentas linguísticas. (...)"

24.11.10

21.11.10

Kapanga, nen flasa!

Nha Ana Purkopu, kantadera me... "omi mofinu ta peta ku po el ta ngoda ku faka"

Oh Montrond, nes testu li nho buli-nu tanbe. Pur isu nu ta fla nho li, pamodi nos e sensuradu na Liberal, nho sa ta konfundi "kapangas". Kapanga e kenha ta kore dodamenti tras di Alupec (ki e ka nos kazu!), un proposta di alfabetu pa skrita di kriolu. Ler dretu: Skrita di kriolu. Un forma di skrebe kriolu ki arguns Letradus kabuverdianu ka kre.

Nu sabe ma es asuntu di LKv ten idadi di nos indipendensia i ma e es Guvernu atraves di Dikretu-lei institui Ak, pamo el kre normaliza skrita di LKv. El kre ki nu regista nos Storia i nos kultura na ORIGINAL, pa sarbasãu di nos mimoria. Un prumeru pasu dja sta dadu, sa ta falta kes otus. Nu ta bai ta da-s, sen presa. 2º Pasu mas impurtanti e poi LKv na Skola ku objetivu difinidu pa el pode faze se perkursu akademiku. Dispos di kel li, tudu ki ta ben a sigir e bónus pa kada Kabuverdianu i pa sosiadadi-nasãu. AK dja sta dja Dikretadu. Falta-nu un longu trabadju di ensinu i di sensiblizasãu di tudu falanti di kriolu pa skrebe-l tanbe. Falta mas poku.

Kabuverdianu, en jeral, ka sabe fla pamode es e kontra AK, baziadu na Siensia Linguistiku. Es inginoransia li ka ta da-s i nen ka ta tra-s razãu di fala mal o ben  AK. Nen tan poku el ta da-nu direitu di txuma us otus di "kapanga". E au kontrariu, kapanga e kenha ki sta ku Alupec sen sabe pamo. E ka kazu di nos e ka kazu nho tanbe. Nen di kes otu ki sta difende skrita di LKv. Nu mesti traze tudu kabuverdianu - di Santu Antãu te txiga Djabraba - pa ben skrebe se Lingua Maternu pa nu pode lere-l se pensamentu i se kultura... O e ka si?

Nho sta papia li di pensamentu refleksivu. Sertu(?). Ago, e pena e ki nho sta matuta sobri un Siensia ki nho sta mostra li, i na otus artigu publikadu, sabedoru. E so pur isu me ki nho ten txeu kabuverdianu ta ataka kuza-s ki nho ta skrebe i nho ta publika. Tiru e tantu ki argun bes el al tinji Omi.

Nu debe leba en konta ma kabuverdianu ki e kontra alupec/Ak e kel ki ten abitu di skrebe, ku amor i karinhu, se LM, sima ki se kabesa nxina-l, ku bazi na "etimolojia" di LP. Tantu mas ki e LP ki el ta nxinadu skrebe na el na skola; kabuverdianu ki e kontra Alupec/AK ten un paixãu sen midida na ta Ler i na ta kanta Eugénio Tavares i Pedro Cardoso, entri otus tradisionalistas di Skrita di Kriolu.

Es kabuverdianu ki e kontra Alupec/AK e pamodi AK ta signifika mudansa di ses kustumi na Leitura i na Skrita di realidadi Kabuverdianu. Es ka e kontra nos Kriolu. Logamenti, es ka merese ser rabaxadu kontramas pa intelektual.

Ago, kenha ki ta manda debe lenbra senpri ma mudansa ten di ser sosializadu ku pedagojia. Debe uza pedagojia pa sosializa “es kabuverdianu k i e kontra AK”. Ka ten pensador refleksivu ki ta ignora pedagojia susial. Un trabadju kontinuadu i sistematiku ten di ser fetu ku Siensia i Sabedoria. Alias, trabadju ki sa ta ben ta ser fetu dja ten tenpu, e bon tanbe pa fla!

Dja-nu fra i dja-nu difende ma Alupec e ka Lingua. I mas, alfabetu e ka LINGUA na ninhun parti di mundu... Nho propi nho dja seta ma "Alfabetu e ka Lingua". Nu pode muda alfabetu mas Lingua  ta kontinua kel me (izenplu di Turquia?). Pur isu, nos ki e a favor di skrita di nos LM nu ten di reia e rapensa stratejia di torna kuletivu es nobu forma di skrebe nos LM, sen gera. Ma ku amor...

Nu rapara, es AK so e validu si sklarese kabuverdianu pa seta-nu el. Ka ningen diskise, si maioria di kabuverdianu kumensa ta Skrebe ku el e pamo el ta sirbi. Ingodu ki tra pexi di mar... Nes ordi di ideia, nos ki ta difende AK e valorizasãu di nos LM nu ten obrigasãu di mostra es kabuverdianu,  ki e kontra es mudansa di skrita di LCv, ku paxenxa, inpurtansia di Skrebe nos Lingua segundu es nobu padrãu, ku trabadju di pedagojia i ku "faktus pa mostra". Omis ku mudjeris nobri ta sumara tenpu i ora... es ka ta ferbe ku poku agu. AK foi pensadu pa kenha ki sabe, pa uni tudu kabuverdianu a roda di un padrãu di skrita nasional. Pur isu, na ta difende nos Lingua Maternu nu ten ki luta tanbe pa uniãu na diversidadi.

Nes kazu li, pensamentu refleksivu ta pasa pa konpo nos AK di forma ki tudu kabuverdianu pode sinti, ora ki el sa ta skrebe ku ku el, ma el sa ta skrebe Lingua di amor i di silensiu, pa sosializa atraves di un skrita se kunhesimentu kultural i sientifiku na Lingua ki el ta papia. Skrebe e tanbe Ler… i torna Ler pa torna Skrebe... un pensamentu refleksivu i rekursivu ka pode pasa pa sklusãu di kenha ki ta pensa diferenti di nos. Mas ku dibati di ideias ki pode rezulta na inklusãu.

