29.9.11

- Acordo Ortográfico Ku nos!


Klika pa ler artigo na Ciberduvidas :«Esta terá sido a última tentativa de “unificar” a ortografia do português. No Brasil, uma nova geração de linguistas apresta-se a tomar as rédeas. Ela vai já quebrando tabus morfológicos e sintácticos, e quebrará os ortográficos também. As várias pronúncias "cultas" em território brasileiro não escondem um vasto âmbito de uniformidade sonora, mormente em contraste com Portugal. Um dia, essa considerável uniformidade vai, sobretudo no âmbito das consoantes, reclamar a adequação gráfica que a etimologia e a tradição lhe sonegaram, e não é a pronúncia portuguesa, mesmo culta, que irá estorvar tal anseio (…).» Artigo publicado no n.º 105 da revista Ler, de setembro de 2011, que aqui fica na íntegra, com a devida vénia ao autor e à Ler. Os subtítulos são da responsabilidade do Ciberdúvidas."

28.9.11

IILP, G. MULLER: tres sitason

Como Cabo Verde assinou o Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa...

Esta notícia: citações aplicáveis ao nosso ALUPEC... não está a ver como?

“Não há uma homogeneização do léxico”.

“O acordo não fere as especificidades linguísticas de cada país. As pessoas ainda confundem a língua com a ortografia e o que se está a fazer é uma modificação do espelho ortográfico”.

("pessoas" está para o POVO ignaro, claro).

“Não há a ideia de que todos devem implementar o acordo no mesmo ritmo, pois partem de bases muito variadas. A negociação interna tem que ser feita dentro dos respectivos ministérios e os prazos de transição são diferentes”.

Já pensou nas palavras que só nós Cv usamos na Língua Portuguesa, que deverá entrar para este tal vocabulário comum?
Eu poponho:
cachupa;
piram;
rosquilha;
morabeza; (no sentido em que foi significado por Henrique Oliveira, RIP).



Un Sorizo de Amilcar Cabral

En Setenbro: Un Figura Inkontornal

26.9.11

Deus Libra-u de Boka-l Mundo ku Lingua-l Pekador

JMN : imagen furtado na FORCV
Es é, para alen de raza-l, é pa engatxa-l pa odjo runho ka oja? ... talves! N ta ratuti:

(...)
 "Todos sabem que sou um nacionalista convicto mas neste momento, não apoio a oficialização do crioulo cabo-verdiano. Para mim, sim, devemos pôr esta ideia na praça e discutir com seriedade e sinceridade — para que possamos ver se é possível e viável oficializar a nossa língua materna. (...)"
"Nacionalista convicto", nho fla pamode ke nho ka ta apoia ofisializason de nos Lingua Materna? UnLingua ke nu ta papia durante dia, ku note ku tudo!? Na terral gó, ki txuma papia kriolo, ah,ahahah!!! ... LOL :).
Se nho é Nasionalista de verdade -  kenha ki ta "salvaguarda dos interesses e exaltação dos valores nacionais" ... nos Kriolo é valor Nasional, primario... -
- Dja N kre dibinha : nho ka kre é pa ofisializado ALUPEC!?  Mas ALUPEC é sigla/akronimo de "Alfabeto Unificado Para a Escrita do Cabo-verdiano".  Para a ESCRITA ...

Komison ki trabadja dezignado  Grupo para Padronização do Alfabeto (resultado ALUPEC) era formado pa:
Dra. Alice Matos - ilha de São Vicente - Praia;
Dra. Dulce Duarte - ilha de ?
Dr. Eduardo Cardoso - Ilha de São Nicolau;
Dra. Inês Brito - Ilha de ?
Dr. José Luis Hoffer Almada – Ilha de ?
Dr. Moacyr Rodrigues - Ilha de São Vicente, Mindelo ( [desistiu?]  presente na reunião de assinatura...)
Dr. Tomé Varela da Silva;
Doutor Manuel Veiga - "Arquipélago de Cabo Verde", desinado para Presidência do Grupo. Nhos pergunta-m pamode "Arquipélago de Cabo Verde"?
Ora ningen inda ka skese ma ultimo revizon de CRCV, UCID, partido de nho vota kontra, MPD vota abstensão. Ago é pa sera proximo revizão, mas te la ...
AlupeC é alfabeto, kes Letras pa reprezenta grafikamente kes son de Kriolo... ki nu ta fala => dize => papia => fra => fla nel tudo ora, tudo dia ki Deus po na Krus...

