31.12.09

Diskursu Prizidensial 2009 -2010


- Dja Nho Le? ... Dja Nho kaba?!! Antan, Baleu pena leitura des diskursu di nos prezidenti di Republika?
- Sin. El Sta-m dentu nha sal.
- Ah, mi go...
- Aaaaaaaaaaaaah!!!! Nãu!? Pamodi?!
- Eh.... Aaah...
- Artu la!... Dja du sabe. Nho ka meste po kel disku!

30.12.09

Badiupek Nasional: papia i skrebe


Ora ki asuntu e LKv N ta pidi sklaresimentu a... kumenta kumentariu!

Kriolista Ku K di King, Nho ten razan nes kumentariu. Ma… N ta da Nho “feedback” , nes asuntu di LKv arguns kumentadoris (i diputadus tanbe) o es sa ta konfundi ofisializasan di LKv ku ofisializasan di skrita di LKv o pior, es sa ta finji ka ntende, ka sabe ma normalizasan di SKRITA i LEITURA i etc. e tradisionalmenti nxinadu-aprendidu na skola. E SKOLA ki ten es papel di Alfabetiza. Alfabetiza signifika nxina un argen le ku skrebe (alfabetiza ka signifika nxina papia. E ka si me?). Purtantu, e analfabetu kenha ki ka sabe “ler-escrever”. Enbora e mas natural ki karkel argen ki ta papia, naturalmenti se LM te 5-6 anu i dispos el ta bai skola di se pais pa prende skrebe-l i ler el. Ora, na Republika di Kabuverdi e si: nu ta papia LKv na kaza i na kumunidadi ma du ta alfabetizadu na skola na Lingua portuges, lingua ki du ka ta papia. Nu meste fra ma na nos skola di Kv du ka ta enxinadu papia purtuges! - Sta klaru ki nxina le e ka nxina papia. Tanbe e konsideradu alfabetizadu kel argen ki ka sabe skrebe se lingua-maternu desdi ki el sabe le i skrebe un o mas Lingua-natural.
E injustu pensa ma un alfabetizadu na purtuges o na otu lingua karkel e altamenti konpitenti na skrebe LKv ki el ta papia. Mintida. Skrebe, ora ki e pa otus argen ler ten di ten regras intelijiveis i partilhadu dentu di komunidadi linguistika. Purtantu, si nu kre ten skrebedoris i leitoris di LKv Skolas di Kabuverdi ten di kumensa ta nxina LKv. Nu entantu, e prisizu ki nu toma konxenxa, a partida, ki leba ensinu di LKv pa sistema di ensinu-aprendizaji ta ben ten se propi prusesu i el ta dura... mas ten tenpu!

Di favor, ka konfundi papia ku skrebe. Dja izisti bazi pa skrita di LKv ofisializadu en forma di dikretu-lei pa tudu alfabetizadu na purtuges kumensa ta skrebe son di se propi fala kriolu, istu e, si na Musteru un nativu ta fra-kunprimenta kel otu, logu di pramanhan sedu di di 1 di Janeru, ku un “deus txiga-nu otu anu… ” e ka pa signifika “filis anu nobu”. Sertu? E sertu sin. “Deus txiga-nu otu anu…” e pa signifika speransa ki na anu ki ta ben, nos dos : “deus txiga-NU otu anu ku bida ku saudi sima dia di oji ku pas ku gostu i ku alegria (Rasposta: AMEN!) diferenti di fra “Filis anu nobu” ki tanbe ta fradu (undi rasposta e: OBRIGADU! O e FELIS ANU NOBU! Pa bo tanbe.) Es e un pusibilidadi entri montis otu...

N sta sertu ki “xoti” ka ta skrebe kriolu sima ki el ta papia-l. Alias “xoti” ka ten ki sabe skrebe kurretamenti na LKv pamodi e ka nxinadu skrebe na LKv. "Xoti" sa ta kre skrebe LKv di se alta kriasan...  ki fari traduzi pa LKv kes “pensamentu-lingua” ki sta dja apuradu na "krioles" o na purtuges,  o te na marikanu… logu e un violensia obriga “xoti” skrebe na LKv ki inda ka ten regras preskritivas anplamenti sosializadu.

Ora ki King ta skrebe “N ka konxe ninhun lei ou instruméntu jurídiku ki ta obriga un kabuverdianu a exkluzivamenti kumunika só na varianti di zóna undi el nase.” King ta kontraria propi kuza ki el skrebe ( frazi sitadu) pamode, entri izenplus ki el da, mas mi N ta pega so na kes dos prumeru li:  “1) Na Kemada Gintxu ka ta fladu pa u quim sabe. Ta fladu y ta skrebedu: pa kel ki N sabê ó pa kuza ki N sabê 2) Na Kemada Gintxu ka ta fladu sera qui el sta cu brigonha di nos criolu.Ta fladu y ta skrebedu: kreki el tenê brigónha di nos Kriolu ó mastâ el tene brigónha di nos Kriolu ó el talves el tene brigónha di nos Kriolu”, pa N fra: 1- Si ka ta frada, a partir di mumentu ki un falanti fra-l, el ta pasa ta fradu. 2. Skrebedu, dispos di skrebedu dja sta skrebedu, so du pode fra ma kel kuza ki foi skrebedu ka sta di akordu ku bazis-regras alupekianas.
I pa N deduzi: a) es “xoti” ta papia mas di ki un varianti di LKv i talves te el ta papia/skrebe portuges. I, so pur isu ki skrita di kuza ki el ta pensa i el ta fra (skrebe) pode sta kontaminadu pa mas di ki un varianti; b) “xoti” ka skodje “skrebe” ku kudadu nesesariu apenas varianti di Kemada Gintxu, mas sin skrebe kuza ki el pode fra na kel kontestu di "konbersu". I mas “xoti” ka sabe skrebe i e ka nxinadu skrebe LKv sugundu bazis di alfabetu kabuverdianu. Alinia a) ta fla ma “xoti” tenta skrebe kel kuza ki el ta fra o ki el kre fra na un o otu varianti di LKv, purtantu lejitimu. E ilijitimu obriga “xoti” un omi di Kemada Gintxu, alfabetizadu nun lingua ki e ka LKv, ki na se diskursu oral el ta pronunsia, pur izenplu, ben fra-m li si argun di nhos sabe …” ma na ta skrebe ten di ser a “badiupek” “ben fla-m li si algun di nhoris li sabi” ; alinia b) ta fla ma nu ka debe pensa na argun “xoti” ki ta papia se varianti, di Kemada Gintxu o na, ma ku ofisializasan di LKv sa ta ben ser obrigadu skrebe palavra-frazi-spreson ki el ka ta uza na se kumunidadi. Alfabetu Kauverdianu e un konjuntu di letras ki ta da korpu "forma visível" a kes kuza ki nu ta pensa e ki nu ta kre fra atraves di skrita. E so kel li!
PS. Bazis di Alfabetu Kabuverdianu e pa mostra, indika, manera, modi, e kumode ki du debe skrebe, enkuantu alfabetizadus na purtuges, kriolu ki nu ta papia... nu bai ta sosializa!

25.12.09

Si kriolu e bunitu go...

- E tementi du kre...

- Ken ki ta nprenha pa obibu ta pari pa boka!

20.12.09

Vokabulariu : kanpu leksikal

Kanba, v. 1. Entra. Disaparse. El kanba tras di paredi dja ten kuazi tres ora, inda el ka parse. El kanba dentu kasa el fitxa porta 2. Ba, el kanba na skina gosi li. 3. Ngatxa. El kanba baxu kel ponti la.

Po (i), v.1. koloka. el tra saku di simentu di karu el po rumadu na txon. 2. Mete, el po karta na kureiu.

Mete, v. 1. Po(i). 2. El mete se kabesa na primeru di tudu. 3. Ka nhos mete nes asuntu, pamo es e di nos dos! 4. Kanba, kel mininu dja mete kaneka dentul poti.

Txuki, v. 1. Po. 2. El manda-m txuki. 2. Entra, el pidi-m pa N txuki.

Ruki, v. 1. Mete ku forsa ou a forsa. Es briga el ruki-l dedu na odju. 2. Ngana, el ruki-m dedu na odju, e ba se kaminhu. 3. Faze entra ku forsa. Kantu N da konta dja el rukiba mi el dja, N xinti ta dismaia. Nada N ka podeba faze.

Soti, v.
Lufi, v.
lakoti, v. 1. mete e grabata (garbata)

19.12.09

Klaru ki Outras respostas "haverão"


"O que aconteceu ao ensino da Língua portuguesa em Cabo Verde? Onde param os bons professores desta disciplina com o saber e o saber fazer pedagogicamente afinados, com objectivos a cumprir, com um excelente domínio da língua veicular, com brio na didáctica a seguir na disciplina durante o ano lectivo e finalmente com a convicção firmada de que o fundamental é chegar ao fim do ano escolar com os seus alunos a gostarem da disciplina, a falarem e a escreverem adequadamente o português?
Onde ficou o ensino e o consequente conhecimento das regras gramaticais? Porque é que actualmente o aluno cabo-verdiano (excepções haverá certamente) é tão mal – sucedido em termos de aproveitamento universitário em universidades portuguesas e brasileiras? Exactamente por causa do não domínio da língua portuguesa. Quando no nosso tempo (no meu tempo e antes dele) era exactamente o contrário. Deste mal gravíssimo não padecia o aluno universitário cabo-verdiano. Nem o aluno universitário, nem o funcionário público cabo-verdiano. Estes perfis nacionais falavam e escreviam correctamente a língua veicular e oficial do país.
Porque será que o nosso jovem emigrante em Portugal (onde está a maior comunidade cabo-verdiana emigrada na Europa) tem dificuldade em concorrer a empregos com emigrantes angolanos e brasileiros? A razão é porque fala mal ou não domina o português. (...)".

Cabeças de Bento Oliverira ... i.gallery

Entrada, Portal da Porta. Permitida a Penetração de Cabeças... hoje no i.gallery.

10.12.09

Napoleão... Ku kuma Tota na meiu

Tradusãu di orijinal ki sta lisin.

- NHA KUMA UUU!
Konbersu sabidu e na linha i tradisãu di terra; simentera di Nho Pedro Cardoso ki ta sirbi-nu pa tudu tenpu di azagua. Ai si du dixa simentera kaba… es e un pasaji ki pasa na Fogu, na kel tenpu ki ka tenba tilifoni. Tota era un sinhora ki ta bendeba i se kaza era abertu 24 ora. Mudje di povu i pa povu.

Nho Djon – Oh Nha Kumaaa! Kumaaa, uuuu!
Parbedja - Oooi, Kunpa Nho Djon, e kuze?
Nho Djon – Nha ka pode fra-m si nha sta ben di Ka Tota, pa N pode ba la retu paga nha Konta?
Parbedja – Nho torna fra pamode N obi-l trapadjadu...
Nho Djon – Nha ka pode fra-m si nha sta ben di ka Tota?
Parbedja - Nha minis i nha Maria, nhos serbi-m tistemunha, pamo kumpa dja farta-m ruspetu na frente nhos tudu.

Ah ka di re e e e e! Mi kumpa dja fronta-m ku nha maridu i ku tudu mundu. Kuze ki N ta faze, mamaaa?!
Bandurria pa sin sin, nau! Nhos serbi-m tistimunha pamo dja N funda Bila pa N mostra kumpa kantu N bale...

Trampolin tranka, Nho Djon fitxa porta, te ki kabu-xefri ben txiga.