Tres nota:

1. Ka nu skese, nes difesa di nos LKv ka debe ten "kapanga", debe ten, sin sinhor, liverdadi di pensamentu e di spresãu pa tudu fidju di tera. Vontadi di minoria ta binga so di baxu di manduku. I el ten bida kurtu.

2. Povu di Kabuverdi ten un perkursu ki sta rajistadu na Livru di História de Cabo Verde, komu povu trabadjador i intelijenti. Nu sabe ma luta ki du faze pa oji nu ten nos identidadi. Ka foi faxi.

3. Nos Storia e fetu di resistensia. Nes luta pa valorizasãu di nos Lingua Nasional ka ten Kapanga nen ka ten mangusa. Ten kabuverdianu ki ta pensa ku se kabesa. Manba e kel pensamentu refleksivu li ki mata Cabral?

PS:
Dja-nu odja ma nho ta valoriza nos kultura.Anton, odja nes tirada interesera di Ana Nho Purkopu (*Purkopi) kantu el odja dos nbarkadiu di Merka na solera-l parta di badju el kanta: “Oh Djemi ku Morin, nhos dixa-m, pamo pexi sta more N ten ki pega-l”. Konkluzãu go e di nho!

20.11.10

- Djura!

Djura e pekadu. Mas senpri ta djuradu. Kabuverdianu senpri djura. Asin:


[-N ta Djura + P, ... (N ka (ta) + V+...K)]

-N ta Djura-bu,
... N ta faze krus ku ku (kadera) ma nunka mas N ka ta + V + K.
... N ka ta faze-l mas, nen ku mon na lumi.
... N ka ta faze-l mas, nem ku un bala.
... pa kel leti ki bu mai da-bu mama, ma N ((ka) ( ta)) + V+K.

Djura di rapende:
N ta djura-bu ma nunka mas N ka ta faze kel kuza ki N faze-bu onti.
Kelkuza ki N faze onti N ka ta faze-l mas, nen ku bala. N ta djura-bu!
N rapendi. N ka ta faze-l mas, mesmu ki e pa N sarba nha mai di morti. N ta djura-bu!



Otus forma di djura (ki ka ta djuradu...)
Si N faze (si N volta a faze-l) Ki...

Si bu faze, pa diabu karega-bu.
Si bu faze pa diabu karega-bu di korpu i alma./...korpu ku alma.

N ta da-bu nha mon xei(u) di palavra ma,

19.11.10

Stroberes

Stroberes, adj. n. 1. (di ingles st)

Baskudja, v. 1. Spia (ngatxadu ou nãu). 2. Mexe sen otorizason. Bu pode baskudja dretu! 3. Raborbe. Nhos pode raborbe, nada ka sta la!

Kroku, adj. 1. kenha ki ka gosta di da nada. 2. kurundin o tanbe karundin. Kenha ki ta guarda un kusa kalker baxu di se odju te staga y el ka ta da kenha ki meste. 3. bara kroku= tortu, biradu pa txon.

Djagasi, v. 1. konpo. Txiga pra la bu dixa-m sinta. Djagasi!

Djazi, v. 1. Faze txiga. 2. Dividi. Si ka txiga du ta djazi. Bu meste djazi ku bu konpanheru!. 3. Popa. Djazi es kume pa el pode parti. Oji krizi e jeral, tudu kuza e pa bu djazi.

Djatu, n. 1. Gritu. El da un djatu y el puxa se txada koina gentis spadja.

Djanguri, v. 1. Bira miodu. Ropa nobu o ki bu labal el ta djanguri. 2. kria ruga. Nha ropa el koze-l tudu djanguridu. 3. Bedju. El gosi es ta bedju djanguridu.

Djangoto, v. 1. Baxa korpu na vertikal pa riba djuedju sen po kadera na txon. (do port. agachado). 2. Ngatxa. Djangoto li sin Ze ka ta odja-bu. 3. Sentensa: Djangotodu ka ta po na ragas. (= mi tanbe N ka pode. N ka ten pa... N ka pode pa ... N sta sima bo!)

Djuguta, v. 1. Luta sen serteza ma ta atxa. Ale nu li ta djuguta pa vida. 2. Djobe kuza ki sabe undi sta nen si sta. 3. Baskudja.

Ndjutu, v. 1. Poku. Bu N sa ta ndjutu? Bu sa ta atxa-l poku? 2. Uzadu nu kotidianu pa fla me ka e rialmenti poku. Kume ki bu ndjutu ki ta farta-bu! 2. Fraku. Mininu N ndjutudu. 3. Menosprezadu. Bo e xefi ma tudu funsionarius ta ndjutu-bu, un xefi disruspetadu.

Nkroka, v. 1. kurva. Dja el nkroka na txon. 2. Gatxa. N Odja-l nkroka tras di kaza N ben fra-bu pa tuma kudadu ku el pamade el ta furta.

Raborbe, v. (do port. revolver "mexer e remexer") 1. Mexe pa djobe. Es raborbe tera pa mei tiston. Nhos pode raborbe tudu kabu, dja-m fra nhos ma N ka tene nada ngatxadu.

Txipi, adj. 1. Algen riku ki ka ta gasta dinheru. Omi ki taberna e ka ta paga nada.

18.11.10

Karneru


In:Shaun the Sheep
  Karneru dixa-l ku se lan.

Karneru nase ku se lan. Kunfiadu e kenha ki tuskia-l el. Trumodi, bu ta korta-l el, el ta nase inda mas finu.

- Karneru, na kriolu ka ten ovelha. Dahahah...
- Bon, na Djarfogu, palu menus, un bes tenba obedja. Karneru ki ka tenba.
- Bu kre fla-m ma obedja nbarkadu tudu pa Praia?
- Na, N kre da-bu konta ma es bira tudu karneru... kes ki ka bira, kumedu fepu!
- Napunde?
- Napunde ki ta kumedu obedja? Bu sta da pa sorna! Ago, bu ka sabe ma ten uns rasa ki ka ta garda karneru ki fari obedja.
- Ta kusta-bu argun kuza bu papia ku mi sen ser na partubaxu?