25.9.11

Deus libra-u de boka fede!

Benson: DEUS libra-u de boka fede!
Marcos Fonseca partilha ku nós es gravason  de diskurso ke “Primêr Ministre fazé na ONU discurse istórico em criôl .” e el reforsa nun testo skrito pa pode ser mas tarde lenbrado: “Primêr Ministre d' Cab Verd José Maria Neves fazé um discurse istórico d' treze minut tud na criól, ónt (24) na Assembleia Geral número 66 d' Nações Unidas, diante d' Chefes d' Estad e d' Guvern d' mund inter.”
Leitor pode odja ma es “ortografia” de Marcos Fonseca sta na variante de kriolo de barlavento, enbora é ka sta skrebedo de akordo ku kes  regras y prinsipio instituído pa ALUPEC, el é lejivel y konprensivel pa tudo leitor kabuverdiano alfabetizado .
Nes ato, no ta rejista sibolikamente es atitude de sidadania de nos prumero-ministro de Kabu Verde – PAPIA KRIOLO PA MUNDO OBI - un demonstrason ma el ten un Pulitika Linguistiko klaro pa Nason Kabuverdiano. Agó, proposta de padronizason ortografika de Lingua Kabuverdiano sta na nos mon y na nos intelijensia.
Primero-ministro ta justifika se intervenson na Kriolo, pelo logos, asin:
“(…) N sa ta diriji pa nhos na Lingua kabuverdiana, na Kriolu de Kabo Verde. N ta pensa ma é prumeru bes ke na asenbleia de nasões unido sa ta kumunikado na kriolo de Kabo Verde. N sa ta faze-l pa partilha ku nhos es jenuino patrimonio de umanidade ke nanse na prinsipio de sekulo kinze y ke de akordo ku alguns linguista y storiador el é Kriolo mas antigo de formasão euro-afrikano na kontesto atlantiko. N deside kumunika na kriolo kabuverdiano pamode é Língua, é kultura, é storia y é mimoria. Tudo língua é spresão de pensamento de tudo kuza ke nu sabe y de tudo kuza ke nu ta faze. Lingua é seguramente spresão de un sivilizasão. Asi, ó ke N ta uza Kriolo de Kabo Verde na mas importante tribuna de enkontro de xefes de Stado y de Governo, N ta faze-l ku konviksão ma kriolidade é un valor antropolojiko de tudo Umanidade y, N ta faze-l inda, pa destaka na el nos kabuverdianidade, nos alma, nos manera de ser, nos ethós y nos pathós kabuverdiano. Un kabuverdianidade ke é rezultado de un kruzamento de txeu povo na mundo y ke oxe ta konfigura na un sinteze y na un enkontro de sivilizasões. N ta faze-l inda pa N presta des tribuna un vibrante omenaje a Aristides Pereira, primero prezidente de Kabo Verde y grande konbatente pa liberdade y pa dignidade de Umanidade ke kaba de dexa-nu na terra pa brilha na seu de tudo mundo (…)”
Obrigado por ter divulgado "O BLÁ BLÁ BLÁ DO ZÉ MARIA E OS SEUS... " . Não aceita a ortografia alupekiana com muita razão. Mas, aceitar a voz da nossa Identidade Nacional... que só lhe fica bem...

23.9.11

ALUPEC: Faze kunumia um kaminho mas difisil...

