31.12.11

2012 Dja!


Voto de Bons Entrada pa tudo nhas leredor!

30.12.11

Papia portuges?

-Bu sabe fala portuges?
-N sabe, sin senhor.

-Ku kenha ke bu ta papia portuges?
- Na skola so na sala de aula so ku prosora, ora ke el pedi-m pa N responde un pergunta... N ta da un koxi na portuges...

- Ku bus kulega?
- ku nhas kolega dento sala N ta ratxa kriolo stere bai, un bes...

- Pamode bu ka ta fala portuges ku bus kolega dento sala?
- kel li go ka ta panha...

- Pamode?
- El ka ta panha... el ka ta panha sabi. Na kriolo N ta fla tudo, sima N kre, suma N ta xinti dento mi.

(...)

Kutxi-l

Skrebe palavra de kriolo na portuges. Pa ké?
Pa kuzé ke "kutxi" ten de ser skrebedo/papiado na PKv sima "cochir"?
Kabuverdiano ta papia kriolo. kabuverdiano ta fala kriolo. Kabuverdiano ta skrebe kriolo, lingua ke el ta fala/papia. Kabuverdiano pode skrebe lingua ke el ta papia  ku regra y prinsipe de AK o ku alfabeto portuges, sen spike!
Kabuverdiano ka ta papia y nen ka ta fala kriolo na portuges. Ten kabuverdiano ke ta papia portuges ke el prende na skola o não. Nu ta asume ma nu ta papia “un portuges” suma ke ta nxinado na skola li na Kabo Verde. Pamode Portuges é inda nos uniko lingua ofisial, i nu ta aprende papia-l  ku  skrebe-l segundo norma de PE (o de PB?).
Un portuges kabuverdiano (PKv), so é posivel papia na se “formasao” dia ke interasao verbal informal entre tudo o parte de kabuverdiano pasa ta ser feto na lingua portuges. Pois,  é es interasao ke pode ben mostra-nu rosto de un PKv en formasao.
Nu  ka debe pensa ma un forma leksikal kriolizado pode ser  aportuguezado  y uzado na lingua portuges, o na un pseudo portuges kabuverdiano.
Por ezenplo, sima sta flado li sin “Cotchi midjo”, skrebedo ku alfabeto portuges, pode ser aportugezado “cochir [o] milho” e ser un de kes marka de PKv.
Portugal pode y es ten otoridade de toma pistado es palavra y portuguesa-l (strangeirismo) pa ses uzo, i mas, rekria-l segundo regra de gramatika de ses lingua. Nos kabuverdiano na ta skrebe ou na ta papia purtuges nu pode uza-l tambe, mas tanto faz, kotxi midju o cotchi midjo. Kuza ki ta obido é [kotʃɨ`midʒu]. Kuzé ke [`koʃir`miλu] ta fla un kabuverdiano nativo? Muto poko. Pamode Lingua , el é sobretudo kultura.
Nu ten de asume Kriolo é nos lingua materna e nasional, portuges é inda  nos uniko lingua ofisial. Nada de konfuzao.
PS:
 1. "cochir" inda ka sta disionarizado na portuges. Kuzé ke ta stroba portuges de fla [`kotʃɨ] [`miλu].
2. Kal ke razao pa kaboverdiano, na ta skrebe portuges, "cochindo milho"...

29.12.11

Txapuleta

Txapuleta [t∫ɐpu’lɛtɐ]. n.  (…) 1. Ponta de ramo mas alto de un arve. Ba tra-m kel mango ki sta maduro la na txapuleta, el só. Kudado ku txapuleta de tambarina, é prigozo.

Santa [‘sᾰtɐ] v. (Do pt. assentar). Kalmo ≠ FADIGADO. 1. Ora ke ago tene puera bu ta dexa-l la keto, bu ta spera pa puera sinta na fundo. 2. kalma. Kafé inda sta nboreado, N tra-l de lume kuazi gose. Spera-l santa! 3. Dixa ago santa. Dixa puera sinta. ? dixa puera santa.


Bende na kabesa...


Gosin é banana ke sta da? Ante kaba manxe dreto. Es é pregon:

- banana!"
- " baanaaaana des skudo. Li sin!"