17.11.10

Pintxar-me

Pinchar, v. > Pintxa = inpura = pasa.


1. Bem djuda-m pintxa karu…

2. Bem djuda-m inpura karu…

3. Pintxa-m kel pratu ki sta pertu bo, di favor!
4. Si bu ka kre pintxa-m el li...
5. Nhos dixa di pintxa-pintxa... 
“Foi ele que me pinchou primeiro”. Gargalhada geral…Mas porquê? Se é Português Arcaico.

- Ka bu pintxa-m pa N ka kai.

16.11.10

- molga!

Adijetivu: Bonbodu, mopidu i kramokadu

Verbu: Bonbo, mopi e kramoka.

1. Rostu bonbodu sima buli ki nase na kantu-l pedra. Bonbodu ta konpo ku mon. Kuze ki bu sta bonbo boka?

2. Ka nhos ngosta-m na karu pa fika mopidu. Mopidu bu ta konpo ku feramenta. rostu sima lata kokokola mopidu.

3. Na asidenti, nha karu fika ku para-xoki kramokadu. Kramokadu ka ta konpo. Ka bu frega-l pa ka kramoka,

Bu sa ta lenbra tenpu ki bu uza kes palavra li?

Ki ka  ten ramedi e so morti.

António, obrigadu pa ideia.

15.11.10

Ka-pode, ka ta po-m ka Labanta!

N ka-pode! E un spresãu ki, si nu presta atensãu,  nu ta obi gentis ta fla-l na rua... o te dentu kaza, na skola... na merkadu...

Ka-pode e un palavra bunitu. Un palavra ki as ves nu ta labanta di kama nu ta fla: Oji N manxe ka-pode nada. Korpu sta-m en baxu!

Ka e un palavra, pode e un otu palavra mas, ora ki nu djunta-s es ta torna un so, e ku signifikadu di sta duenti. E un sta duenti ki e ka di kama. Ora ki sta na kama, nu pode fla N sta duenti, raramenti N ka-pode.

Ka-pode e uzadu mas na ora ki nu ka sabe kal ke nos duensa.
- Oji N sta ka-pode nada!
- Nton, bai ospital. Bai konsulta. Es ta fla-u kuze ki bu tene (*ten).

N ka pode fla-u undi ki N sa ta bai. / N ka pode fla-u napunundi e ki N sa ta bai. Nes frazi sentidu e otu. Ka e un adverbiu di Negasãu. Ora ki e sin, entãu ka ta separadu di verbu na ortografia.

Napundi (pa undi) ≠ undi≠ nundi  ≠  dundi (di undi)Si nhos kresabe ka-s ki e diferensa, nhos skuta na rua ses uzu kotidianu.

10.11.10

Regra,

Sintista e pa limita Regra. Es ta djobedu e na Lingua, pontu.

Ideia ma Skreber kriolu e fasi sta na ka meste skola pa nxina, nen regra pa trapadja. Anton, na ta skreber kriolu e si na kumentariu onlaine, kada alfabetizadu na purtuges ku se skrita. Ddjobe Regra!

Tuma nota: Undi sta trasinhu e nomi di algen ki N linpa di testu.

“Srº __ ka ta dau vergonha, caderubo. ka bu xinta na bu posto di trabadj, flad bu sta anda ta fla ma bo é Drº. ki doutor sa si di grogue fedo. ki bu sta insuli na barriga, barrigom ta fla pipa. na 2011 bu ka sta bai xinta na morrim outraves, bai distribui dinheiro. vergonha ta dau. mas kel carro di bo sta pa dias contad. é lumi ki nuta poi el, dja na altura di campanha nhu ta anda a pés.”

ha __ ba ta brinca ku professor, sabe kuse bu sta na el. bu pensa es kusas e tchacota. bu bem emprestado dja bu cria asa. te na jogo sujo dja bu entra. agora nta perguntau kem paga as senhas de combustiveis qd a viatura anda a noite em parodias com o srº __ . este srº __ anda a violar o lei das finanças.

__ fica ta sabe ma kes recados e ka di ninguem ki sta na pollitica,ami e um di kes professor ki bu sta presegui ,tuma grande cuidade kuze bu sta na el, si bu brincam ku pao di nha fidju nta montrou cante bale.ka bu pensa ma e rapas di politica a nos e professor.seu batoteiro

Nhós fika ta sabé ma Delegado Escolar hora kê termina sé Comison di Serviço é ta regressa pa sê serviço de origem. É tem si formaçon e el é di Quadro. Sé Lugar é tem garantido. Agora sta um mo0nti ki oras ki kuzas muda... ta panha mau... por isso ki nhos sta tudo fadigadu...

quel delegado li é sima keloto di agricultura és é dós comissário és ka kré sabé nada di maio sinão sis bolso. Kel __ tené tudo cusa di si baxe luta contra pobreza e tudo. al pensâ ma cu dinher al ta cumpra djentis di Mai!

tud alguem sabe kenha ki manda na delegaçao na maio,claro ke Nha __ ela ki ta nomia professores ki trata di transferencias di professores Gai ta limita a cumpri ordem.e ka por acaso ki professores ta trata tud ses assuntos ku nha __ .

kuidadu pa kel pedra ka fica la 4 ano, gossi ta botadu pedra pa tudu ladeira di cabo- verde.kada um ta fazè campanha di si manera.Bu nho `è bota pedra.

tud gente kre caba thugs ,ma assim nimguem k te pode ,nem plicia ,nem tropa ,e nem governo ,pq cada dia te parce mas do ki 20 thugs ,unki manera kim min te otcha kes deve faze e na medida kes prende1 es manda bala ,matal ou se nao junta uns 100 thugs bai la pa meio de mar unde kes ke te pode volta bo largas da peixo pa kme .un sabe kes te dse ma kuraçao um katem mas pocha es tb es katem e nos e mas kes es tem coragen de mata pq que nos justisa tb k pode po coragen es ranja um soluçao pe kaba kes duma vez pq de um por um nunca mas es k te caba ,es te dze ke direito humano ta existe mas sim diacordo mas pakem ke humano ,grinhecim bo te da um thugs mesmos direitos de k un cidadao "normal " e um injuria pa nos . mas um vitima kem sabe manha pode ser um de nos filho t anada na rua ou mesmo nos ! e triste unde k no tita bai para ?