Tudu prontu na trabunal, Juiz kumensa pa kexoza, na seginti ton: - Senhora Parbedja, o que é que a senhora ouviu da boca do senhor João?
Parbedja, tudu ngasgadu, ku tremura na kanela, splika tudu i tistemunha konfirma ma Nho Djon pergunta-l en vos altu i bon son, si, el, Parpedja, sta ta ben di ka Tota. Kes otu ki staba prizenti fika tudu ta kutxitxa, sinal di kre papia ma razan sta di ladu de Parbedja.

Obidu Parpedja, txiga bes de Nho Djon, el sta konfianti i ku se ar di sabedor. kantu Juis da-l palavra el pedi un kuadro pretu i un jis. Juis pargunta-l e pa ki? Antan, el insisti i dispos el manda da-l kuzas ki el pidi.
Anti di el papia, el skrebe na kuadru kuza ki el fra fra Parpedja: Nha ka pode fra-m si nha ben di ka Tota, pa N pode ba la retu paga nha konta? Dispos el le-l em vos artu, ta splika palavra pur palavra na se kontestu real, ku izenpru: si nha sta ben di ka Tota, pa mi i pa nos tudu ki ta papia na kriolu el ta signifika siguinti: Ben di ka Tota e mesmu ki fala si Nha sai de kaza di Tota, o antan, si Nha ben di kaza di Tota. "Ka", nes kontestu e abreviasãn di  palavra kaza. Exemplo: Ka Nhodiku signifika kaza di Nho Diku, asin komu ka Tota signifika kaza di Tota.
Kantu Nho Djon sinta splika se konbersu, juis, Parbedja i tudu argen fra: sin sinhor! Ago, du meste tra tudu argen ki ten nomi di Tota pa du po-s Taiota. Forti konfuzan na konbersa kriolu ora ki Tota sta na meiu.
Grasa tuma na trabunal, te ki juis manda da Nho Djon kondekorasãu di Doutor, HONORIS CAUSA.
Napoleão Andrade

PS: Nu skrebe es pasaji Napulioniku ku bazi na ortografia di alupek/ak, i nu da-l argun ar di Fogu... Nu ka pidi atorizasan... ma tanbe e ka tinha direitus rezervadu. 

6.12.09

MAS E FRUSTANTI....

RNCV,  otu bes, manha, dispos di 22 ora na "Espaço Público" ku  MC...
Leitoris ka bu perde es intrivista, so pamodi MC sta ben fra-nu, nos povu di Kabuverdi,  di kenha ki e responsabilidadi di es nãu-ofisializasãu di LKv nes legislatura, dja ki  el dja el fla kel li: " Ficaria muito mais satisfeito se isso acontecesse; mas por uma coisa que não tenho responsabilidade não posso sentir-me frustrado".  Ora, nos nu pode sta di akordu ku Nho, Sinhor Ministru. Nho ka ten ki xinti FRUSTRADU. Ago, Nho fla-nu modi ki Nho sta xinti dianti di es faktu: Lingua Kabuverdianu ka foi ofisializadu sima ki nu staba ta preve... enkuantu responsavel pa pasta di MC i konsekentementi responsavel pa implementasão di un pulitika linguistika a nivel nasional.
Stadu kria alguns kondisõis. Resta faze un balansu pa sabe si foi sufisiente pa ofisializa LKv.
Grupu parlamentar di mpd vota abstensãu pamodi...  apezar di, sigundu un diputadu di paicv fla, i ku monti di razãu... "primeru kuza ki N kre fla_ na numuru dos, kel omi di lei ki skrebe Stadu ta promove kondisõis pa ofisializasãu di kriolu_ nen el e ka sabe ki kondisõis_ _e po-l li_ _". Mas nos nu debeba djobe sabe ki kondisões pa implementa-s!?
Ami i otus pesoa ki sta mas o menus sklaresidu, anos nu sabe ma Lingua Kabuverdianu ta kumesa ta morre dia ki nu dixa di papia-l, nu dixa di kanta-l i nu dixa di odja-l na nos forma di konporta i sta peranti kel ke stranjeru... nu sa ta faze tudu pa ki nos lingua kontinua bibu sobritudu na nos Txon. Kenha ki e kontra ofisializasãu di LKv so e Kontra pamodi e ka sabe kuze ki signifika ofisializasãu di un Lingua, inda mas Nasional (o e ka kre. Ka kre ka meste argumentu).
Postu isu, nu ta dixa es purgunta di refleksãu li:
I kuze ki Nho, enkuantu M de C, sa ta pretende faze konkretamenti pa ki na prosimu revizãu konstitusional mpd i o otu partidu ku asentu parlamentar vota a favor di ofisializasão da LKv?

Ultimu Revoluson na Ortografia di Fala-Pensamentu

"Dinis Manuel Alves, rsponsvel pl licnciatr em Kmunikçao Scial d Institt Miguel Torga, d Cbr

xmaram-lh Tecla 3? Tem td a rzao p fkar xtead. Ninguem gst d ser trtado d atrsdo mntal. S ta c a snsçao d q lh ta a xkpar qlqr coisa, de, pf, 1 xpreitdl ao seu tel, q n serv apns p recbr e fzr xmads. DEF, as iniciais d deficnt, sao as letrs d tecla 3.
A nx lngua ta a mdar a 1 vlcidd vrtiginosa e o nv akrdo ortgrafk ta incnte. O klpdo dst rvolçao e o tel, + knkrtmnt as SMS, plavr hrmfrodt – a maior part ds pssoas atribui lh o sex fem (q vai bxcar a msg), ms o masc sria o + krect pq e a abrvtur d Srviç d Msgs Xcrits.
“A lei d - sforç e 1 mtor essncial d evlçao d lngua”, reknhec Dinis Manuel Alves, flh d 1 guindsteir d port d Lobito, ond nsceu ha 51 ans, e q agr e rspnsvel pl licnciatr em Kmunikçao Scial d Institt Miguel Torga, d Cbr.
A bem dzr, n e o rspnsvel pl licnciatr, pq as SMS e o Msn n são os unks agnts d mdanç d lngua. O “correctês” tb dá 1 ajda ao intrdzir nvs xpressoes: o 1º ciclo e a antig licnciatr mnguad pr Bolonha, o 2º ciclo rspondia pr mstrad e as kdeiras dao agr pl nom d “unidds krriklars” – dsignçao bem + xtensa e pmposa, a dmnstrar q os pdrinhs d plitikmnt krrect n acrtram a hora pl tmp d simplifikçao .
A ideia d trdzir Torga p lnguagm SMS tem n origem um incnte desbaf, prdzid numa aula pr Dinis, q e sr d 1 curriculum tao trepidnt e zigzagnte km se antevê tnham d ser tds nst frnétik e prigos séc XXI: fz Direit, foi dputad eleit pl PS, licnciou-s em Jrnalism e vagbndeou pl rádio (TSF), tv (TVI) e jrnais (Grande Reportagem, Tal & Qual, Jornal de Coimbra e Expresso), até deitr âncora n Univrsidd, doutrndo-s em Kmunikçao Social e fixnd-s km prof e invstigdor.
A lngua nunk e 1 qstão fexad. Ms tems d ter norms p nos entendrms”, diz Dinis, em jeit d preâmbulo ao desbfo d quem, km el, n ax graç ao dsleixo em curs n xcrit q n é propriedd privd ds alns - a cnfusão entr o s e o ç lvou Vara a xcrever “suspenção” e um jvem prof a dirigir-s, por xcrito, ao “Cncelh Científico”.
O baralhanço entr o verbo estar e ter – “eu tiv em Lndrs” - foi a mãe do desabafo: “Quem dá assim errs evia, d cstigo, tradzir p lnguagem SMS um diário inteiro d Torga!”.
2 alunas engrçaram k a ideia, puseram o dd n ar e iniciaram a empritda d tradção d 27.882 palavras (114.796 caracteres) d Diário XII de Torga, q viria a sr completd por 2 miúdas d 10º ano, 1 ds quais e a Mariana, a querida q qr sr bailarina e adaptou ist a msg de tlm.
Intrgvel, a plvra q Dinis arrnjou p carctrizar o resltdo final dest trablh, n s adequa, d mneira nnhuma ao mgnífico ntrecost, akmpnhdo por 1 arrzinho de fjão mlandro, q deitámos abaixo num rstaurante q estava cheio como um ovo - sáb e dia ds famílias irem almoçar fora.
O Diário XII fikou intragável em lnguagem SMS por q foi escrit num tmp em k’os pnteiros d relógio andavam + devagar e as professoras n eram tratadas por stôras. Tb seria intragável a visão d um Cavaco d brinco na orelha, calções à guna abaixo ds joelhos, All Stars roxas e k o nome Maria, em caracteres chineses (arranjados pelo Fernando Lima), tatuados n antbraç.
Mas, km ns avisou o Dylan, os tmps tao a mudar. 1 500 SMS pr semana sabem a pouco a 1 maioria d adlscntes qpreferem mandar mgs aos amigos d q tar a falar c eles d viva voz. Impregnada d oralidade, simplificada, enriquecida com smileys que snalizm o estd d spírit, a lnguagm usd n Twitter e SMS veio p ficar. O oprdor ing dot.mobile tradziu p lnguagm SMS as principais obras d litratur britnica.
“A sferografik Bic foi trokd pl tekld.N tard mt a ser prcis dar auls d kligrfia aos adolscnts” knkluiu Dinis, q fiko trist :( rsignd qnd soub q, n finl d 1 laut almç, tnh d emprrar o meu carro q fikra s btria. So fiko fliz :) qnd m viu pls kstas ;)"

2.12.09

Disse que...

"(...) Uma simples visita hoje a uma sala de professores em intervalos de aulas, de uma escola secundária do país, apercebemo-nos de que nem o professor de português já fala a língua veicular. Até se pode ouvir o francês e o inglês, por graça, entre os colegas do mesmo grupo, mas escutar a bela língua portuguesa? Não, não teremos esse gosto!
Ora é certo que o professor de português em Cabo Verde tem na verdade, em todo o lado um ambiente avesso, para não dizer hostil, à difusão, à socialização da língua veicular e oficial. (...)."
 
E agora, FAZER o quê?

30.11.09

Biaja Gossi...

Frazi

- Kuze ki bu sta djobe-m furtadu!

Planu Nasional pa Alfabetizasãu na Lingua Kabuverdianu...

Di fatu, es Suspense sobri (nãu) ofisializasãu di nos lingua-maternu sta dixa tudu kabuverdianu sintidu...
Bon, responsabilidadi e di AN i diputadus di opozisãu... Sta subentendidu ki paicv-governu faze tudu. Tudu go e kuze?
Ideia debeba ser ofisializa Lingua Kabuverdianu, i pontu final. Era pa ofisiliza lingua ki ta papiadu pa Kabuverdianus. Tudu kabuverdianu ta papia LKv. Repara, ago e ofisializa tudu varianti... mestedu mas splikason!
Si eufemismu tudu ben... Mas kantu funsionariu publiku ki ta skrebe Lkv? E klaru ki ka ta konta, pamodi es funsionariu ki nu ten oji ka prende skrebe LKv, ka enxinadu skrebe LKv, ka mandadu nen obrigadu skrebe Lkv - nen na se forma etimolojiku nen ku es nobu alfabetu.  Ta ben ten un gerasãu ki ta ben skrebe dokumentus ofisial na  LKv  ESKLUSIVAMENTI, ma ta DURA. I tudu nos sabe ma e sin i ki ten di ser asin. 
Ago, sen tuntunhimentu, Nu meste mas e un Planu nasional di alfabetizasãu na Lingua Kabuverdianu... Sta na Konstituisãu: " o Estado deve criar condições..."

28.11.09

Alunos falam crioulo nas aulas. Com quem?... E porque não? Esta realidade é... E eu não Sei!