- "banana maduro li sin...baanaaaana des skudo. Li sin!"

- "banana maduro li sin...baanaaaana des skudo. Li sin!"

- "banana des skudo!"

-  "BAA NANA! BAA  NANA!  BAA NANA!..."


El é pregon de 6h50 te kaba 8H00. El é dos mudjer. El é tres mudjer. El é  mudjer ku se balai de karis, banhera o karton, ta roda banana des skudo... Bida de rabidante.

- Nha bende-m un banana?
- El ta ndjerga kabesa, panha-m el de favor!
- Nha ali dinhero... "obrigado"
- Nha go, kal ke nome de profisan de nha?
- Nho ka dja odja-l: É Bende na kabesa!... el ta dispide ku sorizo na rosto -, "baaa nana!"

20.12.11

Se é Morna, é Sodade.

(...) Na sua expressão cabo-verdiana, a saudade torna-se mais densamente açucarada e sensual, enquanto a condição humana se revive numa melancolia feita de insularidades e numa distância em que tempo e espaço se confundem numa espiral da solidão. Sendo o dialecto crioulo em geral pouco adequado para a expressão de ideias abstractas, a palavra "saudade" (sodade), com toda a sua flutuante carga semântica e existencial de séculos, adquire uma tonalidade de lamento vivencial que a música se encarrega de tornar mais intenso, numa busca do tempo perdido ou de um lugar que pressentimos e que se tece algures, nas mapeações da alma, entre o passado e o futuro (já um poeta do Cancioneiro Geral de 1516, João Gomes, falava "da lembrança do passado / com desejo do futuro / em o tear do cuidado" (...)

18.12.11


(1941-2011) foto DN
CESÁRIA ÉVORA NÃO MORREU

"Não morreu Cesária Évora. Os nossos filhos partem, não morrem. Um dia, muito lá atrás, algum português partiu e levou saudades, chegou a São Vicente. Muito depois já tinha sodades, estava em Sanvicente e um bocadinho dele chamava-se Cesária, miss perfumado e de pés descalços. Portugal cumpria-se. Exactamente onde devia, num porto que mais porto não podia ser, Mindelo, cruzamento, canal e ilha em frente, restos de barcos cansados na praia. Mindelo, a do cais dos fugidos à seca que iam para São Tomé, outra vez partindo, outra vez levando saudades. Às vezes, nos anos 50, o saxofone de Luís Morais vinha para o cais chorar uma morna, enquanto o barco rasgava o mar entre São Vicente, piquinino, e Santo Antão. Muitos anos depois, Cesária cantava a esses flagelados do vento Leste: "Quem mostra' bo ess caminho longe? Ess caminho pa São Tomé..." Era crioulo, tão longe do meu linguajar comum como uma cantiga de amigo, mas tão fundamente meu. Um dia, numa estrada, o rádio do meu carro pôs-se a falar da minha terra, "Angola, Angola", repetia Cesária e "ess convivência dess nhôs vivência, paciência dum consequência, resistência dum estravagância", palavras que algum sentido teriam pelas lágrimas que me corriam. Não morreu Cesária Évora, haverá sempre mar, mansinho, com lua cheia lumiam caminho. La na céu bô ê um estrela."

PITADA de NHA TABAKERO

Kanto kalapitxa ortografiko!?
- Li du/nu ten tres: 1º era di-nos; sugundo é de mé; terseru é di AK (ofisial)
“Nha tabaquêro/ NHA TABAKERO// NHA TABAKERU
Gána nhôs tenê/ GANA NHOS TENÉ// GANA NHOS TENE
Má câ nhôs ‘cêta!/ MA KA NHOS SETA !// MA KA NHOS SETA
Can-can di nha mom/ KAN-KAN DE NHA MON// KAN-KAN DI NHA MON
Nin co’ doêdjo na tchom!/ NEN KU DOEDJO NA TXON// NEN KU DUEDJU NA TXON
Nhôs podê pidi-‘m/ NHOS PODE PIDI-M// NHOS PODE PIDI-M
Nhôs podê mostra-m’ / NHOS PODE MOSTRA-M// NHOS PODI MOSTRA-M
Nariz raganhádo,/ NARIS RAGANHADO// NARIS RAGANHADU
Ôdjo grilido/ODJO GRILIDO// ODJU GRILIDU
Dedo na djêto, /DEDO NA DJETO// DEDU NA DJETU
Pamó nha pitada/PAMÓ NHA PITADA//PAMÓ NHA PITADA
M’ tâ torna gritâ/ N TA TORNA GRITA// N TA TORNA GRITA
Nhôs tudo fépo:/NHOS FEPO:// NHOS TUDU FEPU
Nim ngatchádo, / NIN NGATXADO, / /NIN NGATXADU,
Bafado, sucundido/BAFADO, SUKUNDIDO//BAFADU, SUKUNDIDU
M’ câ tâ dâ nhôs!/ N KA TA DA NHOS!// N KA TA DA NHOS!