ya nhos fazi so bons comentario thugs eh nos tudo ki sta dexa keli contice.... ka nu cumeça ta denuncia kenha ki ta bendi droga "pedra" la txada sabedo td ken ki ta bende kenha ki ta fuma, kenha ki ta roba ma tudu algen ta fica keto... inda maz kez mai ku pai ki sta dexa ses fidjo abandonado ta fazi okes bem intender td tem um limite si dento casa ku ka sta djuda imagina fora oji foi alex manham eh um di nos pamodi ka nu skessi ma bala ka ta sigui pa kem ki nu cre... txada, txadinha, varze... sta na nos mo, pamo nos pais ka fazi si ki gossi nosgerason ki sta fazi si eh pamodi ninguem ka sta liga ninguem problema ki kem ki sta nos lado é di ses....ma nu sta enganado pamo si nu ka toma conta cuzas ki sta nos lado ta afetanoo por isso luta tem ki ser de nos td, kez jovens ki nu sta txoma de thuga é simplismente usuarios de droga e alcool ki sta mata cumpanhero pa cusas banal, si prendedo ou tomado medida ku kem ki sta bendi ken sabi algum passa pa frente nu podi da


Sociadadi cabuverdianu ê mutu passivo. Nu ta fala tcheu e nu ta poi responsabilidadi na tudu alguém, menos na nôs. Nu para di fala e nu toma um atitudi, nu revuluciona es merda! Problema di thug ê ka sô social o politico, nkonchi um monti rapaz ki ê thug pa basofaria. bando di vermis ki sta na terra sô pa fazi peso.

2 vida perdedu, 2 vida desgastadu y fragilizadu, 2 jovens(um kuazi kriança otu kuazi adultu) ki pa kel ki sta parci ka vivi nem sis infancia nem sis juventudi. Kuza nunka vistu! Tristi di mas, di mas... Tudu investimentu pa praia di tirror, mudjer bunita ku denti ta sangra, perola du infernu, nada di kel ki foi bublicitadu, nada di kel ki oxi é real, makababra y sanguinariu xou. Exemplu siguidu y pontual! Autoridadis ta mata na via bublika, jovens solitarius y abandonadu ta rispondi ku assasinatu em plena... ministru ta kala jovens sem um prespetiva ta papia ku pistola, morti lenta, morti passiva, morti brutal, agressiva, morti mental, sucial y pulitikamenti ditu morti di kunfiança dipuzitadu pa txeu Cabu-verdianus... MORTI MANIFESTADU NA TUDU SI KADABRA MAL DISNUTRIDU Y N U'N.__ y tudu bus __ ; és dekada di nhos desgovernaçon di nha terra ta fika na storia y, pa um stanhu ironia dje supera 15 anus di ditadura da tortura, antis nhos ki ta mataba na sukundida, gossi dje fortifika ku nhos izemplu ki sta privaleci a dà kontinuidadi a matança sen ripençamentu., Tristi y primitivu piriudu es, di 2001 a 2010, ainda izisti korpus non identifikadu... sem kauza nem motivu, mas nòs nu konxi vultu di kulpadus, kumplicis y assassinus. Ami n' ta pidi nhos pa nhos fazem um favor: " nhos larga nha terra di mò, nhos dexa nha terra in paz. Oras ki aprizentadu um peça tiatral au publiku y ninhum aplauzu ka sai pa tra silenciu di sala ker dizer ki, é ora ki tudu atoris sai di palku koncienti ma prazer di dà bix é ka pa kem ki kre, mas sim pa kem ki podi. Diskançu iternu pa mas um vitima des THUGS ku gravata.

Es é fundu sima mar largu sima mundu, nada ka ta bastas, nada ka ta txigas, oras kes tra na bibus y agoniadus és ta baitra na mortus, es ta viola kadabra y, mesmu assim ka ta bastas. Nhaguenti forti homi malandru y KDR-LARGU! dje projeta CV na um eldoradu, ka falta nada, piratas di tudu kor y di paìs diferenti sta na tudu skina prontu pa leba dinheru manxadu ki a si bez é fiforçadu ku mass lixivia na nos terra, pamodi manxa é txeuuu! Dinheru di kontribuentis sta na Dubai sen dò nen piadadi, na sala n° 2 um film ja vistu y konxedu, roba povus Anglanus ki sta na mizeria total y kubri um otu manxa di guvernu __ . E' kazu di fla ma os __ ka sta pa nada salutaris di menti, és mesti BAI injeta um injaçon di vitamina __ . Si ladriça ku aldrabiça ka duença nem febri di kenfoi ka duença............. Si ka limpadu Cabu Verdi di és foresteris fujitivus y Thugs nacionais y inter nu sta fddus y mal nutridus.

9.11.10

Verbu na kriolu... Asãu!

 Alfabetu Unifikadu pa Skrita di Kriolu, AK

Prizenti di  Verbu paluta
N ta paluta
bu ta paluta
el ta paluta
nu ta paluta
nhos ta paluta
es ta paluta

- Bota kanpiãu li el, N ta paluta-l. (pluta-l)

Prizenti di verbu nkroka
N ta nkroka
bu ta nkroka
el ta nkroka
nu ta nkroka
nhos ta nkroka
es ta nkroka

Ps: Kudadu ku kroka...

- Mos, bo e kroku! (dju!... txipi!)


Prizenti di Verb lapi
N ta lapi
bu ta lapi
el ta lapi
nu ta lapi
nhos ta lapi
es ta lapi

- El lapi na txon, bedju! Si N fla-u, bu kardita!
- N panha txuba, pur isu, N lapi...
- Fijon lapi, kuzinha di mas...