Nes post li, N sita un de kes personalidade konbidado pa forma Grupo para a Padronização do Alfabeto ke fla, N ta volta a sita : "(…) não se deve esquecer que, do ponto de vista cultural, o crioulo tem um modelo de grafia. Então, pamode fazedo y institusionalizado  un nobo mudelo ku es alterasão radiKal de un ortografia sekular?
Pa oto lado, no ka ta entende mode ki un Linguista
 Enbora otor ta afirma, “Os hábitos enraizados [de (orto)grafia de Krioulo?] não foram radicalmente alterados e não violentaram a identidade cultural.” Se na  pratika, ALUPEC e Regras ke el ta propoi pa skrita de Kriolo ta demostra klaramente se  kontrario. (odja tabela)
Scrita de base etimológico (tradisional)
Skrita di bazi funétiku-etimolojiku
CASAMENTO
Mocinhos, nhos ubi consedjo
mi ê bedjo, m’ conxê mundo…
Co casamento ca ta brincado
ê um corda fraco qui ta marra rixo.
Ante nhôs cassâ nhôs cudâ bêm
Nhôs cudâ sem nhôs cunsa bai
alguêm ê buro, casamento é carga
quem qui câ podê câ ta caragâ.

Nhos cudâ bêm, mim m’ conxê mundo
marido ê parede
mudjer ê cumêra
fidju ê tedjádo.
Gabriel Mariano, IN: Claridade, Revista de Arte e Letras. Lisboa: Edições 70, 1986.
KAZAMENTU
Mosinhus, nhos ubi konsedju
Mi ê bédju, N konxê mundu…
Ku kazamentu ka ta brinkadu
E un kórda fraku ki ta mara rixu.
Anti nhos kasa nhos kuda ben
nhos kuda sen nhos kunsa bai
Alguen é buru, kazamentu é karga
ken ki ka pode ka ta karaga.

Nhos kuda ben, mim N konxe mundu
maridu e paredi
mudjer é kumera
Fidju é tedjadu.


Du ta entende alguns “razões de economia Linguística”, mas no ka ta konkorda ku es splikason/justifikason li : "(…) certos símbolos aceites pela tradição (ex: [x] e [j]) são provas evidentes do respeito pela tradição cultural e da passagem quase automática de uma ortografia para a outra, evitando a proliferação de símbolos, não ignorando deste modo as referências culturais em matéria de universo linguístico, pois que vivemos uma situação de contacto sistemático de duas línguas, dispondo uma delas de grafia normalizada, enquanto a outra é brindada com várias grafias." (CARDOSO, 1994(?): 179 - 180).
Nota:  ALUPEC ta propoi un Skrita funetiko-funulójiko, entendedo pa maioria "skrebe bu varianti sima bu ta papia"... enton "grafia de kriol" sta ben ser un "kuza babéliku"? Nau!!
Bibliografia
CARDOSO, Eduardo. Alfabeto Unificado: aceitabilidade e implicações. In: Proposta de Alfabeto Unificado para a Escrita do Cabo-verdiano. Praia, IIPC, 2006.

22.9.11

Steré < STARE

- Ba ta kume steré (kontinuado, mas firme, fika keto... dexa sta...)
- Fika la sima bu sta, steré, te ke N txuma-bu. Ka bu sai de la, kontinua ta faze kuza ki bu sta nel.
- Kanto N bai se kaza N txa-l ta pila steré...

Dramaturjista (y Linguista)...

Desgravason de un parte de entrevista de Dramaturjista Armindo Tavares na TCV:

AMT: "(...) mi mesmu nhas alunus, N ta fla-s sin: ke-li é mi ki ta skrebe_Ma logu N ta da-s algumas referensias_ _  flanu ta skrebe sin_ flanu ta skrebe sin_ flanu ta skrebe sim_ _ agora mi N kre nhos propi_ pa nhos ba investiga_ pa nhos ba analiza_ pa nhos ben fla-m kal di nos ta skrebe midjor_ _

JORNALISTA: ker dizer ki ka ten kritikus di lingua sufisientimente pa djuda valoriza mas_

AMT:  si_ purki istu é ka so u faktu di ser linguista_ dja pa N fla N ten otoridadi pa N fla si_ Nau_ é ka si_ linguista é un pasu_ é un pasu dja asima du normal pa tenta elabora un sitema_ mas é ka pa e[el] fla é nha sistema ki é bon_ purki é sientifiku e [el] ten ki pasa pa varius fazis pa  e [el] ser di faktu sientifiku (...)"