(…)”
Jorge Pedro... In Claridade...

17.12.11

Es é Bala Nborkado!


"Detratoris y antipatriotas" ... Na lingua kabuverdiano, kal ke deskulpa?

13.12.11

Fasilito

fasilito [fɐsɨ’litu]. adij. (Do pt. facilitar). 1. Kunfiado. _~ Atrivido. Es ome é fasilito tene-l sempe londje. Ka bu da-l konfiansa. Nho dixa de fasiliteza na kaza di argen. Es fasiliteza de nho tudo nos dja kaba konxe-l.

fasilita [fɐsɨlitɐ]. v. ( Do pt. facilitar). 1. Xanse. Es ome ka bu fasilita-l nen un faiska ora ke el ben li. El é un prigo en pesoa. 2. Torna kuza fase. É kel rapas la, ke sta sta sintado latxe kadera na txon, ke fasilita-m kantu N staba ta trata nhas papel na rejisto sivil.
Xanse, txanse [‘∫sɨ], [‘t∫sɨ] n. (Do pt. Chance). 1. Oportunidade. Da-m só un xanse bu ta odja ma mi é ome serio. Ka bu fitxam porta, nen ka bu tra-m nha speransa, pensa prumero. Dreto!

rapustera, raspustra [Rɐpus’terɐ], [Ras’pusterɐ]. n. (…) . 1. Kurtina. Ba tra-m kes rapustra de porta ku janela pa N ben laba pamo es ta xuxo, dja dura.

12.12.11

Benson

- Nha(o) da-m Benso(n)!

- Deus libra-u de boka-l mundo ku lingua de pekador...

- Deus faze-u bon ome/mudjer/rapaz/rapariga.

- Deus da-bu juis!
- Deus kunpanha-u!
- Nha birja maria pa kunpanha-bu!

- Deus da-bu zimola!
- Deus da-bu papa ku lete!


- Deus pa djuda-bu ku tudo kel ke bu ka pode ku el.
... ... ...

11.12.11

Spia se rosto gó!

Rosto lerezo sima katxó ke lenbé bala tenté.

- Kuzé ke bu sta spia-m ku rosto lerés, suma katxó ke lenbe bala de tenté.

Rosto, tanto fas, "lerezo" o "lerés". _~  < CONTENTE , mas de kenha ke fazé kuza torto y ke sta spera reprimenda (kenão) "lebe".

Sen Ndjutumento...

Lingua ku se identidade. Identidade gó é kuzé?
- Diskurso ku Poder y mas... !

16 de Marso, na dia de lansamento/aprezentasão de Livro/tese de João da Rosa, "Discursos Linguísticos e realidades nas Salas de Aulas- vencendo a luta para o controlo",  Dotor Manuel Veiga, Linguista, fla:


Linguista ta papia sin. Kriolo é oje Lingua de Stado. Unde é ke duvida sta? Undé ke sta grande karkutisan razultado na dezavensa entre tudo kauverdiano?

Mi dja N sabe rasposta. I Nhoris?

É nho la Leitor de Merka,

Karo leitores,

N ten odjado pa tudo leitor de es Blog, mas pa numuro de "bijita", Merka sta na prumero lugar. Por iso mé, N ta gardise tudo nhas leitor de Merka...