Prizenti di Verbu baxu
N ta baxu
bu ta baxu
el ta baxu
nu ta baxu
nhos ta baxu
es ta baxu 


Ps: Kudadu ku (n)baxa di mas...

Kudadu, ordidja e baxu-l bala!
Kudadu, ordidja el e baxu-l bala!/ kudadu, ordidja e baxu di bala!



Prizenti di Verbu lagadji
N ta lagadji
bu ta lagadji
el ta lagadji
nu ta lagadji
nos ta lagadji
es ta lagadji
 
Ora ki bu lagadji ka bu skese di ladridja... es go ka fila.
 
Prizenti di Verbu farfunha+ P
N ta farfunha-bu
bu farfunha-m
el ta farfunha-nu
nu ta farfunha-s
nhos ta farfunha-es
Es ta farfunha nos moku fepu.
 

Prizenti di Verbu bale
N ta bale
bu ta bale
el ta bale
nu ta bale
nhos ta bele
Es ta bale

- Ami N ka bele na nada...

Prizendi di verbu kalka/karka +p
N ta karka-bu
bu ta karka-l
el ta karka-l
nu ta karka-nhos
nhos ta karka-s
es ta karka-bu

-Si nho karka-m li, ningen ka ta karka- nho la, ora ki nho bai la.

4.11.10

Granpona, bu graxuma

Kal e, bu sta stranha-m?
Kel ki nobu ka mata bedju ta nteradu.

Gentis ka kre granpona pa kanba bila;
Gentis ka kre granxuma pa  kanba Praia;

Ningen ka kre sabe undi kriolu sa ta bai ratorku tudo granponadu;
Ningen ka kre sabe undi kriola sa ta bai  bazofa tudu graxumadu;

Ami e Dolsi-Nganbana...
(...)

Fla-m, bu sta mata-l  pamodi bu gosta del...

1.11.10

Talusantu = todos os Santos

Pa mi e, talves pa bo tambe, oji e dia 1 di mes. Feriadu. I e tudu. Pa otus oji e dia di talusantu dia di bai simiteriu sende bela pa finadu. Gentis ki dja mori.

"Talusantu", ditu na kriolu di Fogu, ki significa na Portugues dia de Todos os Santos. Un dia ki Simiteri ta intxi di gentis ki ta bai la pa sende bela a ses difuntu.

Sende "Vela" nes dia, sigundu gentis grandi, e pamodi nes dia tudu spritu di finadu ta volta pa undi ki se korpu sta nteradu, enton, si un spritu volta e ka atxa bela sendedu na se koba, kes otus spritu di finadu ki ta ben i es ta atxa vela na ses koba es ta faze trosa di kes ki ka atxa.  E sin ke tradisãu...

E "festa di midju"? Es e mudernu. Dia di tulusantu, e dia di fartura pamodi nes data tudu kes simentera dja ka da. Midju dja da spiga prontu pa kume, sapatinha, bangolon, bobra i balonbolu e ´pa bai buska na txada o na kobon... balansia, molon pa subremesa tanbe.

Mudernu tanbe e "Halloween festejadu na dja di Sal" noticiadu na RCV.

Nu mesti skrebe sobre es kustume... e variantis... Omis di kultura, nhos sta en falta.

30.10.10

Anglu Retu

 ipotenuza e igual a soma di di kes dos katetu o kuadradu.

ipotenuza
?Angru retu, ongle ret(e)...

N da-l ku metafra...

Metafra sin sinhor, e konta bu txiska!

* kabesa loru.

Kabesa bun. /* bun kabesa/ bon kabesa
Kabesa ka bale. Familia di gentis kabesa ka bale (familia di gentis dodu).

Kabesa bedju. (kabesa ki ten kabelu bedju... kabelu ki e ka loru/finu/lizu)

Kabesa bun. Minin, bu ten kabesa bun! Familia di gentis kabesa bun.

Kabesa d' omi. Ki ta pensa sima omi.

Kabesa di agu. kabesa ki ka fiksa nada, ka sa ta lenbra di nada.

Kabesa di gentis nobu. (pensa ku poku responsabilidadi)

Kabesa mosinhus. Konportamentu di joven.

Kabesa di kazal (= maridu).

kabesa dja bai. Abo, kabesa dja bai? Sa ta faze kuza-s ka dretu.

Kabesa dja futi. (ki ka sta pensa dretu...)

Kabesa djuntadu. (anda kulegadu ku...). Es tene kabesa djuntadu... es sta konbinadu pa...

Kabesa fetu. (ser konvensedu pa algen...). disididu.

Kabesa iradu. Kenha ki ten ngana di ten, faxi. Tra di algen pa el fika ku el, el.

Kabesa ka bale. (...dodu, tololo, tolobasku)

Kabesa ka prontu. (kabesa ka ta pensa dretu, ki ta da pa dodu...)

Kabesa konpodu. - Konpo-m kabesa!

Kabesa lapidu. Kabesa modjadu di karkel kuza.

Kabesa lebi. (ki sta ta anda pa tudu ladu... ka tene juis).

Kabesa mariadu. Ka sta faze kuza-s dretu.../ sta duenti.

Kabesa mofinu. Minin, bu ten kabesa mofinu! Bu ka ta lenbra di nada...

Kabesa na lua. Distraidu.

Kabesa partalaxa. (kabesa ku forma rodondu sima bulaxa spadjadu riba d' unbru)

Kabesa patxidu. kabesa... "esmagado"

Kabesa piradu. Kenha ki ta xatia ku poku kuza

Kabesa pizadu. sta ku mau pensamentu.

Kabesa prindadu. Vive na kusta di algen.

Kabesa rixu. Minin, bu ten kabesa rixu/riju! (mininu ki ka ta obi keta...)

Kabesa sima tarara di buru. Kabesa grandi.

Kabesa stragadu. Ki dexa di faze se obrigason sosial.

Kabesa sutedu. Kenha ki ten bes/rikeza... garanti se sustentu pa tudu tenpu. Argen popadu.

Kabesa tontu. Kenha ki e kuzi dodu... kenha ki ta da el ta fika sen nada.