Karo Armindo, es ultimo rasposta dixa-m ku um monte de purgunta!!


PS: Es testo foi transkrito  de akordo ku kes regra de Skrita Alupekiana ki dotor Armindo Tavares ta uza na ses trabadjo online.

Jenuinamente Kaboverdiano

- Mi ku bo du ka ta dana , nos amizade é forte.
- Mi ku bo no ka ta dana/straga, nos amizade é forte.

21.9.11

ALUPEC: Fonetizasão RadiKal

Es fraze ta da muto ke pensa, se du ler-el ku mas atenson. I mas inda se nu enkuadra-l nes nobo pruseso de skrita de kriolo "na baze de skrita fonetiko-etimolojiko".
De fakto, se du djobe etimo de kes palavra ke no ta uza na nos dialgo spontanio te nu pode konjetura ma alguns des debe ter entrado na Kriolo bindo diretamente de fala Latina. Kel li se no lembra ma na prinsipe de povuamento de Kabo Verde misa (rituais relijiozu na Sidade Velha) era dado num mistura de purtuges i de un “serto Latin”; i skravo ta sistiba el sobritudo pa el podeba ser batizado…
Mas sen poi en kauza kel fraze suprasitado, ke é ka é nobidade na midida ke Baltasar Lopes da Silva (1984: 39) e otos studiozo de Kriolo ten el dimostrado de forma kabal i sientifiko, nos reflexão é na sentido de enkontra motivo pa es pruposta Alupec, institusionalizado por dekreto-lei, de fonetizasão radikal de ortografia de palavra etimologikamente purtugesa, aparentemente, ku apenas un uniko vantaje imediato, sobejamente ventilado

“Un alfabetu lojiku ki ka ta eziji, pa ezenplu, ki nos diaspora di 2º jerason i radikadu na teras undi lingua purtuges ka e lingua ofisial, ten ki studa purtuges pa es pode sabe: na ki palavras, son [s] ta skrebedu ku C sima na “centro”; na ki palavras, son [s] ta skrebedu ku Ç sima na “força”; na ki palavras, son [s] ta skrebedu ku S sima na “sentido”; na ki palavras, son [s] ta skrebedu ku SS sima na “nisso”; na ki palavras, son [s] ta skrebedu ku X sima na “próximo”.
Sobre es ultimo sitason, tendo en konta ke kes izenplo dado na Kriolo ten mesmo signifikado na purtuges, okore-nu dos perguntinha: 1) ora ke mininus ta prende skrebe ku ler Lingua Portuges es ka ta enfrenta prublemas na ortografia de Lingua Portuges? 2) Ou purtuges ta dexa di ser lingua ofisial de ensino aprendizaje?

Sima asunto de post é ortografia da LCv, bale pena ler ku atenson es strato de testo de autoria de Dotor Eduardo Cardoso, uma das personalidades convidadas para integrar o Grupo de padronização do Alfabeto