É tudo ku tudo falante de Kriolo ke du faze nós Lingua Kabuverdiano. Es é un konstrusão; oje y senpre.

Obrigado Merka.

9.12.11

Katxol

mudjel   - > mudjei - > mudjé
kudjel    - > kudjéi - > kudjé
katxol    - > katxoi - > katxó
              -> animai - > animal

8.12.11

Kasabi

I. Ka é un adiverbo de negason:

1. N ka sabe ke ora ke el ta ben de bila.
2. Na nha tera ka frado ku, ta frado kadera.
3. Ningen ka leba na kadera, se ben ke es mereseba un bon korta kosta.
 4. N kapode, N sta doente dja dura.

II. Ka + verbo =

1. Da-l un kapode kanto era dos ora de mardugada, es leba-l bila.
2.kasta ka ta djobe punde-l.
3. Dja es faze-l kasabi txeu na mundo.

III. Ka+adiverbo
1. Dja el gosta de konta kasin (konta mintida).
2. ? kalebu (ka ale-bu), dja N tenba sodade el bo!

IV. ka+adijetivo
1. ? N odjaba el katrisado ta tenta poi sako de simento riba txada kabesa.

7.12.11

Gargunha

Gargunha(Fogo)
  1. Gargunha, ma ka bu morsé
  2. N odja-bu da kabelo gargunha-m na korpo (= kabel rapia-m na korpo).
  3. Fijon ke bu po riba ka ferbe ke fari gargunha.
  4. Kuzé ke tene-bu gargunhado (xatiado)? Kuzé ke es faze-bu?
  5. Ka bu gargunha(=gragunha/graunha/kosa) kel firida, pa ka infeta.
Eziste un palavra na kriolo ke “garga” ou “gurgu”?
? Ka bu garga (de karka/kalka?) ker firida unha mas di ki sin pa el ka infeta.
 Râpia [‘rɐpjɐ] (port. arrepiar), v. arrepiar-se, korpu sta-m rapiádu: estou arrepiado, tenho arrepios, vd. gurgunha.
Gurgunha [gur’guñɐ] v. estremecer, arrepiar-se, gurgunhâ-m korpu: arrepiei-me vd. rapia
(QUINT-ABRIAL, 1998 :71)
VEIGA, 2011. Dicionário Caboverdiano-Português
ST
SV/OV
Port
gurgunha, gurgunhi
gurgunha korpo
arrepiá, repiá, kuntxa (Bv)
arrepiá korpe
ver arrepiar, sentir calafrios
exp arrepiar o corpo
râpia
kabelo sa ta râpia-m
rapiá, arrepiá
n tâ ke kabel t’arrepia-m
ver arrepiar, encrespar os cabelos
exp estou arrepiado

Gramunhento?
Kramuxa, kramuxento

AK, tempo dja da!

Pa teor des nobidade, AK dja entra na tudo Universidade de Kabo Verde por forsa de dekreto governamental. Personalidades “sientifikus nasional de norte a sul” dja kaba nbarka na PERLA D’OSEANO. Pa kaba mata, AK(ex-Alupek) ka tene tadju mas!

Iperbuli

Es ka ten kulpa: IperbOlizasãu/iperbUlizason…
Não há contradição entre o título Dicionário Caboverdiano- Português com

"Este Dicionário Elementar Caboverdiano-Português – num total de mais de 15.000 entradas – é uma tentativa de tornar a lexicografia do CCV um pouco mais abrangente, embora o mesmo se encontre ainda longe de cobrir o universo lexical da língua em questão. Seja como for, o trabalho abarca, de forma não exaustiva, as variedades de Santiago e S. Vicente, com algumas incursões nas variedades do fogo, Boavista e Santo Antão.
Quem vier a empreender um novo trabalho lexicográfico disporá já de um número significativo de referências, importando apenas aperfeiçoá-las, alargá-las e enriquecê-las". (Veiga, 2011: 12)
BIBLIOGRAFIA

VEIGA, Manuel (2011), Dicionário Caboverdiano-Português. Praia: IIPC.