Kabesa trapadjadu (pensamentu dizorganizadu)/ trapadja kabesa (ngravida dentu kaza di pai ku mai)

Kabesa trokadu. Obi e faze kel kuza ki algen konvese-l pa el faze.

kabesa-l bentu. Ken ki ka ten nada na kabesa... ka ta pensa...

Kabesa-l dodu.

Kabesa-l mininu (konportamentu di mininu/ ki ta pensa sima mininu)

Kabesa-l txeia. (primeru agu di txuba ki ta txiga mar ora ki txuba txobe)

Liga kabesa. Kenha ki ta kuida di se pesoa.

Kabesa ruspetadu!

27.10.10

Skreber kriolu, laxi!

"(...)
Partisipantis e unanimamanti di opiniaun ma kel ivéntu foi sinplismenti bestial. Es gosta tantu ki es y pidi organizadoris pa kuntinua ku ivéntu di es tipu, pélu ménus un bes pa mês. Organizadoris reaji y fla-s ma es e ponta-pé di saida di un dinámika kultural fórti ki kumesa onti na Ká Moga na Brockton y ki ta kuntinua na otus lugaris undi ki ten kabuverdianus y ki ta ben kulmina na un méga ivéntu kultural, ku pélu menus 290 algen, sugundu palavras di ativista kumunitariu y enprezáriu Tony Lopes. Algen txiga di fla ma es e só prinsipi di un STRIBILIN di iventu kultural ki ta ben kontisi na Mérka na un prósimu futuru. Algen ventila ideia di djunta útil ku agradável y promove un Konkursu Pa Prémiu Eugenio Tavares – USA pa distingi y omenajeia midjór puema ou próza; midjór anedóta, advinha, ó kebra kabésa, midjór létra di múzika, etc. Nu ta aproveita pa lenbra ma Eugenio Tavares (1867 – 1930), é primeru puéta kriolista kabuverdianu, un grandi skritor, un di kes midjor konpozitor di nos mórna, jornalista, y vultu más altu ki nu ten na nos spétru kultural, susial y pulitiku. Es konkursu e talves un fórma di insentiva múzikus, puétas, skritoris, etc, a skrebe na Kriolu pa nu promove y valoriza lingua kabuverdianu. (...)"
LI SIN, si bu kre mas

25.10.10

Bosis abri-m porta!

ANTI DI BU ROGA-M PRAGA ...

"odju na praga-l mar undi ninhun inbarkasãu ka ta pasa, ba konta sen saku di areia bu kunsa txiga na mi"

24.10.10

Lobo Antunes..

"O que é um bom leitor? É um leitor que fala para o livro.
Esse diálogo é silencioso. Não é silencioso, está cheio de gritos.
Mas são gritos interiores, entre o leitor e o livro. Como é que o escritor recebe esse eco? Há muitos que me escrevem. E não só leitores. O Christian Bourgois editor francês da obra de Lobo Antunes, com quem não falava de livros, escreveu-me uma carta, antes de morrer, em que diz: "Tu és meu irmão e não há escritor no mundo que admire tanto." Nunca me tinha dito isto. Era um homem que parecia seco, mas por baixo dessa frieza aparente havia um calor humano extraordinário. Portou-se com uma grande coragem durante o cancro, sabendo que ia morrer. Eu disse à mulher, a Dominique, que é quem dirige agora a editora: "O teu marido portou-se com imensa coragem." Ela respondeu-me: "Não é coragem, é elegância." "

Para Ler tudo, AQUI

23.10.10

Tradusão: di kriolu pa Purtuges

"A minha formação mental não está feita para escrever em crioulo. Eu falo crioulo, obviamente!
 Germano Almeida.

Tradusãu – traduson – tradusan - tredusãu...

Tradução significa “operação que consiste em fazer passar um enunciado emitido numa determinada língua (língua-fonte) para o equivalente em outra língua (língua-alvo), ambas conhecidas pelo tradutor; assim, o termo ou discurso original torna-se compreensível para alguém que desconhece a língua de origem.” (Dicionário Houaiss).

Podemos afirmar que Traduzir uma frase do Crioulo para a Língua portuguesa não está ao alcance de todos os falantes Caboverdianos alfabetizados em português. E não está, até para “os especialistas” que nessa actividade se descuidam.

1. «“N te despertidarizó-b” (SV), (Port: eu te despartidarizo”).» ("te" está para "ta" em VS)

No “nosso português” deveria ser “Eu despartidarizo-te." (…houvesse o verbo despartidarizar em LP...).

2. « “No/nu sta bai relansá-l di nobu na pulítika (ST), (Port: nós vamos relançar-lhe na política novamente”)»

No “nosso português” deveria ser “? nós vamos relançar-lhe na política” já que relançar significa lançar de novo. O pleonasmo aqui nos parece (des)necessário? Tanto em Crioulo(?) como em português. (NB: não se quer discutir a gramaticalidade da frase).

3. « “el ta kriolá demás” (SV), (Port: ele gosta muito de falar crioulo”)»

“el ta kriolá demás” - esta frase, traduzida para a LP, destituída do seu contexto discursivo, não nos permite aferir uma tradução adequada. Apesar disso, quiséssemos retraduzir a frase dada, ele gosta muito de falar crioulo, em 3, de Port: para o Crioulo seria: el ta gosta txeu di papia/fala kriolu. /el ta gostá mute di papiá/falá kriol(u). Não conseguimos descortinar "kriolá" com sentido "gostar falar muito", mas...

No “nosso português” deveria ser “ele criouliza demais”; para significar “apetite fácil” em tornar Crioulo em termos estruturais, fonéticos, morfológicos etc. muitas das palavras e expressões da Língua portuguesa, porque não de outras(?), em detrimento das palavras e expressões vernáculas do Crioulo… Se esse “apetite” continuar a fazer escola, certamente não mesteremos alupec/AK!