A embaixadora de Portugal na cidade da Praia, Graça Guimarães, explica ao A Semana que a sua missão diplomática tem um programa a funcionar, onde são distribuídas por ano cinco bibliotecas, sendo que no total já foram entregues 22, entre bibliotecas municipais, delegações de Educação e ONG’s (Organizações Não Governamentais). “Em 2007, foram oferecidos 500 títulos à delegação de Educação de Santa Cruz. É mais sensato oferecer livros a uma delegação de Educação, onde todas as escolas têm acesso, que a uma escola, onde ficam limitados àqueles alunos”, defende a diplomata. Graça Guimarães reconhece que ainda nem todas as ilhas foram abrangidas com uma biblioteca, mas faz saber que o desejo é esse. “Temos de conseguir um equilíbrio entre as ilhas, as bibliotecas municipais e do Ministério da Educação e das ONG’s para chegar a todo o país, como é desejável”.

25.11.09

Fladu fla ma bu ka kre ALUPEC nem AK... enton...

tuma li nes kartovian di TACV un kalis di "merdonpec.cv" bu ta ri ba di kosta!

Brodias na AN & nós todos dengosos, sim, mas a custo ZERO...

od: (…) mais_ tecnicamente e cientificamente qualquer epidemia de dengue é evitada_ _ mais_ mais em abril de 2008_ _ em abril de 2009_ aliás organizamos aqui_ no parlamento um fórum sobre o sistema nacional de saúde e aqui uma das questões que foi colocada aqui a uma professora catedrática_ a uma das professoras catedráticas que esteve aqui foi a seguinte_ _a possibilidade de entrada de dengue em cabo verde _ e a professora respondeu_ _ dengue em cabo verde poderá ser uma questão de dias_ _ em abril de 2008_ na presença de responsáveis do ministério da saúde_ _ foi a resposta dita aqui_ _ mais se as autoridades caboverdianas tivessem tomado medidas_ de prevenção_ nos evitaríamos a epidemia de dengue em cabo verde_ logo o maior responsável é a fragilidade do nosso sistema nacional de saúde_ e fragilidade está no nosso sistema nacional de saúde_ _ e fragilidade está ligada ao sistema nacional de saúde e a politicas voltadas para a saúde _ se não vejamos_ _ primeira falta de autoridade é de facto negligência (…) inadequado programa de vigilância sanitária _ _ ou seja_ algumas medidas que o governo tomou depois da epidemia¬_ estar instalada_deviam ser tomadas antes_ e o senhor pm diz que nós tínhamos um programa de luta anti-vectorial no mês de maio_¬ um programa adequado_ não concordo consigo_ sabe quantas pessoas é que faziam parte de_ de brigada de luta contra anti-vectorial na delegacia de saúde da praia_ _ seis pessoas_ _ mal pagas_ não fiscalizadas_ não fiscalizadas_ não avaliadas_ não monitoradas _ _ e essa é uma das principais causas da entrada da epidemia da dengue em cabo verde (…)

br: (…) mas uma questão prévia que eu queria dizer que este seu ar professoral e catedrático não mete medo a ninguém_ desculpe-me_ esse seu ar professoral e catedrático não mete medo a ninguém_ _ e dizia-lhe o seguinte_ _ há pouco tempo eu e os meus colaboradores no ministério de saúde estivemos a discutir um _ um artigo seu_ algumas insuficiências do sistema nacional de saúde caboverdiano_ publicado no expresso das ilhas e a conclusão a que chegamos é que o senhor copiou muita coisa da política nacional de saúde_ não citou_ e depois tira determinadas conclusões _ quem fez isso não tem lição para me dar_ (…) mas eu queria lhe dizer_ por acaso o senhor convidou-me porque o ministério de saúde_ segundo o senhor me disse_ convidou-me_ era co-patrocinador dessa_ desse tal seminário que você fez cá_ e que eu estive com os brasileiros_ eu em momento algum ouvi essa palavra_ dias_ _ mas mais o senhor é i-rres-pon-sá-vel_ _ o senhor tem falta de solidariedade porque o senhor teve conhecimento_ de que um especialista nos disse que dengue era uma questão de dias_ a entrada em cabo verde e o senhor não me avisou_ o senhor não avisou aos seus colegas_ o senhor não alertou o país_ isso é de uma irresponsabilidade inqualificável_ _ (…)

od: eu podia ter invocado o cento e catorze_ porque o senhor ministro considerou-me irresponsável_ mas o senhor ministro perdeu completamente o controlo_ o senhor é que é irresponsável_ _ ou o senhor está a confundir-me consigo mesmo_ _ tenham respeito senhores _ _ quem é o ministro de saúde de cabo verde_ _ o senhor é que foi incapaz_ é incompetente_ é praticamente um analfabeto em saúde publica_ porque o senhor confunde indicador de saúde pública com saúde pública_ senhor ministro (…) mas mais quando aquele professor fez afirmação estava aqui_ estavam aqui responsáveis do ministério de saúde_ _ não sou o responsável pela política_ e nem sou eu que vou ensinar-lhe a governar¬ _ _ o senhor se não tem condições de não ser ministro que não esteja lá_ não é preciso que od dissesse ao senhor para tomar medidas em relação ah a epidemia_ _ o senhor é um irresponsável de facto_ _ mais o senhor sabe que há dados concretos em estabelecimentos até privados_ de prestação de cuidados de saúde que nos finais do mês de agosto já havia pessoas com suspeita de dengue em cabo verde_ o senhor foi alertado pelo seu serviço de epidemiologia_ na primeira semana de Outubro que estamos perante uma epidemia_ de uma epidemia de dengue_ o senhor em vez de alertar o país_ em vez de_ _ fez uma declaração ao país_ o senhor optou por mandar análises _ portanto elementos para analises em Dacar_ e so no dia vinte e dois é que o senhor veio declarar epidemia_ e mais o senhor nem tem competência e capacidade para aconselhar o senhor pm que no mesmo dia em que se declara a epidemia_ é no mesmo dia em que se deve pedir apoio internacional_ é no mesmo dia_ _ é no mesmo dia que se devia fazer a campanha de limpeza_ quando é que vieram fazer_ _ _ só a seis de Novembro_ vocês tiveram incompetência _ tiveram incapacidade_ em não evitar a epidemia_ _ (…)

br (…) que a dengue tenha chegado a cabo verde é uma realidade e está cá_ uma dolorosa e dramática realidade[…] que o tal professor tenha falado de dias_ eu tenho as minhas dúvidas_ porque o senhor esteve com eles no meu gabinete_ estivemos juntos_ não se esqueça_ e em momento nenhum isto nos foi dito_ nem pelos dois professores e nem por senhor_ em momento nenhum (…)

24.11.09

Bioku na AN... suspendemos a sessão...

"Pr: Senhor deputado aps_ deseja a palavra para_ _
Aps: Sinhora ministra bzotu ta arri fei!
senhor deputado_ _
[???] senhor presidente estava a fazer-me Bioku_ chamei-lhe atenção_ _ é para uma intervenção_ _ mas ela estava com uma cara muito feia_ realmente_ _
Pr: senhor deputado_ estamos na assembleia nacional_ não na_ _ na escolinha_ _
Aps: mas ela_ ela estava a fazer-me Bioku e com cara feia _ _
Pr: não estamos na escolinha_ _ senhores deputados_ _
Aps: mas ela estava a fazer-me de Bioku ao deputado_ e com cara feia_ _ _
Pr: suspendemos a sessão dos trabalhos por cinco minutos_ _"

23.11.09

Rabulisu na AN! ... N ta da-l ku kadera...

Si kriolu e bunitu go... E un Lingua ku adukason? Txeka li:

“(…) ultimu rekadu ki N kre da go e u siginti_ _ N kre papia di mural_ _ gosi mpd i alguns dirigeti sta moralizadu pamodi es sa ta presinti fin di siklu_ _ fin di siklu_ _ ma obi li_ _ kabritu mamador ta podu barbitxi_ i kes kabra ki tenvisiu na mama si kabesa ta podu kel kaneka na piskos pa el ka dobra piskos pa el mama si kabesa pa leiti resta pa kabritu_ _ ma pa resta pa fazi keju_ pa resta pa ikunumia di família_ pur konsiginti_ _ e asin_ _ konparasãu ku animal_ un animal dumestiku e un peso adi família [???] sinhor prizidenti e un peso adi família_ _ sobritudu un animal dumestiku na mundu rural _ _ sinhor deputado seja mais objectivo!]_ _ es kiston e di mural [?? fala di orsamentu! ] e di orsamentu propi ki N sta papia_ _ pamo pior prigu ki podi kontisi na kabuverdi_ pior ki krizi_ _ e si mpd algun bes_ _ bem nes sala aprizenta orsamentu purki e ta nhami dinheru_ e sabi rabenta dinheru_ _ dinheru ka ta para-l na si mo _ _ purtantu_ _ [??] e orsamentu ki N sta papia di el_ _ [??sinhor] e orsamentu sin [???] senhor deputado não tem a palavra [???]senhor deputado tem oportunidade de falar_ _ senhor deputado não tem a palavra_ _ _ eu peço_ _ eu peço ao senhor deputados que tenha modos_ _ senhor deputado JM_ _ [???] el kre kala-m _ _ [???] sin_ el kre kala-m _ _ [???] senhor deputado_ _ el kre kala-m _ _ sinhor prizidenti pa N dadji na el_ _ naaa_ não_ _ senhor deputado vamos ter modos_ _ N ta da-l ku kadera N ta sai di li_ _ _”

3 tipu di Bilingismu. kv

Kenha ki e ka bilingi.kv?
"A situação linguística em Cabo Verde, segundo um dos melhores conhecedores da cultura, história e enquadramento cultural do Arquipélago, em comunicação pessoal, pode sintetizar-se do seguinte modo: «O Cabo-verdiano é uma língua única com variantes. Começar-se-ia com um pidgin em que os africanos das nove ilhas falavam com os chefes. Actualmente perdeu sentido a distinção entre “crioulo velho/fundo” e “crioulo levinho”. No momento actual encontramos três tipos de situações:
i) bilinguismo total, em que os falantes percebem bem e exprimem-se bem nas duas línguas;
ii) bilinguismo parcial, em que os falantes percebem bem as duas línguas, mas exprimem-se bem em cabo-verdiano e mal em português;
iii) monolinguismo total, em que os falantes falam o cabo-verdiano e não percebem nem falam o português»."
Atensãu:  Bilingi e kel argen ki ta papia/fala dos o mas lingua (grau di bilinguismu izisti!).

22.11.09

... Senpri e midjor un rajada di AK na pe di ki un tirinhu na Kabesa...