5.12.11

Etimo

- Kuzé ke inda bu sta kramuxa?

caramunha [kɐrɐ’muȠɐ] s.f. (Do lat. querimonia ‘queixa’). 1. Lamentação, por vezes acompanhada de choro, de lágrimas; queixa lamurienta _~ LAMÚRIA. 2. Choro ou choradeira de crianças. 3. Expressão facial, cara que se faz, geralmente, quando se chora; demonstração de aborrecimento. _~ CARETA. 4. Demonstração de aborrecimento, geralmente perceptível na face. Fazer o mal e a caramunha, fam., lastimar o mal que se causou a outra pessoa, sem se revelar como autor dele. (Dicionári da Academia...)

4.12.11

N ka fede nen N ka txera

- Kabo dja feda-u? Oras ke bu ka sta aguenta mas, "rola bu manta, ka bu kramuxa"...

Katxó na korida
1.      Oje N sta fede torna borsedo.
2.      N tene korasan fede. Ka bu bem feda-m mas di ki kel ke N sta.
3.      Kel kabo li sta txera fede, é kuzé?
4.      Ka bu fra-m fede, N ben ku ora pa N bai nha kaminho.
5.      “Mi go ke N ka fede nen N ka txera”, espresão ke ta signifika: kel asunto la N ka ten nada a ver ku el. omesmo ke fla: Nha boka ka sta la.
6.      Kabo dja bira fede, isto é, ka ta da pa fika… bai enbora.
7.      N rasebe un karta de nha kunpadre ke po-m nha korasão fede, ke nen bu ka ta imajina…
8.      Oje N labanta de kama ku korpo fede. Maldesposto.
9.      Nha fidjo ta kume fede = kume poko y nen tudo kuza…
10.    Mi go, nha kodé matxu ta kume tudo erbasol.


“féde, adj. (de feder) que cheira mal, fedorento, fétido, ta cherâ fede, fig. Pouco, diminuto: el ta pagá féde, paga mal; negóce féde, mau negócio; fr. S.T. im ca féde que fari pa’m cherâr, diz-se quando uma pessoa foge da outra ou finge não vê-la; bo ca fede bo ca cherâ não tens mácula nem defeitos a que possam atribuir; preço fede, preço baixo ou diminuto; festa fede, festa desagradável, sem animação etc.; fig. el tem boca fede, ele é fatalista; ta cria fede; que pouco cresce ou cresce morosamente.”
(FERNANDES, 1991(?))

NOTA: el ten boka fede.“fatalista” é na sentido de algen ke ta abri boka pa el ta dezeja-bu mal, es mal ta kontise. Anton bu ten ke skonjura-l pa afasta mal pragejado: “ - kredo in krus, ba poi boka na praga-l unde ninhun enbarkasão ka ta pasa!”

Fedi [‘fedi] (port. Feder), adj. mau, de má qualidade (grógu). II vb. Cheirar mal, feder, sata fedi/fedába: isso fede, isso fedia.”
 (QUINT-ABRIAL, 1998 :71)

VEIGA, 2011. Dicionário Caboverdiano-Português

ST
SV/OV
Port
fédi
mafe
ver fétido, fedorento
bóka fédi
linga preta linga pintada
exp que provoca má sorte
fase algen fédi
fazê mal a un pesoa
exp fazer mal a alguém
ganha fédi
ganhá poke
exp ganhar pouco dinheiro
fedor
txere mafe
sub fedor mau cheiro



feder [‘fɨder]. v (Do lat. foetēre). Espalhar, deitar, exalar um odor desagradável; cheirar mal (…) causar aborrecimento, enfado, tornar-se incómodo, insuportável _~ ABORRECER, ENFADAR, IMPORTUNAR. Não feder nem cheirar, Brás., ser uma pessoa insignificante, não ter personalidade” (IN: Dicionário da Academia…)

fedor [fɨ’dor]. s. m. (Do lat. foector, -ōris). Cheiro nauseabundo, pestilento, insuportável; mau cheiro. _~ CHEIRETE, FEDENTINA. «Henriqueta: baixou as roupas da cama, a fugir ao fedor da urina» (NEMÉSIO, Mau Tempo, p. 46). (IN: Dicionário da Academia…) 

1.12.11

"Bunitona"

Oi...

- "Bu teneba sodade mi!?"