Ainda, sobre a frase 3., se admitirmos, por hipótese, que “Kriolá” é uma forma verbal, (de kriolu) formada por um processo derivacional na na língua-fonte, o sentido seria o de “prática de acção de… tornar…”; pudesse vir a ser aportuguesada como verbo “*crio(u)lar = Crio(u)l(o)+ar ou ainda = *acrioular= a+ crioul+ar ”, fazendo paralelismo com aportuguesar (tornar português) será sempre uma forma verbal. – Bu/bo sta krioliza/kriola dimas.  "Estás a crioulizar demais".

O Dicionário HOUAISS não tem a entrada crioular,mas regista Crioulização para significar “processo pelo qual um pidgin se expande e se torna linguisticamente mais complexo, tornando-se a língua materna de determinada comunidade.” Ainda não aceita *crioulizar (crioulo + -izar + -ção). Embora seja seguro que a palavra Crioulização deriva de *crioulizar.
O enriquecimento lexical da Língua Caboverdiana deverá e poderá ser feito, sempre que possível, nos limites da nossa Língua, obedecendo às regras internas cristalizadas no crioulo de Cabo Verde.

21.10.10

Kuze ki bu fla/fra/dize?

-Livru sobri Kriolu di Bazi Leksikal Portuges, kazu di Kriolu di Kabu Verdi.

Sobri nos Lingua, pa nu ten mas un opiniãu, bale pena nu ler kuza ki Dotor Carlos Delgado dja pubrika nes livru li (klika na imaji pa omenta!). Ler un txos na sugundu imaji...

Nes mumentu di lansamentu, presu e 1 kafanhotu. Prubeta!





20.10.10

Antan, e ka mintida

"pessoalmente não tenho nenhum papel para o crioulo na minha vida de escritor, não pretendo sequer alguma vez vir a escrever em crioulo. A minha formação mental não está feita para escrever em crioulo. Eu falo crioulo, obviamente. Eu sei falar crioulo."

Germano Almeida, escritor Caboverdiano


Ei, e nho la, ka nho konfundi alfabetu kabuverdianu ku Lingua kriolu.

Pa nho li, omesmu kuza, ka nho konfundi skrebe na purtuges ku Lingua Purtuges.

Antan, e lingua ki ta paseia kultura o e kultura ki ta bentia Lingua?

19.10.10

Crioulo e Alupec/AC

O Escritor Germano Almeida e o Crioulo de Cabo Verde,

Fotografia publicada no A Semana


Desgravação de uma parte da entrevista dada pelo Escritor GA ao programa "A Entrevista"  da TCV, dia??? Sem comentários!!!

ab: …mas o senhor escreve exclusivamente em português_ porquê?

ga: pois uma boa pergunta_ o senhor escreve exclusivamente em português_ digamos_ eu desde sempre fui à escola_ comecei a estudar em português_ _ na minha casa nós falávamos indiferentemente em crioulo e em português_ _ a minha mãe só falava crioulo e o meu pai só falava em português_ _ mas quando fui para escola_ digamos_ comecei a ser alfabetizado em português_ todos os livros que eu li foram em português_ _ agora_ só pós-independência que eu encontrei um ou outro livro em crioulo_ _ bom_ ah_ eu não sinto de forma alguma que eu sou menos caboverdiano pelo facto de usar a língua portuguesa_ antes pelo contrário_ eu penso que a língua portuguesa é tão dos portugueses como nossa_ _

ab: mas que função reserva ao crioulo na sua vida de escritor caboverdiano?

ga: pessoalmente não tenho nenhum papel para o crioulo na minha vida de escritor_ não pretendo sequer alguma vez vir a escrever em crioulo_ _ a minha formação mental não está feita para escrever em crioulo_ _ eu falo crioulo obviamente_ _ eu sei falar crioulo_ _ ah_ eu como é que eu hei-de dizer_ os meus filhos falam crioulo_ aliás falam crioulo_ falam português indiferentemente_ evidentemente conforme lhes dão na cabeça_ e conforme desejam_ _ uma coisa que eu insisto com eles_ que eu quero que eles façam_ que aprendam bem o português_ porque o português_ queiramos ou não_ é a língua que nos põem em contacto com o mundo_ _ o crioulo é muito importante_ põem-nos em contacto com os caboverdianos_ _ ah e a língua portuguesa que nos põem em contacto_ é através da língua portuguesa que nós vamos ter acesso ao conhecimento_ não há livros em crioulo_ _ há povos que nos devemos seguir_ como exemplo_ por exemplo_ eu tenho um exemplo da catalunha_ em espanha_ que até ao franquismo_ falar catalão era uma afirmação de personalidade nacional_ afirmação de identidade_ era proibido_ mas eles insistiam_ os pais levavam os filhos a falar catalão_ mas entrado em regime democrático_ catalão virou língua oficial_ so que eles constatam uma coisa_ nós aprendemos catalão_ mas depois não temos bibliografia em catalão para estudarmos_ então o importante é estudar o espanhol_ portanto castelhano_ para podermos ter acesso à bibliografia_ _ ninguém estava a pôr em causa de facto o catalão_ so que efectivamente dominar o espanhol_ o castelhano_ como eles dizem_ é que lhes dá acesso às mais diversas bibliografias_ porque é a língua em que se formou a coisa_ _ é neste sentido_ _ _

ab: mas também o crioulo é uma questão de identidade cultural_ caboverdiana_ _ _

ga: mas não está em causa_ não está em causa por nenhum de nós_ todos nós falamos crioulo_ _ _

ab: pois_ mas do seu ponto de vista haveria alguma mais valia em crioulo passar a ser mais escrito_ _ _ mais escrito como é falado_ _ _

ga: haveria mais-valia se nós pudéssemos… para já não temos ainda um crioulo_ para dizer que vamos usar este tipo de crioulo_ _ esse crioulo indiferente de usar_ quem fala em santiago_ escreve o crioulo de santiago_ quem fala em são vicente escreve o crioulo de são vicente_ quem escreve em boa vista escreve o crioulo de boa vista_ _ _ não se escreve em parte nenhuma_ _ nos precisávamos ter_ digamos_ um crioulo padrão_ _