A sigir sta un transkrisãu ortografiku di diskursu argumentativu di un diputadu ki ta justifika pamodi ki el e kontra kontra ofisializasãu di Lingua Kaubuverdianu:

(…) reconhecemos desde já_ a língua portuguesa preenche as condições para ser língua oficial e que o estado e outros actores _ além de se _ não se diz claramente:_ mas incumbe ao estado e aos outros actores certamente essa responsabilidade de oficializar a língua materna caboverdiana_ de forma que nós devemos ser objectivos e perguntarmos se na sociedade caboverdiana hoje_ neste momento em que estamos a falar se existem essas condições de oficialização_ colegas que me antecederam _ nomeadamente fd_ já se referiu a este aspecto_ em relação ao ensino_ o colega de ucide_ ad_ também falou claramente disso_ em relação ao ensino_ a forma _ nós pretendemos que a língua seja utilizada e parece-me_ se quisermos ser objectivos_ parece-me que não há condições para logo a seguir a revisão constitucional com a proposta dos deputados do paicv_ qualquer caboverdiano dizer a língua caboverdiana é oficial _ eu tenho o direito de usá-la na escola em todos os meios e de pedir também prestações necessárias do estado para esse efeito_ a partir dessa altura um aluno na escola tem o direito de usar a língua caboverdiana dentro da sala e tem o direito de exigir do estado que produza manuais escolares nesse sentido_ tem o direito de escrever a língua caboverdiana_ e não se coloca aqui por enquanto a questão do alupec_ tem o direito de exigir do estado os meios necessários para _ por exemplo_ numa intervenção pública_ não os alunos_ mas qualquer actor numa intervenção pública _ numa conferência que o estado promove as condições de interpretação__ parece-me se quisermos ser objectivos não estão reunidas _ a culpar o estado _ nem o governo_ nem a sociedade civil_ nem os intelectuais_ de mais ou menos craveira_ de mais ou menos crioulo_ estamos a constatar a realidade que não há condições para o fazermos_ _ em relação ao último comentário_ (…) em relação a aqueles que defendem que nos somos bilingues _ nos todos fazemos um esforço para falar a língua portuguesa_ somos de facto_ a nossa língua em que nos exprimimos com mestria é a língua caboverdiana _ o nosso querido crioulo_ não somos bilingues e devemos parecermos bilingues_ a verdadeira intervenção de que precisamos neste pais é em relação à língua portuguesa_ programas específicos de intervenção de intensificação de aprendizagem e de uso de língua portuguesa_ será uma mais valia de cabo verde no mundo_ estamos a dar um tiro no pé se pretendermos agora dizer que a língua caboverdiana é língua oficial_ _ prensamos aqui _ da parte dos deputados proponentes_ dos deputados do grupo parlamentar do mpd_ que a redacção actual levado a sério por todos_ não só o estado_ não só os governos_ não estou a falar deste governo_ não só os governos_ se tenhamos em conta_ aliás_ que o alupec enquanto alfabeto_ alfabeto provisório foi aprovado na legislatura_ há duas legislaturas_ por conseguinte alfabeto experimental_ não é este governo_ a nossa responsabilidade em relação ao futuro do país e que os governos_ a administração e apropria sociedade civil _ os intelectuais e os professores_ aquilo que todos devemos fazer_ _ ainda estamos muito longe de atingir a meta mínima_ não atingimos ainda os mínimos olímpicos em termos de utilização da língua materna caboverdiana_ as responsabilidades que vão impender sobre o estado são enormes_ se quisermos ser a sério pôr aqui_ tenhamos em conta como já disse_ refiro_ repetindo que amanhã logo após a revisão constitucional deste artigo_ com a formulação proposta pelos deputados do paicv_ pelos deputados proponentes do paicv_ com esta redacção _ amanhã nas escolas _ qualquer pai_ qualquer aluno terá o direito de exigir do estado a produção de manuais para a aprendizagem da língua portuguesa_ porque língua oficial sabemos o que é a língua oficial_ nos estamos aqui a reconhecer a língua oficial o português_ se acrescentarmos o caboverdiano_ ou a língua caboverdiana vamos ter dificuldades_ e vamos pôr a língua caboverdiana em apuros_ em vez de a salvar_ _ obrigado_ _
PS: Ago, si es diputadu, profisional di Pulitika, fazeba se trabadju di kaza: Pidiba ajuda a Linguistas, sertamenti el ta arranjaba argumentus socio-linguistikus ... a seriu ki tanbe izisti! Ago,txiga na pontu di fla ma "nós não somos bilingues_" !!! 

19.11.09

... Txeia ta kore e pa Mar! ... Injavozu? Miiii!... Nãu.

- Sera ki nos governantis e ka seguradu enkuantu GOVERNANTIS en funsãu?

Sabedu ma Txeia ta kore naturalmenti e pa mar, ma povu ora ki odja-l  ta grita senpri, i ku razãu, pa mas Barajen.
- Governantis meste manda faze mas baragen!
Mas mesmu asin, Txeia ta Kontinua ta Kore e so pa MAR... Es e un ditadu popular kriolu ki ta refleti i ben es atu Impar:
"A companhia Impar ofereceu um seguro de vida ao primeiro-ministro, José Maria Neves, esta quarta feira, no Mindelo. A seguradora atribuiu igual benesse à presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Isaura Gomes. (...).A cerimónia da entrega formal dos seguros a José Maria Neves e a Isaura Gomes foi rápida, pelo que eles só tiveram tempo para agradecer aos dirigentes da Impar."

Benesse o Publisidadi Impar? E PUBLISIDADI. Disionario di Academia de Ciências de Lisboa ta difini komu Benesse: "(...) 1. Tributo ou doação em dinheiro recebida pelos párocos. 2. Regalia, rendimento, lucro obetido sem esforço nem trabalho. 3. Favor, auxílio, ajuda. "
Era bon ki Jornal sklareseba djuntu di Impar, si es "benesse" e vitalisiu... Mas JMN i IG debeba ser rapidu na rakuzaba el, na midida ki es ka ten nesesidadi del.

16.11.09

N ka Skrebe nada sobri "Dengo" li...

Pamodi es blog sta sentradu na kestãu di LKv, mas N ten stadu atentu sobri kuzas ki nos responsavel di saudi ta tra di boka. Sima kel li:
“Entre alguns casos que apresentavam os dois sintomas, um deles foi confirmado, para além da dengue, com a Gripe A”, revela ao asemanaonline, Maria de Lurdes Monteiro. “A pessoa em causa, neste momento, encontra-se muito bem de saúde”, salienta.
Saber falar é... ansiar para acabar e dizer sempre está tudo sob control, ainda que descontroladamente!

13.11.09

Bo Noiti Sinhor Ministru... lingua Nasional debe ten kor di Bandera Nasional!

N atxa ma e interesanti faze transkrisãu ortografiku di kuzas ki dos linguistas dotoradus fla, na prugrama di RNCV, Diskursu Diretu, di ultima tersa-fera, dia 10 di nobenbru di 2009, pa nhas leitoris odja kalibri di studiozus di Lingua Nasional ki nu ten: dotoradus. Pa otu ladu, es transkrisãu e pa kenha ki ten interesi nes asuntu di lingua,  ki na tudu parti di mundu e pulemiku, ler i tra ses propi konkluzãu. Mas e pur ser pulemiku ki el debe ser tratadu ku pezinhus di lan tantu pa akademikus komu pa pulitikus, i inda pa tudu elite sosial kabuverdianu. Sen disprezu pamodi e sabidu ki na dimokrasia e u povu ken mais ordena!
“(…) boa noiti sinhor ministru_ kiria kunprimentar i agradeser pa es prugrama ah _ es prugrama e un oportunidadi ki foi dadu mim eh_ eh_ tanbe pa N da nha opiniãu sobre ofisializasãu di lingua kabuverdiana_ _ eh a dias_ mahah_ eh_ N movi deputadus di nasãu nalguma diskursãu sobri lingua_ah ofisializasãu di lingua kabuverdiana_ N kria manifesta nha profunda revolta falta_ fasi a politizasãu_ purtantu di un patrimoniu ki e di nos tudu_ sinseramenti N kata spera ki ah_ alguns parlamentaris_ eh pudesi faze determinadus afirmasõis ki faze relativamenti a tudu akilu_ purtantu a nos lingua kabuverdiana_ _ eh_ _ e evidenti ki eh_ kes kumentarius_ alguns kumentarius feita_ purtantu_ da ideia_ ker dizer di disvaloriza akil ki e nosu_ purtantu_ N ta pidi-s diskulpas_ ki ta da-m ideia _ purtantu_ di un neokolonizasãu eh eh di nega akilu ki e nos_ purtantu ki e nos patrimoniu_ e evidenti ki sinhor ministru ah_ enfin ten fetu alguns sforsu_ ma ta ah- purtantu n ta faze alguns kritikas purke eh ministeriu di kultura _ ka ta rakonhese_ purtantu alguns sientifikus fetu_ a muitus trabalhus sientifikus sobre u kriol_ sobri lingua kabuverdiana_ eh_ nes pais _ feitu pur ivestigadoris nasionais_ i e evidenti ki el i ten razãu alguns pisoas di zona di barlaventu ta kontinua_ Mi N ka_ min N ka ten e prublema purki pa mi tudu kabuverdianu e kabuverdianu_ _ i mi e dakes ate ki ta difende ki ofisializasãu da lingua kabuverdiana pasa purtantu pa ofisializasãu di uma unika varianti_ _ já ki e kestõis di variantis ka ta kolokadus uma vez ki tudu lingua_ komu dize sinhor ministru i muito ben_ eh tudu lingua e portadoris_ purtantu di varias variantis_ purtantu di diversas variantis_ ah_ agora_ ah_ so ki a alguma_ e verdadi ki a alguma_ i ministeriu ka ten fetu jestãu__ eh kureta des prosesu_ uma vez ki propiu ministeriu ka ta faze_ ta ignora linguistas di outras zonas _ pur izenplu_ si N per_ _ sinhor ministru ka sabe ma na zona di barlaventu ten pelu menus quatru linguistas_ studiozus en kriolus_ pur izenplu_ N pode dize-l asin_ ten trabalhus ji_ _ istraordinarius feita na zona di barlaventu ki e un kontribuisãu_ alias feitu_ txa-m txa di dize zona di barlaventu purki mi e kontra_ eh sigmentasãu na_ na lingua_ _ mi e kontra sigmentasãu di eh_ segmentasãu_ akilu até ki ki sinhor ministru ta difende_ purke kuandu sinhor ministru ta fala_ na ipotese di eh_ di skrita ser kumesadu pa kada ilha_ kumesa ku se varianti_ purki au fin au kabu un_ un eh_ un_ purtantu un stratejia ki ka ten solusãu sientifiku_ naturalmenti_ eh_ ah purtantu_ N ta dize ki mo kada _ nu ten eh_ eh_ eh_ eh valiozus trabalhus na kabu verdi_ ki siker ministeriu di kultura ta prokura sabe si ten es trabalhu o nau_ _ es e trabalhus ki efetivamenti tava daun kontribuisãu grandi_ ah_ ah sklaresimentu di nos lingua en termus sientifiku na kabu verdi_ _ [interonpidu pa Jornalista]