- "Dimas,  ti ke txon ta ratxa!" :)

- "Ami, N odja-u seu abri..."

"... ben tarde ser sukuro ben preto"

Fupo!

Fupo y frupo adv. de rapente, rapentina (kel li, de port. repentino)

"Se N morré fupo é ka nada, se N piora ké muto..."

VEIGA, 2011. Dicionário Caboverdiano-Português

ST
SV/OV
Obs Port
fupu
fupe
ono  acção de entrar rápido e de uma só vez
frupu, fupu
d’entra d’un vês
ono  acção de entrar sob pressão






ono(matopeias)? o nao?

mete-l v.  1. Mete-l fupo na sako. 2. Kanto N txuki-l el el kanba frupo/fupo. sinifika ma el ka staba nobo...
kanba-l v. 1. Kanba-l el dreto pa ka kai na kaminho (poi sen karkel forsa)
txuki-l v. 1. Txuki-l baxo sobako bu ba... (... ta spera algun rezistensia de...xoke)
soti-l v. 1. Soti-l dento kantul perna... (mete, poi sen karkel forsa). 2.
ruki-l v. 1. Ruki-l el dento de odjo... (mete ku algun forsa)
suli-m v. (nsuli/nsoli. v.  de soli?) 1. (N)suli-m kel mindjo na tanboro bu stiba(-l) pa ka fura... (pa kuzas likdo o granulado).

30.11.11

Odja Identidade

Katxó, sange ka ta laba!



"O fado de Lisboa é um género híbrido e nem sequer muito antigo (Rui Vieira Nery situa as primeiras referências documentais que lhe são feitas no segundo terço do século XIX). Nasce no Brasil e, transplantado para Lisboa, começa por ser dança de bordel e canção de rameiras. Mas, vindo de além Atlântico, mantinha uma relação com as origens africanas da música dos escravos negros e hoje ainda se pode notar nele algum parentesco com a música brasileira, com a cabo-verdiana e com algum jazz. Não tanto porque o encontremos nos exemplos de época numa perspectiva arqueológica do exame de modinhas e lunduns, mas porque a inovação musical que nele se opera tem intuitivamente presente essa relação ou redescobre essas afinidades. (...)

29.11.11

Ramanga...kudjé kramokado

Ei, é bo la, rosto suma kudjé kramokado...
(- ka nhos rapa-m kaleron ku kel kudjé nobo pa nhos ka kramoka-m el...)

- Ramanga! [Rɐmgɐ]
Inda N ramanga-bu pó, spera-m gó N da-bu dreto…

- Mos, bó gó é kuzé ke bu sta ramanga? Ramanga, só pa bu ka da-m, pamó se bu da-m bu ta odja lume ku dilubre ta koré.

- Ramanga karsa bu ramanga kaminza, rosto na txon, sinal de ome mofino!

Remoke [Re’mɔkɨ]/ ramoke (?)
Só kanto N da-l dos remoke el kunsa entra na kaminho…
N tenba ke da-l remoke, de sel dja staba dimas.
Bu pode da remoke sima bu kre, ma bu ta ba simé. Ka bu da-m remoke, fazé kel ke N manda-bu.
Ala-l ta bai la,  odja-l ta ba, ta ba ta da remoke

 QUINT-ABRIAL, 1998.
Ramanga [rɐ’mgɐ] (port. remangar) v. arregaçar as mangas ou as pernas das calças, remangar, remanga kalsa!  arregaçar as pernas das calças para não se molharem).
Ramóki [rɐ’mɔki] (port. remoque) s. acto de uma pessoa lembrar à outra que esta é lhe devedora de um favor, da remoki: lembrar a alguém os favores que lhe foram feitos.