A domesticação do crioulo pela oralidade é uma realidade há muito conseguida. Contudo existe uma tradição de escrita, embora circunscrita aos meios intelectuais.
À excepção do alfabeto proposto no Colóquio de Mindelo, de carácter oficializante, muitas grafias tradicionais foram praticadas no Crioulo de Cabo Verde.
As grafias tradicionais, apesar de resultarem da adaptação da ortografia portuguesa, que os seus utentes aprenderam na escola, espelham igualmente a realidade africana, com a utilização de símbolos reveladores, tais como o k, o trígrafo tch e o digrafo dj.
No momento em que se impõe a adopção de uma estratégia para fazer sair a nossa língua da sua oralidade secular, de modo a veicular uma imagem perfeita da identidade cultural do povo cabo-verdiano, não se deve esquecer que, do ponto de vista cultural, o crioulo tem um modelo de grafia. O ALUPEC teve isto em consideração, não alterando radicalmente os hábitos já enraizados de escrita do crioulo, tentando encontrar um certo equilíbrio entre o tradicional e o funcional: a maior parte dos símbolos existentes no alfabeto português encontra-se no ALUPEC; os simbolos que foram suprimidos, foram-no por considerações de economia funcional ou para evitar complicações etimológicas.
Os hábitos enraizados não foram radicalmente alterados e não violentaram a identidade cultural.
Alguns dos dígrafos que se aceitam no ALUPEC, por razões de economia linguística e certos simbolos aceites pela tradição (ex: [x] e [j]) são provas evidentes do respeito pela tradição cultural e da passagem quase automática de uma ortografia para a outra, evitando a proliferação de símbolos, não ignorando deste modo as referencias culturais em matéria de universo linguistico, pois que vivemos uma situação de contacto sistemático de duas línguas, dispondo uma delas de grafia normalizada, enquanto a outra é brindada com várias grafias." (CARDOSO, 1994(?): 179 - 180).
Querendo, pode comentar com elevação!
Bibligrafia
CARDOSO, Eduardo. Alfabeto Unificado: aceitabilidade e implicações. In: Proposta de Alfabeto Unificado para a Escrita do Cabo-verdiano. Praia, IIPC, 2006.
PS: Caro leitor, o objectivo deste post/blog é ... a socialização da escrita da Língua Caboverdiana entre todos...

ALUPEC: Biblia dos Alupekistas...

Bale pena ler es "biblia"?!
"O alupec, embora aceitando a representação histórica dos fonemas, defende que cada unidade alfabética [letra/grafema] deve encerrar um só e único valor, o que faz com que uma unidade grafemática represente um fonema e vice-versa." (ALUPEC :164)

ALUPEC, Alfabeto Unificado para a Escrita do Caboverdiano (melhor seria do CRIOULO), propõe:

[s] é sempre <s>
[z] é sempre <z>
[k] é sempre <k>
[∫] é sempre <x>
[Ӡ] é sempre <j>
[g] é sempre <g>
Kasa pa badiu

Kaza pa sanpadjudu

Kaza pa nos dos
Kaxa, kaxa é banku verdi!
Keju pa poi na pon
Kanga, N ta kanga boi
[a]/[ɐ] é sempre <a>
[e] é sempre <e>
 [ɛ] é sempre <é>
 [i] é sempre <i>
 [o] é sempre <o>
[ɔ] é sempre <ó>
[u] é sempre <u>
Kanizadi di nho San Djon
Keki pa fésta
Kéna di katxupa pa kumi fépu
Kiku na kabesa
Kola San jon na rubera Julion
Kudadu ku es kóta, é di kalóti
Luta, Luta é pa nhos skrebe Lingua ki nhos ta papia…


Pur isu, ka nhos pensa na ortografia di purtuges ora ki nhos sta skrebi, nhos pensa unikamenti na palavra ki nhos ta pronunsia/obi na kriolu. Asin é  fasi skrebi na Kriolu (até kes otu lingua...), skrebe na LCv é un sugundu pasu, ka nhos ardiga!
- Ai spik potxugis... veri wel;
- ji parli franse boku avék mes ami;
- Patxitaiti et padjauster...

18.9.11

UM FINAÇOM DE PUNÔI RAMO

“Proposta de Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Cabo-verdiano parte de pressupostos de vária ordem, como sejam: a história da escrita em Cabo Verde e os aspectos linguísticos e sócio-linguísticos de que se reveste a pratica havida e vivida.”
Balé pena ler kusa ke sta skrebedo na 1. NO DOMÍNIO DA HISTÓRIA DA ESCRITA? Balé, sim senhor, lere kes “considerando”:
“1.1. Que o Crioulo é a língua que os habitantes das ilhas de Cabo Verde, africanos e europeus, criaram, tornando-se a língua materna de todos os cabo-verdianos;” Kel ponto li ka ta fala de skrita; nem ponto 1.2, nem ponto 1.3.;  ponto 1.4 ta fla: “ Que apesar da sua exclusão da escola e da sua condição de língua oral, a partir do séc. XIX, muitos intelectuais cabo-verdianos utilizaram nas suas produções ou debruçaram-se sobre o seu estudo, quer através de uma escrita de base etimológica, quer por meio de um alfabeto fonético-etimólogico;”. Na verdade, kenha ke uza um skrita “fonético-etimológico”? Sendo serto ke maioria de kabuverdiano skolarizado (ta) uza senpre um skrita dito de baze etimolójika.
Ka tem konfuzãu, pa kabuverdiano ke dja sta alfabetizado na purtuges ta parse-l ma é mas faxi skrebe kriolo ku baze na skrita etimolojiko (skrebe um palavra ku alfabeto purtuges?), enbora el ta ntende tambe skrita ku baze fonetiko-fonolójiko.
Agó, kal ke diferensa o konplikasãu pa leitor nes “UM FINAÇOM DE PUNÔI RAMO”?