Ministru: primeiramenti_ purtantu_e pa publikamenti_ purtantu_ hun_ hun_ N parabeniza_ purtantu_ karlus delgadu ki kaba di aprizenta un tezi di dotoramentu_ ah_ na ária di linguistika_ purtantu ke li e muitu inportanti_ e si propi_ e ku es kontributu ki nu ta _ ki nu ta valoriza nos lingua_ karlus delgadu_ papia bom di politizasãu di_ di_ di lingua na parlamentu_ bom kel la_ kel la e prisizu papia ku deputadus_ purtantu pa fla ma kultura_ kultura ka debe ser objetu di pulitizasãu_ _ kultura o e debe ten_ o e ka ten kor pulitiku_ o e ten tudu kor_ kor di tudu partidu pulitiku_ purtantu kel la_ kel la ke nha_ ke nha eh nha_ ke nha puzisãu_ _ agora_ ak N kuza ki n ka ta konkorda ku karlus kel o ki e ta fla ma ministru di kultura ka ta rikonhesi investigadoris_ eh pratikamenti investigadoris di otus ilhas _ bom e ta fla-m_ pur iznplu ma: parse-m ma na santantãu ke fla_ N ka se si e na santantãu ou na parlamentu kel fla ma ki hi_ ki hi_ eh_ eh_ ministru di kultura ka konxi_ bom ministeriu di kultura pa konxe e prisizu ki_ ki linguistas li manifesta _ - karlus nu konxe-l pamodi e difendi un tezi di mestradu e publika_ nu fika ta konxe_ purtantu trabadju_ _ nu sabe tambe me_ me publika_ _ me kaba di difendi un tezi di dotoramentu ki inda e ka_ e ka publika_ ker dizer_ e prisizu ki nos nu konxi_ si nu ka konxe_ _ ken ki_ si nu ka konxe nu ka pode_ nu ka pode valoriza_ ma si nu konxe_ no s nu ten grandi interesi_ sobritudu na ária di barlaventu_ mi kantu N sabe ma karlus sa ta fazeba studu na ária di kriolu N fika kontenti purki varianti di santantan e un varianti muitu spesifiku_ e un varianti ki ta ah_ un bokadinhu_ _ enfin ki ten un_ _ un sistena propiu_ sistema funetiku_ sistema_ murfulojiku_ sistema murfulojiku eh_ eh_ eh_ _ propiu_ e mas ki nau sendu un algen di santantãu difisilmenti podi un trabadju sob_ _ mesmu sendu linguista e ta tenha difikuldadi_ ma sendu di santantãu e ten_ e ten kunhesimentus linguistikus e mutu mas fasi_ purtantu nos nu ta fika muitu kontenti_ mi N ta fika kontenti _ _ N ta pidi karlus ate ke pa_ ke pa mete ministeriu di kultura ku es_ ku es ah_ purki mi na barlaventu ki N sabe ma ta fazi studu di linguistaika e karlus i_ i otu e Dora piris na sãu visenti_ ki N sabe ma ta fazi_ N sabe ma ten tanbe un_ un_ un_ un stranjera_ N k asa ta lenbra se nomi_ _ _ dominiki_ _ ki tanbe ki ta preokupa_ nes mumentu li parse-m e sa ta faze ensinu_ mas e ten preokupadu Ku_ Ku faze studu na ária di_ na ária di_ di_ di varianti di kriolu di sãu visenti_ _ i ma tudu sta en kursu_ ker dizer_ mi N ta fika kontenti kel o ki N sabe ma ten otus individus ta faze trabadju_ _ si mi na nha_ na nha trabadju N ka sita kes linguistas li_ karlus_ pur izenplu_ dja N kostuma sita-l_ nha_ na trabalhus ki N ten stadu ta fazi_ ma pamodi se trabadju e di duminiu publiku_ ago_ si ten linguistas ki ka_ ki ka_ ki ka faze ku ki si trabadju ser konxedu_ _ bom la_ la dja nu ka ten es kulpa_ _ ke li e un kulpa ki karlus delgadu sa ta da-nu sen nu ten_ _ karlus ta difende purtantu skolha di un uniku varianti_ e_ e un puzisãu_ e un puzisãu_ _ nos nu ta atxa ma nu debi dexa ki padronizasãu ba ta da_ ba ta da_ _ to ki ten un_ un varianti di maior konsensu_ i ate la_ purtantu kriolu nu ta fla_ ma kriolu ki e lingua ofisial_ i não varianti a ou varianti b_ _ bon kel o ki e ta kontesta tanben ensinu di kriolu_ ki ensinu di kriolu parti di di kada varianti_ e ta fla ma ke li e ka sientifiku_ _ Nau_ _ u kontrariu ki e ka sientifiku_ _ u_ u_ u ki_ es_ es metodolojia li u ki nu pode fla ma e un metodolojia ki ikunomikamenti pode ser_ pode ser muitu mas kara_ mas ma sientifikamenti tudu varianti debe ser studadu_ mesmu ki_ mesmu ki ofisializadu un uniku varianti na kabu verdi_ _ki ofisializadu_pur izenplu varianti di brava_ o pur izenplu_ o di boa vista_ ilhas mas pikinoti_ mesmu ki ser kel uniku varianti studus sientifiku_ univesidadi debi studa tudu varianti_ tudu ispresãu di lingua na kabu verdi_ _ purtantu_ ke li ki e sientifiku_ _ agora_ purtantu_ ensina apenas un varianti_ kel la universidadi ki faze k ela e k asa ta ser universidadi ki ta kultiv_ ki ta kultiva sientifisidadi_ _ [fin]

Nho ler tudu? Nãu. Dispos ka Nho kexa!

12.11.09

Língua Materna, todos temos pelo menos uma... S.O.S.

Vasco Graça Moura escreveu "(...) Não podemos pensar em criação cultural, ciência, tecnologia, progresso, desenvolvimento, competitividade, inovação, sem nos preocuparmos com a língua materna antes de tudo o resto." (...)

Pergunto Logo EXisto...

Et. Em Dezembro vão continuar a fazer revisão da CRCV. Digo continuar, porque os artigos que têm a ver com a oficialização da língua e que foram postos à votação  não passou na AN... Ou estou enganado? Vão reiniciar?11/Nov/2009 2:19:00
Virgílio Brandão disse...
"Parece que sim... irão reiniciar a discussão. Há qualquer coisa de estranho - ou um corpo estranho -, iníquo até...(na perpectiva do sistema constitucional)no que se tem passado e se passa.
Em rigor, a proposta regeitada não poderá ser sujeita à uma nova votação, a não ser que a proposta venha a ser reformulada. Mas o que quer saber é, na verdade, «uma dor de cabeça» constitucional, ou sê-lo-ia num país com cultura jurídica da Constituição...
Abraço fraterno" 12/Nov/2009 0:31:00

11.11.09

Ah... Cooorsino Tolentino...

"(...) temos licenciados que são incapazes de escrever um parágrafo! (...)"

RNCV, hoje, agora, 11 de Novembro 09, 08H47

9.11.09

Razãu pa ser Kontra letra Kapa talves e Imagen...

Desdi ki kumesa es gera kontra lerta “k” na scrita di lingua kabuverdianu ami N fika ta matuta-l, pamodi e ka e normal es sanhadura di parti di alguns kabuverdianu ki ta faze kumentarius na Net. Enton, kuze ki kapa ten ki alfabetizadus Kv ka gosta del? Será ki el e txeu dimas nun testu na LKv? Nau.

Pa konprova isu mesmu, enbora N ka sta di akordu ku un monti konseitu “linguistiku” di Montrond, N ta pega nes parti di un di se artigu di opiniãu resentimenti publikadu no “A Semana” i N troka letra pa "k" pa letra "c". Es ta ser lidu ku valor [k]. Ago, nhos ler es testu siginti pa anhos odja ma nhos ta intende-l:

“Si nu inxina criansas cabuverdianu só na purtuges, un lingua stranjeru ci es ca ta ntende dretu, nos mensájen iducativu pode fica na caminhu. Má si nu inxina-s na Criolu ci e ses própi lingua, dja nu ta txiga na ses curason. Prugrama bilingi Ingles-Cabuverdianu na Mérca, particularmenti na stadu di Massachusetts, undi ci prugrama bilingi di liseu di Brockton «Brockton High School» foi risentimenti riconhesidu comu midjór, e un cazu di susésu y un referênsia di uzu parsial di Criolu comu lingua di ensinu en paridadi cu Ingles. Cu txeu orgulhu, nu ta afirma ma es prugrama e un ixperiensia di longa data, ci pode perfeitamenti ser adaptadu a realidadi bilingi di Cabuverdi. Inda ca txiga maré di nu reconhesi nesesidadi di nos studantis papia, obi, screbe, lé, y rasusina na ses lingua nativu y resebe iducason ci ta ruspeta ses valoris linguisticus y cultural? Será ci cenha ci sa ta dadu cónta ci obstaclus ci sa ta colocadu na prusésu di aprendizájen di nos criansas, si en ves di nu cria y oferese-s oportunidadi di prendi na lingua ci es ta dumina, ci e Criolu, nu ta cuntinua ta forsa-s pa es prende conseitus académicus só na Purtuges, ci pa es e un lingua stranjeru?”
kel padas di testu sitadu li, el ten aproximadamenti 207 palavra, 972 letra. I si nu konta kal ke letra ki foi mas uzadu?! Letra ki foi mas uzadu e letra “s” 80 bes, siguidu di letra “r” 58 bes, “k” 51 bes; “d” 48 bes; “t” 43 bes, traduzidu pa persentagi el e respetivamenti 8,2%; 5,9%; 5,2%; 4,9% e 4,4%.

Sen konta kes kuatu digrafus nen kes vugal, nu tem na alfabetu kabuverdianu mas 12 konsoanti: letras “g”, “l”, “m” i “p” es e uzadu entri 20 a 28 bes. Kes otu ses uzu sta abaixu di 10 bes (“f”, “j”, “v”, “x” i “z”).

E klaru ki pa kenha ki e alfabetizadu na purtuges es testu ten un imaji visual menus agresivu di ki kel orijinal. Kontrariamenti, pa kes mininus ki inda ka konxe letras es ta prende dizenha-s, naturalmenti. Es ta nxinadu ma letra e pa es reprezenta un son di fala kabuverdianu, purtantu tudu letra ten se utilidadi na fala, skrebe i na ler Lingua Kabuverdianu.
I mas, imaji vizual ta “midjora” inda mas pa pisoas alfabetizadu si letra “k” pasa ta ser uzadu senpri na lugar di “q” purtuges. Asin, nes testu numeru de bes di utilizasãu di letra “k” ta riduzi pa menus di metadi, 20 bes.
“Si nu inxina criansas cabuverdianu só na purtuges, un lingua stranjeru ki es ka ta ntende dretu, nos mensájen iducativu pode fica na caminhu. Má si nu inxina-s na Criolu ki e ses própi lingua, dja nu ta txiga na ses curason. Prugrama bilingi Ingles-Cabuverdianu na Mérca, particularmenti na stadu di Massachusetts, undi ki prugrama bilingi di liseu di Brockton «Brockton High School» foi risentimenti riconhesidu comu midjór, e un cazu di susésu y un referênsia di uzu parsial di Criolu comu lingua di ensinu en paridadi ku Ingles. Ku txeu orgulhu, nu ta afirma ma es prugrama e un ixperiensia di longa data, ki pode perfeitamenti ser adaptadu a realidadi bilingi di Cabuverdi. Inda ka txiga maré di nu reconhesi nesesidadi di nos studantis papia, obi, screbe, lé, y rasusina na ses lingua nativu y resebe iducason ki ta ruspeta ses valoris linguisticus y cultural? Será ki kenha ki sa ta dadu cónta ki obstaclus ki sa ta colocadu na prusésu di aprendizájen di nos criansas, si en ves di nu kria y oferese-s oportunidadi di prendi na lingua ki es ta dumina, ki e Criolu, nu ta cuntinua ta forsa-s pa es prende conseitus académicus só na Purtuges, ki pa es e un lingua stranjeru?”
Apesar di es pusibilidadi izisti, i e bastanti ekuasionavel, funsionalidadi di AK e di londji midjor pa minis di kabu Verdi prende skrebe i le tudu varianti di Kriolu.

8.11.09

Skrita kuretu di un Lingua senpri foi inpozisãu ...

BASES DA ORTOGRAFIA PORTUGUESA
POR A. R. GONÇALVES VIANNA Romanista e G. DE VASCONCELLOS ABREU Orientalista

LISBOA. IMPRENSA NACIONAL .1885
_Impresso para circular gratuitamente_ OFERTA DOS AUTORES

Ex.^mo Sr.