ab: mas quer dizer que o alupec não serviu para padronizar esta_ _ _

ga: pelo que se viu_ _ _ houve tanta contestação ao alupec_ que pelo que se viu_ é que de facto não terá servido_ _

ab: houve muita contestação_ mas não houve se calhar alternativas_ méis de melhorar_ _ _

ga: não_ _ há uma questão que quem… nós estamos a querer forçar uma questão inútil_ _ [acha que não é preciso oficializar o crioulo] deixemos_ deixemos o tempo funcionar_ _ _ o tempo vai dizer-nos_ repare_ repare numa coisa muito simples_ _ neste momento quase já temos um crioulo em cabo verde_ a partir da independência a esta parte_ antigamente atá a independência nós tínhamos o crioulo da boa vista_ crioulo de santiago_ crioulo de são vicente_ todos separados uns dos outros_ _ e _ havia sempre contestação quando se ia à rádio_ estão a falar crioulo de santiago e não de são vicente_ _ agora_ já não tanto_ _ porquê_ _ porque o crioulo começa_ digamos_ a ganhar unidade_ deixemos que o crioulo ganhe unidade_ deixemos que o alupec funcione_ _ não precisamos forçar_ porque o crioulo está?? aqui para durar_ _ se há coisa que não está em cabo verde em causa é o crioulo_ _

ab: mas o que é que pensa do crioulo ser ensinado antes de se unificar_ _ _

ga: não tenho nada contra_ _ agora_ _ _

ab: mas nós temos o português como língua oficial_ mas também temos as mesmas dificuldades_ ou ainda mais_ _ _

ga: não_ temos uma coisa simples_ _ temos livros em português_ _ temos livros em crioulo?

ab: sim_ _ mas nem por isso_ ah_ as pessoas falam o português_ _ _ melhor_ _ _

ga: não_ _ a questão é a seguinte_ _ _ nós estamos em condições para alfabetizar a nossa gente em crioulo? temos condições económicas? não temos_ _ _ nós não temos livros em crioulo_ _ como é que nós vamos alfabetizaras pessoas em crioulo_ sem livros? usando livros em português? vamos pedir alguém do exterior_ de um país qualquer que nos financie para arranjar livros_ manuais em crioulo? eles dizem não_ _ se for em francês_ se for em inglês_ se for em português está muito bem_ agora_ em crioulo não_ _ (…)

18.10.10

Fidju-l kreki...

Fidju kreki ! (ver significado final de pag.)
Fidju kreki é igual a  Fidjul crequi  e é igual a Fidju-l kreki... diferença está na só na grafia! 

A ma, ki dia ki "grafia" e Lingua?

[Ƞɐ‘kazɐtɐfikɐlɐ’ribaku’tɛlulɐ] certamente seria assim: nha casa ta fica la riba cutelo la.

- Bu s(t)a stranha-m? Diskansa, Fidju-l kreki ka ten mas!!!!

Para a dignificação da nossa Língua Materna não “mestemos matar nos storia!”

Porque não…?
Porque sim…?
Porque somos a favor da Oficialização da Língua Cabo-verdiana ... Escrever Crioulo... “aceitabilidade do alfabeto etimológico, sistematicidade do alfabeto fonológico”…

“A proposta de Alfabeto para a Escrita Unificada do Cabo-verdiano (em rodapé: os termos Cabo-verdiano e Crioulo têm, neste documento, o mesmo significado) parte do pressuposto de vária ordem, como sejam: a história da escrita em Cabo Verde e os aspectos linguísticos e sócio-linguísticos de que se reveste a prática havida e vivida. In: Propostas de Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Cabo-verdiano. P.29 (doravante, PROPOSTAS.)
“o edifício de formatos e tamanhos variados, quase sempre destinado à habitação.” …Chama-se?... [‘kazɐ].
Um falante crioulo pode produzir o termo como:
1. [‘kazɐ];
2.[‘kasɐ];
3. [‘kaza]
4. [ka].

Kaza na frase pode colocar problemas de compreensão:
a) Nu bai ka nha Maria.
b) Nu bai kaza nha Maria;
c) * Nu bai kaza-l nha Maria;
d) *Nu bai ka di nha Maria.

? A agramaticalidade das frase c) e d). É uma hipótese, ninguém produz frases do género no seu quotidiano. Se não as produz não as escreve.

Kada Lingua Nasional debe ten se propi ALFABETU...

Ética do Linguísta

Funcionalidade social (=funcionalidade utilitária): “Do ponto de vista social, diz-se que um alfabeto é funcional quando o mesmo é aceite e é utilizado por uma determinada comunidade linguística, à escala nacional, e em todos os níveis de comunicação escrita.” (In: PROPOSTA, P.159.).
(...)
Para que um alfabeto seja funcional, sociolinguisticamente falando, torna-se necessário não só que os utentes o aceitem, mas também que sejam capazes de interiorizar o seu carácter pertinente e distintivo. Não basta, pois, aceitar a convenção, é mister assumir a função." (In: PROPOSTA, P.159.)

- E ka pa ntende, nau!

1.“O alfabeto fonológico é linguisticamente funcional, mas, muitas vezes, falta-lhe funcionalidade social, ou seja a sua aceitabilidade pela comunidade…” (PROPOSTA 160-161).

2. “o alfabeto etimológico é por todos ou quase todos aceite, a força da sua convenção é a sua legitimidade. Deste modo, se uma comunidade optar pelo padrão etimológico, ela está no seu direito.” (In: PROPOSTA, P 159).
(...)

... criar as condições… informar, formar e educar as nossas CRIANÇAS para a valorização da nossa identidade … a língua que é FALADA (um crioulo) é o expoente máximo.

 Enquanto isto, continua, mas e sima panha agu ku bindi o tente mindju na balai furadu.
-Antan, gosin e BIBE di KATXO!

(Filho de creio que.../creio que é filho de… Diz-se: - fidju-l kreki! quando não se tem a certeza de quem é pai de… filho que não é reconhecido oficial e publicamente pelo pai que se quer biológico. (…) nos dias de hoje, a lei não aceita registo de “filho de pai incógnito”.