Scrita de base etimológico
Skrita di bazi funétiku-etimolojiku
M’ sta djobê alguém qui sa ta bá Merca
Qu’ ê pã manda Maninho Ramo recádo
Ma nha calça djâ cá ratchâ fépo,
Casaco djâ cá ratcha fépo,
Cilora djâ cá ratcha fépo,

Calça djâ ficâ só cós,
Casaco djâ ficâ só manga,
Camisa djâ ficâ só gola
Cilora djâ ficâ só prega.
N’ sta djobe algen ki sa ta bai Merka
Ki é pa N manda Maninhu Ramu rekadu
Ma nha Kalsa dja ká ratxa fépu,
Kazaku dja ká ratxa fépu,
Silora dja ká ratxa fépu,

Kalsa dja fika só kós,
Kazaku dja fika só manga,
Kamiza dja fika só góla
Silora dja fika só préga.


Sima no pode odja, skrebe Lingua Kabuverdiano é tanbe um konvenson… SOM/GRAFEMA; si no kre kria regras de skrita de Lingua Kabuverdiano no debe kria-s pa regra skrita ke (ta) iziste, pa torna-l mas funsional pa leitor ke ta papia kriolo i/o kre prende skrebe nos Lingua... No ka debe nega, Lingua kabuverdiano é neo-neolatina i el debeba ser tanbe pensado na ortografia. ALUPEC é ka ortografia de Lingua Kabuverdiano… É inposivel kria um ortografia de Lingua kabuverdiano baziado nes pruposta de skrebe sima bu ta papia, pelo menus de forma tãu radikalizado. No meste trabadja num akordo ortografiko pa skrita de Lingua nasional…

15.9.11

Sera < SEDERE

Verbo sera (? spera)

N sera-bu ...................? N spera-bu
bu sera-m................... ? bu spera-m
el sera-l...................... ? el spera-l
nu sera-s .................... ? nu spera-s
es sera-nu ..................  ?es spera-nu

8.9.11

Taé-bu

N ta taé-bu
Bo bu ta taé-m
El el ta taé-el
Nos Nu ta taé-es, mas es es taé-nu kel kuza ki ne katxo ka mesté

2.9.11

N da rinkada pa

Kantu N da rinkada pa N bai te la, nha mova ringa...

Pa ka rabenda-m purtuges,

Ora ke no sai de kaza, no da dos paso no ta obi gentis ta papia, mesmo ke es ka sta papia ku  nos nu ta obi-s na ta bai. Anton, onte N obi un sinhora ta fla: "kaprizo, bu ka ben atxa-m pa du ba..." Es palavra "kaprizo" fika-m na kabesa ta djobe signifikado... Sima N ka ome de sakuta konberso de algen N ka para pa N sakuta undé N ta poi es "kaprizo" , un palavra pixado de kultura, ku se signifikado na nha mimoria. Ami, falante de kriolo, N bai ta djobe na ke situasão ki dja N kustuma-ba obi es palavra, un arkaismo li na Praia. Na ta tra de sintido, ben un  oto arkaismo se kunpanhero... "Prizé", sinonimo de "kaprizo". Ago kal ke é etimolojia des dos palavra?

- Ka nhos rabenda-m, ami é grande!