 VEIGA, 2011 (Dicionário Caboverdiano-Português)
ST (Santiago)
SV/OV
Português
ramanga
Remangá, ragasá
v. arremangar
ramóki
Lenbransa de un favor fete
sub remoque

Será ke Linguistas Kv, alguns, entretedo na konvenson de skrita - fonetizasão de LP - inda ka da konta ma "Leksiko de Kriolo de Kabo Verde", apezar de etimolojikamente portuges, ganha un semantika oto na FALA rejional y nasional. N ka sta papia de sintase, nen de ... ke dia ke Stado-governo de nha terra...
 remoque [Rɨ’mɔkɨ]. s. m. (Deriv. Regressiva remoçar). 1. Acção de evidenciar discordância; acto ou efeito de remoquear. 2. Dito dirigido indirectamente a alguém, em tom ofensivo, que encerra discordância, censura (…) 3. Insinuação maliciosa ou de carácter satírico. (...) 4. Objecção de carácter discordante ou crítico. (…). 5. Repreensão; censura (…). (Dicionario de Academia...)

27.11.11

Sarbaxe !

- Mos, bo é sarbaxe!

Sarbaxe = bruto ~_ brabo
Sarbaxe, sarbaje (de pt. selvagem)
Sarbaxaria, sarbajaria (de pt. selvajaria)
Sarbajindade, sarbaxindade
Salbaxi [salba∫i] (port. selvagem) adj. malcriado, mal-educado, indelicado, descortês, grosseiro (QUINT-ABRIAL, 1998).
VEIGA, 2011 :384 e 256
ST (Santiago)
SV/OV [S. Vicente/outras variantes]
Português [PE]

Salbaxi, selvájen

Salvájen, malkrióde
adj  mal educado, malcriado, selvagem
salbaxaria
salvajaria
sub  selvajaria
salbaxindadi
salvajaria
sub   selvajaria
malkriadu
malkrióde, stebakeróde (SA) labantadu (F)
adj malcriado, mal eduducado
malkriason
malkriason, -ãu
sub falta de educação, obscenidade
selvagem [sɛɫ’váӠᾰj] adj. m. e f. (do prov. Selvatge, do lat. Silvaticus ‘silvestre’). 1. Que vive livremente na natureza, que não habita junto do homem ≠ DOMESTICADO, DOMÉSTICO (…) 2. Que cresce naturalmente sem intervenção do homem. BRAVO, SILVESTRE CULTIVADO. (…) 4. Que não se adapta à vida em sociedade; que prefere estar sozinho. (…) 5. Que tem um comportamento grosseiro, rude, brutal; que não foi modelado pela civilização (Dic. Academia  :3372).

selvajaria, selvageria (Bras.) [sɛɫvɐӠɐ’riɐ], [sɛɫvɐӠɨ’riɐ]. s. f. (de selvagem+ suf. –aria). 1. Característica do que é bárbaro ou selvagem. (…). 2. Acto cruel, brutal ou procedimento próprio de bárbaro, selvagem. (…). (Dic. Academia  :3772).
malcriado, a [maɫkri’adu, ɐ] adj (De mal +criado). 1. Que não tem bons modos; que não é bem educado.- ~ GROSSEIRO, INDELICADO, MAL-EDUCADO, RUDE ≠ BEM-EDUCADO (…).(Dic. Academia  ).
má-criação [makriɐ’sᾰw] s. f. 1. Desrespeito pelas regras convencionais do normal relacionamento social; falta de educação. 2. Comportamento que revela esse desrespeito. -~ GROSSERIA. Pl. Más-criações. (Dic. Academia ).
-TUDO KEL LI GO, É PA KUZÉ?
-DIBINH

Bali, FADO é nós

Foto DN
Património Imaterial da Humanidade!
(Bali, 27/11/2011)

22.11.11

Stado Biado!

Mas un palavra bonito na nos kriolo ke dja sta ben biado...

El ben li ben biado (pt. aviado). Na kriolo el ten sentido de karregado. Un forma de fla un algen ma sta prenha. Por ezenplo: Dja bu sta-m biado.

20.11.11

Ratorkão!

Dja nho staba "ratorkão" na mundo...