Para respondermos às perguntas que nos teem sido feitas acêrca da ortografia adoptada pelos editores técnicos da «Enciclopédia de ciéncia, arte e literatura--Biblioteca de Portugal e Brasil[1]» temos a honra de dirijir a V. Ex.ª esta circular, e rogamos-lhe que faça tão conhecidos, quanto em seu poder esteja, os fundamentos em que essa ortografia assenta.
Os princípios que servem de base à reforma ortográfica iniciada por nós ambos e usada ha dois anos pelo segundo signatário desta circular, em escritos particulares e oficiais, e em artigos publicados em alguns papéis periódicos, são resultado de estudo consciencioso e larga discussão dos iniciadores. São princípios deduzidos ou antes expressão dos factos glotolójicos examinados com rigor; são todos demonstráveis, e de simplicidade tal que os poderá compreender a sã intelijéncia, aínda que para ela sejam estranhos os estudos de glotolojia.
Vamos expô-los à apreciação pública desde já, e assim começará a preparar-se a crítica de todos os indivíduos, que, por se prezarem de Portugueses, não queiram que estranjeiros censurem não haver, para a nossa formosíssima lingua, ortografia científica e uniforme a que deva chamar-se +Ortografia Portuguesa+.
No futuro Congresso que temos a peito convocar breve, essa crítica será o único juíz a que todos nós os Portugueses havemos de nos sujeitar para adopção de ortografia portuguesa e rejeição absoluta de toda ortografia individual, seja quem for seu autor.
[1] Estão publicados: o 1.º vol. da Colecção científica «A Literatura e a Relijião dos Árias na Índia», por G. de Vasconcellos Abreu; e o 1.º vol. da Colecção literária «Mágoas de Werther», romance traduzido do orijinal alemão, de J.W. von Goethe, por A. R. Gonçalves Vianna.
O custo de cada volume é de 300 réis, brochura, 400 réis, cartonado. Estes volumes por serem os primeíros, e particularmente «Werther», saíram com erros tipográficos que não devem ser levados à conta do sistema de ortografia.
São editores técnicos A. R. Gonçalves Vianna, G. de Vasconcellos Abreu (a quem devem ser dirijidos os manuscritos e toda a correspondéncia), S. Consiglieri Pedroso, em Lisboa.
São editores-impressores Guillard, Ailland & C.ª, em Paris.
Todos nós, os que lemos, e mais aínda os que escrevemos para o público, sabemos quão diverjentes são as ortografias das várias Redacções e estabelecimentos tipográficos. Teem escritores +suas ortografias+ próprias, como +as+ teem as imprensas particulares e as do Estado. E nas do Estado são diferentes +as ortografias+ da Imprensa Nacional e +as+ da Imprensa da Universidade--estes plurais são a expressão real de um facto, sem censura pessoal.
Com a exposição  que vamos fazer dos princípios mais jerais em que assenta a reforma ortográfica, por nós iniciada, temos em vista mostrar, a todo o país capaz de pensar e ler, que o nosso intuito é realizar uma das verdadeiras condições da vida nacional--existéncia de ortografia +uniforme e cientificamente sistemática+ a que deva chamar-se+Ortografia Portuguesa+.
Sigamos dois bons exemplos a que largos anos deram ha muito já a sanção: o exemplo da Hispanha e o mais antigo da Itália. V. Ex.ª a quem dirijimos esta nossa exposição, honrar-nos ha dando-lhe a maior publicidade que puder; e por certo se julgará honrado se entender que com essa publicação presta bom serviço à pátria a quem devemos êste respeito.

De V. Ex.ª
+atentos veneradores+
Lisboa, outubro de 1885.

Rafodju: di mudje soltera pa mudjer kazada

... Ai nha kumadri,  es e ka stranhu na: pamodi si kabra di kurral ta pari kabritu diskunhesidu ki fari kabra di txada ki tudu bodi e di sel.

3.11.09

Lingua Mãedrasta es es di ME...

Pudesse eu trocar língua Portuguesa por Língua Caboverdiana, o texto seria meu, ou teu e ou nosso:

" (...) Falando apenas no plano nacional, o verdadeiro valor da língua portuguesa está, antes de mais nada, na capacidade com que ela pode dotar-nos para uma mais profunda construção da identidade colectiva e individual, bem como para um nosso mais eficaz e mais completo enfrentamento do mundo. Esse valor está portanto no facto de a nossa língua ser o instrumento verdadeiramente imprescindível para o acesso satisfatório ao conhecimento, para a correcta formulação do pensamento abstracto e ainda, evidentemente, para o sucesso de quaisquer outras aprendizagens que possam ser concebidas quer a nível escolar quer a nível extra-escolar. Não podemos pensar em criação cultural, ciência, tecnologia, progresso, desenvolvimento, competitividade, inovação, sem nos preocuparmos com a língua materna antes de tudo o resto."

... Bacan, Bakon i Bakandezas...

… Bakon, bakan i bakandezas...
Forti N tem Kuza fla, ma li sta fladu so na purtuges… Paxenxa! O parlamento VOTOU a oficialização da Língua Caboverdiana: MPD votou abstenção, a UCID votou contra e o PAICV votou a favor. Ninguém pode querer desresponsabilizar os PARTIDOS e os nossos Deputados… Eu acho, muitos de nós achamos, que o MPD devia ter votado favoravelmente porque todos nós falamos e entendemos em LCv e escrevemos a LCv de uma das duas maneiras possíveis. Votasse favoravelmente, era votar a favor da dignificação da Língua que falamos e deixar que cada um de nós escolhesse a “moda” de escrever. Desresponsabilizou-se! Este é um facto, não há como escondê-lo.

Triste! O MPD sabe que a Comunidade Cv Nacional comunica diariamente em Crioulo em todo o lado e em todas as instituições, que a Cultura Cv escreve-se maioritariamente numa das “modas”do Crioulo; sabe o MPD que a disputa entre uma e outra forma de escrita normativa é Secundária e, sabe ainda que a escrita normativa levará um longo tempo a fixar-se e a estabilizar-se e desestabilizar-se periodicamente; sabe o MPD que nós os alfabetizados em LP somos capazes de ler e compreender os textos em português ainda que muito mal escritos; sabe o MPD que todos nós caboverdianos compreendemos os textos escritos à claridoso ou à alupequiana, com mais ou menos “dor de Cabêça”. Mas, mesmo assim, o MPD negou os merecidos os dois terços a todos os caboverdianos, sem excepção. Sem apelo nem agravo.

Quanto a mim neste debate ganhou os argumentos que estribaram no calculismo politiqueiro. Mas enfim, o ausente MV que sempre quis fazer tudo sozinho… e, por isso, é o único que perdeu esta batalha no campo da pura Política.

Kontra AK..., "Mas não matem a alma Caboverdiana!"

Os jornalistas são contra o uso da Língua Caboverdiana sobretudo na componente escrita?
- Nim.
Tivesse a classe, por exemplo, munidos da consciência da importância da LM para os falantes e estivesse informado sobre os conceitos da Ciência Linguística, o jornalista que fez a cobertura noticiosa dos trabalhos na AN não resumiria o discurso de José Maria Neves em defesa da oficialização da LCv o seguinte:

"Para José Maria Neves, havendo neste momento um único alfabeto sistematizado para a escrita da língua caboverdiana, o alupec, a sua utilização constituirá uma mais valia no patrocínio das criações artisticas, o que não quer dizer que quaisquer outros modelos de escrita apresentados de forma sistmatizada não constituam valencias na concretização dos patrocínios". In RNCV 03Nov09.

Posto isto, é preciso sensibilizar os jornalistas, os médicos, os advogados, os deputados, os governantes, etc. Como? Os porquês todos nós já sabemos.


2.11.09

Kabuverdianu Na kaminhu di txumbadu pa maioria Inginoranti

Na Asenbleia Nasional un dibati sa ta dikore, Birgonhozu!

Diputadus sa ta mostra ses ignoransia na kistãu di kriolu. Es ka ten siensia linguistiku sufisienti pa diskuti uzu di Kriolu...

1.11.09

INPUZISÃUUUUUUUUUU!



Profesoris di ensinu baziku i sikundariu dja konxe es Akordu ortografiku?
Material didatiku sta skrebedu sugundu es Akordu Ortografiku?
Gentis di Jornal, jornalistas dja sta ta aplika es Akordu ortografiku?
E klaru ki maioria di Kv ka sabe ki palavras ki mudadu na se ortografia, istu e, kal ke forma kuretu di skrebe...

28.10.09

RNCV: Kriolu ka ten gramatika, e ratxa du ba!?...

RNCV: En Nomi di Lei, Pur Armindo Brito - Juis di Fogu.

N faze es transkrisãu ortografiku di es testu skritu skrebedu (?) na krioulu (?) i lidu na kriolu na RNCV oji di manhan pa un Juis di Fogu. Ku es transkrisãu N kre prova leitoris ma te un Dotor (alfabetizadu na purtugues) ten difisensia na ta skrebe Lingua kriolu, ki sertamenti el ta papia-l ben, mas el ta skrebe-l mal. O será ki es Dotor ka prepara es testu antis di faze se leitura pa ovintis di RNCV? El atxa ma e disnesesariu? Enton, talves e stribadu na kel ditadu popular ki ta fra ma: - kriolu ka ten gramatika! Ki el skrebe(?) i el ler es testu li:

"A ja aprosimadamenti tres simanas atras nu tinha faladu un poku sobri konstituisãu i oji nu ta ben splora un poku di kes liberdadis fundamentais ki ten na konstituisãu_ _ I un di es e liberdadi di spresãu informasãu_ artigu korenta i seti di konstituisãu di nos pais na se numeru un es ta fla ma tudu algen _ tudu ser umanu ten liberdadi di podi sprimi_ o seja_ di podi fla i di divulga_ o seja_ di podi komunika otus tudu ses ideias ki e ta atxa_ tudu kel ki e ta pensa_tudu se konviksãu e podi faze-l ker pa palavra ker tanbe pa imaji_ ker pa kualker outru meiu_ ker dizer_ ma ka un kuantu a ki el mesmu el ta atxa el direitu di tra pa fora _ di fla kes otu kal ki e se opinion_kal ke se konviksãu_ kal ke se idiolojiasobri sertu asuntu_ _ kel direitu fundamental li ta garanti asin ki ningen ka ten u privilejiu skluzivu di el mesmu fazi se ideia ovidu_ mas ta pirmiti ki tudu algen inda ki individualmenti konsideradu podi tanbe isprimi ses ideia_ seja_ tudu omi ses opiniãu podi ser konsideradu_ tanbe es podi komunica otu ses propi opiniãu i es podi faze-l sen ser inkietadu pa ses konviksãu pa ses konviksãu pulitika o ses konviksãu filozofika o relijiozu ou otru_ _ ou seja_ kualker pisoa podi divulga kel ki el ta pensa indipendentimenti di konteudu di kel ki e ta pensa_  ningen ka fla-l ma izatamenti ma kel ki e ta fla ma sta eradu_ _ izatamenti komu pisoa kondena-l el purki el e tevi el ideia_ _ e un direitu ki nos konstituisãu ta da nos_ nu podi faze-l_ el ka podi ser sensuradu_ nu ka podi txuma algen pa fla_ nau_ mi N ka kre ouvi-u [ouviu?] _ N ka kre po fala_ N ka kre_ pur izenplu_ po publika ke li_ o po fala kel la purki e asuntu ki N ka gosta o algu du jeneru_ nau_ kada un di nos ten nos direitu di fla kel ki nu ta kre i nu ka podi ser inkietadu pur kauza di nos opinioes pisuais_ nu ka podi tambem txiga au istremu di fla_ bon_ mi N podi fla kel ki N kre_ enton _ ker dizer_ ma n podi _ pur izenplu_ txiga la fla kel pisoa Xis a xis_ _ purke_ purki na mesmu artigu korenta i seti di konstituisãu na numeru kuatu e ta fla_ _ e di falta di liberdadi di spresãu i informasau e dada pur nos_ ma pisoa ka podi ofendi onra di kel otu pisoa ku kel la_ nen tanbbe_ pur izenplu_ ka podi ofendi intimidadi di vida privada di otus pisoa _ _ imajinamus ki pa izenplu_ N txiga gosi li N fla bon_ mi e livri di spresa baziandu nisu N kumesa ta manda palvrões a tortus i a direitus a a_b_ i c_ _ lei ta fla kel la dja bu ka podi_ pamodi bo bu ten direitu di fala_ mas desdi ki ka ofendi ningen_ a limitis ki u ka podi pasa_ _ bu ka podi sa ta ofendi onra di kes otus_ bu ka podi_ pur izenplus_ sa ta leba pisoas a ser violentu_ ah_ fazi algun diskriminasãu o a fala algun kuza ki eee e ta provoka un danu seriu na otru pisoa_ _ enton_ ker dizer_ ma nos direitu di fala o di transmiti un ideia sta limitadu tanbe pa direitus di kes otru_ nu podi fala ma ate sertu pontu_ _ bon_ i kuze ki ta kontisi si un pisoa fala mal_ ou seja_ si apruveita se propi liberdadi e ja e fala kontra kontra otru e ofendendu se onra_ _ bon_ nes kazu e ka ten mas liberdadi di spresãu _ nes kazu e un krimi_ _ artigu korenta i seti numeru seis di konstituisau ta fla ma pisoa di falta dja e ta kori na risponsabilidadi iventualmenti sivil_ o seja_ e podi indeminiza-l ou dissiplinar na trabadju e podi podu un prusesu dissiplinar_ o mesmu krimi_ krimi nes kazu e podia komenteba_ pur izenplu_ di kalunia i es sta na senti i sasenta i sinku di kodigu penal_ ki o ki un pisoa fla kel otu _ nau_ bo e ladron o bu kumeti un krimi o bu mata_ ke li asin algu du jeneru o ate e podi ate kumeti un krimi di injuria_ ki [??] e ofendi onra di kel otu i kel pisoa ki xinti dretu kes palavras ki fladu kontra el _ es dos krimi e punidu o ku muota oku prizãu_ _ tanbem si un pisoa mori_ ma e mori a menus di trinta anu i si algen ben kumesa ta fla _ nau_ kel fla-m ki mori li el era ladron_ el era xis kel la tanbe e un krimi_ ta txumadu ofensa a mimoria di pisoa falesida_ pamodi i pisoa dja mori enton tambe bu ka podi sa ta ofendi se nomi injustamenti _ ker dizer_ ki propi lei ta garanti ma kes ki ta ultrapasa se liberdadi di spresãu ta ser sansionadu_ pa es prendi ma a un limiti ki es ka podi ultrapasa_ i si nos tudu o ki nu ta fla kuzas klaru_ mi N ta papia sen medu_ jeralmentikes pisoaski ta konsidera asi ta kaba pa ofendi otrus_ _ kel li dja lei ka ta pirmiti-s entãu nesesariamente a un sansâu sivil i ou penal pa kes pisoas pa ki izatamenti es ka podi uza ses liberdadi a mais_ _ purki undi ki ten issesu di liberdadi_ ka podi mas fala ma ten un liberdadi mas sin un abuzu di direitu _ _ tambem pisoas ka podi uza ses liberdadi di spresãu pa_ pur izenplu_ bai num meiu di kuminikasãu susial fla si_ _ kel pisoa li nhos devia panha el i da el ku po ou_ pur izenplu_ nhos divia kemaba kel instituisãu la_ _ Kel la ta fladu instigasãiu publika a pratika di krimi _ _ sta na artigu duzentus i oitenta i oito di kodigu penal_ ou seja_ pisoas ta bai na meiu di komunikasãu susial i publikamenti i ka fla sin_ _ nãu_ pur izenplu_ mi N kre pa nhos ba fazi un kuza ki e un krimi_ pur izenplu_ nhos ba agridi kel otu_ o nhos ba kebra kel la purki N atxa ma i ka ta funsiona o pur kualker otra razãu_ _ ou tambem di uma manera o ki kontisi alguma koiza mau_ pur izenplu_ un grupu di tagis agridi un pisoa_ i un pisoa txiga na radiu fla nau_ foi ben fetu_ kel pisoa el e mau e devia lebaba kel la_ _ kel grupu di tagis propi es meresi un rekonpensa_ kel li tambe e un krimi_ el ta txomadu apolojia publika du krimi_ ou seja_ elojia un krimi_ _ kes tipu di krimis li_ es izisti izatamenti ki kel ki pisoa ta fla_ o ki for ofensivu ou kauza danus a outrus seja pirmitidu_ enton logu_ asin o ki pisoas uza se liberdadi di spresãu mal el tanbe ta intercedi pa izatamenti inkrimina-l_ a aki di faktu rispostas direitu di kada un spresa_ mas kada un devi spresa sen ofensa otrus_ o sin pasa direitus di otrus_ purki si nãu dja ka izisti mas liberdadi_ i pisoa ta sufri un sansãu_ era kel li nton ki nu kre fala pur oji_ obrigadu i kontinuasan di un bon dia..."

23.10.09

Kurkutisãu & karkutisan

Amor ku omi kazadu e sima papa balonbolu pa mas riju e el bu ta korta-l agu ta sai.
Bu odja skuma bu pensa ma e leti, bu odja monti bu pensa ma e kuskus... (nganadu!)

20.10.09

Papia "dretu" i Skrebe "ku regras" Lingua ki bu ta papia...

Si nu ta Papia "dretu" i nu ta Skrebe "ku regras preskritivas" Lingua ki nu ta papia nu sta difende nos indipendensia kultura i identitdadi Nasional. Sta storiadu ma un forma manhentu di subjuga un povu-nasãu  e ameasa se Instituisãu primeira ki e Lingua ki Nasãu ta papia. Sima nos, Nasãu kabuverdiana nu meste difende nos LINGUA antis di tudu kes otus Instituisãu.
E nos dever patriotiku difende nos Lingua Nasional, suma tudu povu-nasãu ta faze-l. Es e ka mas di ki nos!

" (...) Muitos se questionam por que razão a Língua Portuguesa, sendo a terceira língua europeia mais falada no mundo, é tantas vezes «passada para trás», em situações e organismos institucionais em que seria natural que se encontrasse bem defendida e representada. Até ao presente, o conjunto dos países que têm o Português como língua oficial não tem sido capaz de apresentar uma política de língua conjunta, pelo que, em vez de uma dimensão internacional bem reconhecida, a Língua Portuguesa tem estado ao dispor dos que, refastelados numa ignorância empertigada ou albergados numa globalização interesseira, a consideram uma espécie de variedade «algo estranha» do Espanhol.

Urge, pois, repensar o Português a nível nacional e internacional. Portugal tem de avançar na identificação do que pode e deve fazer relativamente ao ensino do Português como língua materna, ao ensino do Português como segunda língua aos cidadãos estrangeiros que residem em Portugal, e ao ensino do Português como língua estrangeira, com especial atenção ao ensino no interior da União Europeia.

Variantes relativamente frequentes, algumas até inusitadas, da relação pátria-língua portuguesa poderiam também chamar a atenção do nosso futuro PR para a necessidade de zelar pelo regular funcionamento desta nossa instituição!"

19.10.09

Porque ensinar a escrever a Língua que falamos...

Porque...

Temos que ecolher: escrita "alupequiana" ou "escrita etimológica"?


1º Eu não escolhi o AK, mas defendo-o em si, de forma autónoma, por aquilo que o Ele representa e propõe.
2º Na leitura dos meus comentários não se pode inferir que alguma vez tive a intenção de querer impor o AK a quem quer que fosse. Limitei-me, sim, a apontar algumas das suas vantagens e esclarecer alguns pontos de comentários alheios.
3º Para mim também o AK é uma “imposição”, mas que teve por trás um “Estudo feito por Académicos sérios” e um decreto-lei instituído por um Poder Político que me parece Legítimo. Isto até ver!

Tenho a consciência de que a socialização não está sendo feita de melhor maneira. Os comentários são prova disso. Mas é à uma maneira! (…). O Ak é representado oficialmente por um rosto e devia haver mais. É que não se conhece os restantes membros da equipa de trabalho, isto é, os membros da Comissão Consultiva para a Língua Cabo-verdiana. São falhas que põem a nu as nossas fragilidades e as do meu país. Eu relevo-as. E faço o meu trabalho com seriedade.
A Língua Nacional (LN) é o Crioulo. Hoje queremos (orto)grafar a nossa LN. Como Cidadão deste país/nação que sou, remo na mesma direcção, a da oficialização da LN. Sei, sabemos(?) quais são as vantagens do Ak para escrever cada uma das variantes do Crioulo. Mesmo que não as vejamos escarrapachados num Plano (político) Linguístico.
Mais, eu acho que se a todos os “intelectuais” Cvs fossem dados a compreender a importância e o alcance desse Ak eles não o rejeitariam. Pelo teor dos comentários postados aqui, parece-me que a rejeição está associado, sobretudo, ao desconhecimento… do Plano Linguístico.
Como caboverdiano que fala diariamente a LCv, tanto se me faz escrever “à moda dos claridosos” ou “à maneira alupequiana”. O que precisávamos era de uma linha de orientação, esta já nos foi dada pelo Decreto-lei. (Se é discutível na sua constitucionalidade, isto não ME interessa bastante).

Agora, faço força para que se introduza o ensino da Língua Cv nas escolas de CV. As crianças (e os analfabetos Cvs) precisam de (re)escrever aquilo que lêem na Comunidade num texto Original. Fizesse isso, a tradução para outras Línguas ficava para os Intérpretes e Tradutores com Formação.

18.10.09

"ka ten karni pa po na balansa, ma ten osu pa dju(r)ga!"


Uma casinha branca entre a verde espesura
A recordar de longe um navio no mar,
Ou a formosa capela alvinitente e pura
A subir como uma ave ou uma nuvem no ar;

Casto ninho de amor, alvo e perfumado, onde,
Em terna comunhão vivêssemos os dois
Ouvindo as tardes , quando o sol além se esconde,
O murmúrio da linfa e a voz dos rouxinois...

Uma casinha assim é que ambiciono e quero
Para longe do mundo  erguermos o nosso lar,
Sob a bênção de Deus e de um amor sincero;

Uma casinha assim eem plena solidão...
Dentro, alegres, os dois de ventura a cantar:
Eis, meu amor, a minha última aspiração!

Pedro Cardoso, In Lírios e Cravos. Editorial Crisos. Ermesinde. Sem data.

Fotografia: A Casa onde viveu o poeta, em S.Filipe, ilha do Fogo.

15.10.09

É-se Afromaníaco Dispensar o "C ou c" e Companhia?

Para escrever na Língua portuguesa o "C ou c", segundo o dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, as regras são as seguintes:
"c ou C [sé]. s.m. (do lat. C ou c). 1. Terceira letra e segunda consoante do alfabeto português. Sinal gráfico que representa os sons da fala [k] e [s] respectivamente classificados como consoante oclusiva velar velar surda e como consoante fricativa pré-dorso-dental surda; representa o som [k] quando seguido de a, o ou u (cabo, pouco, curva) e quando elemento dos grupos consonânticos cr, cl (sacro, clarim); representa o som [s] quando seguido de e ou i (alicerce cisne) ou quando cedilhado (caço, poço, açúcar); c em conjunto com o sinal gráfico h, forma o digrafo ch cujo som [ʃ] (chá, bucho) é classificado como consoante fricativa palatal surda. Por vezes, o c não representa qualquer som (acto, correcto), reflectindo apenas a sua base etimológica. 2. (com maiúsc.). fis. Símb. De coulomb. 3. fis. Quím. Símb. do carbono. 4. (com maiúsc.). Em numeração romana tem o valor de cem. 5. Mús. designação da nota nos países anglo-saxónicos e germânicos. 6. Funç. Adj. A seguir auma expressão que designa um valor de temperatura, abrevia centigrados ou Célsius. 7. Funç. Adj. Em posição pos-nominal ou precedido de algarismos apresenta um valor ordinal, indicando o terceiro lugar numa série ordenada alfabeticamente. Importa atender à alínea c deste artigo. Ele vive nesta rua no nº 59 C. vitamina+ C."