Oje algen faze-nu rakorda un palavra bunito na Kriolo, ma ki sta na ora de morte. Es palavra é ratorkão (mesmo ke “ nhos sta-m ratorkan!). Ben na nha memoria es pasaje de livro de Baltazar Lopes da Silva (1957),

(…) nunca encontrei traço linguístico que se me tenha imposto como provindo necessariamente de um substrato a africano. Apenas no léxico se nota a ocorrência de vocábulos a que, como disse atrás, atribuo origem africana, na impossibilidade de lhes encontrar étimo português, mesmo na fase arcaica ou média do idioma. No entanto, mesmo essa contribuição vocabular, de tão magra que é, quando confrontada com a origem reinol da quase totalidade do tesouro vocabular crioulo, não tem, a meu ver, significado relevante, no que concerne ao influxo da subjacência não românica.” (Lopes da Silva, 1984 :39).
Sta klaro ma ratorkão/ratorkan é omentativo, as vesku sentido pejorativo, de adijetivo ratorko.
De li no razolve djobe étimo des palavra na purtuges y forma ke es sta disionarizado na Kriolo de Kabo Verde, no (ka) atxa:
1.       ARMANDO NAPOLEÃO RODRIGUES FERNANDES (1885) ka rejista es palavra “ratorku” na se “Léxico do Dialecto Crioulo…”;
2.      BALTAZAR LOPES DA SILVA (1957) “retórico: é termo da ilha d Fogo, com a forma ratorku; é curioso o sentido que ali assumiu (aplicado a pessoa) de cheio de si, empavonado, exibicionista. O tratamento fonético não tem nada de especial: mudança do e em a por influência do r inicial e sincope da postónica.” (1984 : 359);

3.      NICOLAS QUINT-ABRIAL (1998), Na se dicionário Caboverdiano-Português skrebe: Ratólku [rɐ’tɔlku] (port. Retórico) adj. verboso, palavroso, retórico. 
4.      MANUEL VEIGA na se Dicionário Caboverdiano-Português pa es entrada e variantes el skrebe na página 370:
 
ST
SV/OT
Obs Port
Ratóiku, ratólku
ezigente, xei de mania
adj  exigente, cheio de manias
ratólka
ratólka (bv)
Adj com muitas manias
ratólku
xei de salamaleke
Adj com muitas manias
ratólku
ke mania, fiter
Adj fiteiro
Signifikado ki gentis Fogo ten de palavra ratorko ó te ratólku ka sta muto klaro na kes entrada ke no sita. Na Fogo un de kes uzo sta na sentido de kel spresão li:
1. Rapas, undé nho sa ta ba tudo ratorko (ratorkão) sin? Purtanto, janota, ben bistido, ben karsado… y tudo kontente; bazofo, janota.
Komo falante de kriolo ta kusta-nu rekonhese kes signifikado atribuído a “ratólku” na kes signifikado ke dado na SV/OT… y mesmo na portuges
Tanbe se no bai odja signifikado traduzido na português “fiteiro” de *fitero (mask) fitera (fem) (MV escreve: “adj mulher com muita cerimónia”, pajina 140.  Kazo de un falante de portuges razolve txoma un kabuverdiano de “ratólku”, tendo el kel signifikado ekivalente “fiteiro” na purtuges, ke segundo o Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, fiteiro “(… ) que ostenta falsamente um sentimento, lágrimas… para iludir ou impressionar alguém; que finge, que simula; que faz fitas…”. Nu pode odja “ratólku” traduzido pa “fiteiro” na LP?
Tanbe nu pode odja kel ke sta “cheio de manias” suma un ratolku? MV escreve “mania” tem mesmo signifikado/traduzido na tudo variedades sima na portuges, sta traduzido, “mania”. Só ke na portuges mania significa basikamente “capricho, esquisitice; excentricidade; desejo ou gosto imoderado por algo”. Será ke un pesoa ratorku é un pesoa xei de mania?
Na Kriolo de Kabo Verde, sobretudo na kes variante ke no konxe, spresão “dixa de fita” signifika dixa de faze ka sabe, ka konxe, ka obi… finje, simula, faze de nobo… bu sta na fita, bu sta só na finjimento…
Na Dicionário de QUINT-ABRIAL, transkrison fonetika ta parse-nu ma sta mariado *[rɐ’tɔlku]. [ra’tɔɫku]. No entanto, na signifikado ke el da de ratolku, no ta odja algun aproximasão semantiko. Pois, un pesoa ora ke el sta ratorko, na sentido ke nu da-l li de riba, el ten tendensia na kre mostra “exibicionismo” na ta papia pa txoma atenson...