Tendo em conta a citacão,  fica um candidato quer aprender a escrever (e a falar) a LP obrigado a respeitar as regras prescritivas para a escrita para a e da leitura da letra "C" consoante os contextos, em LP.
A República de Cabo Verde optou, depois de consultar vários estudos levados a cabo no domínio da Linguagem por Linguistas Nacionais e Estrangeiros, por oficializar uma escrita fonológica. Feita esta opção, as letras “C ou c ”, “Ç ou ç” e o “q ou Q” mostraram-se desnecessárias.
Devemos ter em conta que um candidato que quer aprender LCv, sobretudo na sua componente oral e na sua componente  escrita, aprende-a como uma língua natural autónoma. Sendo o candidato já alfabetizado numa outra língua, em comparando, pode constatar que na LCv não existem as letras citadas no parágrafo anterior.
Aos defensores da Lusofonia deixo a seguinte constatação: O Mirandês é 2ª Língua Oficial de Portugal, desde o dia 17 de Setembro de 1998. E foi instituído por Projecto-lei que reconhe Oficialmente os Direitos Linguísticos da Comunidade Mirandesa. Os portugueses que não são de Miranda do Douro quiseram obrigar que seja incluída no alfabeto Mirandês a Letra “v ou V”. Viram que o mirandês não tem a letra “v ou V” e foi por “imposição” por Decreto. E ninguém se alevantou contra... Porque será?

10.10.09

9.10.09

Lisensiatura Ralampu en Linguistika ... na 20 dia!

Agora David Leite já não é leigo. Agora é também licenciado em Linguística e dos melhores! konfesa “el staba ta da pa dodu”. Bon, na nha manera di odja, era preferivel e kontinuaba ta da pa dodu ki ta fikaba-el midjor di ki arma en spertu i porta-vos di ignorantis na kestãu di língua i linguistika. Komu algen ki staba ta da pa dodu el ta kababa pa sklaresi tudu kenha ki teneba duvida sobri alkansi stratejiku di AK.
DL sta elabora se opiniãu ku bazi na se ignoransia Linguistiku propi i na ignoransia di kumentadoris dismultiplikadu, en varius nick-name na blogosfera . Tem razãu DL i otus elites Kabuverdianu ora ki es ta fra ma AK ka foi sosializadu di forma mas kuretu. Ka foi sosializadu en tenpu nen opiniãu i konjeturas di leigus ka foi dadu ninhun tratamentu, mas isu ka pode signifika ma AK ka ta da pa skrebe tudu variantis di kriolu. El ta da sin sinhor! Isu sta garantidu pa kenha ki ta intende di skrita di Lingua i kultura di tudu povu ki ka tinha tradisãu di skrebe se língua i ki gosi sa ta skrebe-l. Agora, skodje si ta ser “etimologiku” o “fonologiku” e un SKOLHA ku bazi na studus linguistiku. Purtantu li, nes SKOLHA so academikus ku trabadju sientifiku na domínio di Lingua i Linguistika e ki ta merese ser obidu. I es es foi obidu pa puder pulitiku. Klaru, dispos di obidu tumadu desizon. I foi tumadu: ofisializasãu di Ak pa tudu algen ruspeta o aprizenta se pruposta pa midjora-l o ate substitui-l.

Fla ma ka “Até porque não existe, nem poderia existir, consenso ou unanimidade entre os próprios linguistas, filólogos e outros estudiosos, já para não falar da sociedade literária e da sociedade em geral.” E mesmu di kenha ki sta bota berdi pa panha maduru… “da pa dodu!” Ignora ma kes intervinientis ki el aponta li ka ten interesis outru… Es ki e kontra ofisializasãu di LKv ten ses propi ajenda… Aseitavel en dimokrasia, meu!
Djobe inkonstitusionalidadi na intertisius di Kontituisãu di Republika di Kabu Verdi na un asuntu komu ofisializasãu di LKv e mas un stratejia pa adiamentu “sine die” di aprovasãu di skrita ofisial di LKv. Alias, e kontinua ta viola direitu di kriansas di Kabu Verdi: Es ten direitu di prende skrebe na skola publika di se tera Lingua ki es ta papia na ses kumunidadi.
Ignora o proibi un direitu di “Alupecólogos” di ta fla kes ki es kre e tanbe un violasãu di Konstituisãu. Es e livri pa es faze kumentarius ki ta das na gana. Asin komu kes “leigologos” ten es direitu garantidu na Konstituisãu. Ago, so pode ser “da pa dodu” junta-s ku Linguistas Nasionais i Strangeru ki ten tidu i ta kontinua ta ten un postura di seriedadi peranti ofisializasãu di Lingua Nasional.

Kontinua ta insinua “da pa dodu” seu intelektual!

DL e ka e dus ki e kontra AK, mas na ses artigu di opiniãu ta mostra klaramenti ma el e kontra. Artigus ta mostra so ladu mas pretu (mas gravi e ka rikonhesi se ignoransia linguistiku!). El ta puzisiona komu un intelektual uniku “leigo” na duminiu di pedagojia di Lingua, ku ideias pseudo-linguistiku i komu pulitiku difensor di kel ki e midjor pa tudu Kabuverdianu.

Ora ki DL ta skrebe ma AK ta poi en kauza a unidadi nasional, el ta skise ma Lingua falada ki nu ta uza a nivel Nasional ka ta poi es unidadi nasional em kauza, prova disu era nu obi Pulsar Informativu, RNCV  di tudu sesta-fera undi korespondentis di kada Konsedju ta fala na "Lingua di Tera". N ta prubeta pa informa ma na nobu programasãu es dja kaba ku Pulsar na Kriolu, ki ningen ka iziji pa ser na purtuges. A partir di gosi Lingua di es “Pulsar Informativu” di sesta-fera ta fika na livri arbitriu di korespondentis. Komu es korespondentis es e tudu spertu es fika logu ta da ses xou na ses Lingua Purtuges. I pa dilisia Portugesis ki sta na Kabu Verdi: - ki pretuges?!

DL ta ignora ma na Kabu Verdi di fatu ten dos Lingua ku funsãu ben o mal siparadu: LKv i Lingua Portuges. Primeru e pa papia (fala) na tudu banda i kel sigundu e so pa skrebe i pa fala na meius di komunikasãu sosial, respetivamenti Jornais i RTC. Naturalmenti, dos Língua, purtuges e tradisionalmenti “etimolojiku” i kriolu kredu e ku skrita “fonolojiku”.

Fingi ka sabe ma kuza ki kredu e pa nxina minis (di 5, 6, 7 anu i sigintis) di nos tera skrebe ku “regras” propi di língua ki es ta papia, ku regras di skrita standardizadu pa es pode ser lidu tanbe ku “regras”, na Lingua ki es ta papia en primeru lugar, istu e, antis di nxina mininus papia, le i skrebe na Lingua Portuges, sta nxina mininus skrebe na língua ki es ta papia. Enfin, skrebe sen tradusãu kuza ki es ta vive na ses komunidadi. E lansa konfuzãu deliberadu entri nos dos Lingua ki nu ta konsidera nos Patrimoniu.

Ignora ma kredu tanbe pa Purtuges ta pasa ta ser nxinadu komu ta nxinadu un Lingua sigundu, ku metodolojia propi ki e efikas. Si onti nu ta odjaba na komunikasãu susial di Kv ma kauverdianus ten difikuldadi na ta papia purtuges i oji nu ta konstata ma difikuldadi tanbe sta na skrebe i na leitura - Nu debe pergunta e Pamode?
Ben, es e un kistãu di fundu, ki ten rasposta, mas e pa da mas performance aos nossos alunos no bem falar e escrever Português. Fla-s ma fala purtuges e ka so sintaxe!

Oji en dia kenha ki ta fala ben i ta skrebe bon purtuges na Kabuverdi?

Ora ki DL ben ku es artigus pa faze publiku intendi ma ku introdusãu di LKv na sistema di ensinu ta signifika kore ku lingua purtuges e nu minimu ser poku seriu. Purtantu, DL e “anti-alupec” di fatu.

DL ignora ta diskonxe es verdadi li ki e ben atual: Lingua ofisial e un sigundu língua di karkel pais. E Lingua ki ta ser nxinadu i prendedu na skola. Lingua di komunikasãu Nasional ten di ser kuidadu “ku regras minimus” pa ki tudu falantis pode entende kuze ki sta fladu (na oralidadi komu na skrita).

DL ta buska varius forma di fla, formas di kes mas arkaiku di pronunsia, mas tudu inteligível i ki siensia di linguuagen ten dadu rasposta pa el poi en duvida i kestiona funsionalidadi di “alupegrafia” di LKv na ses varianti: Odja kel sitasãu :“... devemos interrogar-nos sobre a correlação entre os diferentes crioulos. “Arrlomp” e “grinhasin” em S. Vicente, “ralampu” e “gosi-li” em Santiago... Sabe o Sr. Ministro o que significa “bo n’konterdiés mim de fôvor”? Significa, no crioulo que é o seu, “ka bu kontraria-m, di zimola”. “Bo n’bés” significa “ka bu bâi”, “bô ndzês” “ka bu flâ”... Ora, como imagina o Sr. Ministro um professor de Santiago a dar aulas em S. Antão ou vice-versa? Note-se que já numa mesma ilha há variantes : em S. Antão, “mlhêr/muêr”, “oiá/uá”; “skuê/skulhê”; em S. Vicente “amdgêr/mdgêr”, “skuí/skulhê”, em Santiago “deuz/dioz”, “kauberdianu/kabuverdianu”... Pois e Sinhor DL, kumentariu sklaresimentu e ki kenha ki bai skola ta bai ta nxinadu “tudu Leksiku” ki sta en uzu na se kumunidadi di falantis. Si nho pega na Disionarius i na gramatikas publikadus nho ta atxa rasposta pa tudu inkietasãu i duvidas ki nho tene, nho i sigidoris ki e kontra ensinu di LKv na skola di Kabu Verdi i ki ta invoka motivus sima di Nho. E Skola ki ta ben nxina minis faze skolha di leksiku i di kuze ki e gramatikal o nau na LKv!
Na final di tudu prusesu di ensinu di Lingua Kabuverdianu i se padronizasãu manenti-manenti, na Lkv ta resta poku o ninhun livri arbitriu nen na skrita i nen na leitura di testu skrebedu na LKv, pamodi minis ta prende forma “kuretu” i apropriadu di papia, di skrebe i di le na LKv pa tudu Kauvedianu pode intende. E asin ki nu ta txiga nos objetivu: Sosializa kumunikasãu (faladu i skritu) en Lingua Kabuverdianu a nível Nasional sen ambiguidadi nen mal-intendidus.
PS:
Si nu repara na testus skritu ma kantu Lingua Purtuges ki kumesa ta ser skrebedu e ka era uniformi. Nen oji e ka e. Mas oji tudu Linguistas ta studa Storia di Lingua portuges pa konstata komu foi es pasaji di Latin pa portuges... te txiga Lingua Purtuges atual. Vamos fazer o nosso percurso.
Sima sta ki ka pode fika!